Como agem os medicamentos que tratam a depressão?


  • +A
  • -A

A depressão é uma doença doença psiquiátrica cuja característica mais conhecida é a profunda tristeza sentida pelos pacientes. Outros sintomas que você pode experimentar são cansaço, pessimismo, desânimo, mudanças de humor e até alterações no apetite. Parte do seu tratamento é baseada em hábitos saudáveis e terapia, mas o uso de medicamentos também é essencial para o sucesso do combate ao distúrbio. Portanto, siga sempre a recomendação médica.

Medicações antidepressivas regulam os neurotransmissores


“Os medicamentos antidepressivos são compostos por diversas classes farmacológicas de medicamentos, ou seja, cada um atua à sua maneira. Mas, de modo geral, os medicamentos antidepressivos agem na modulação dos principais neurotransmissores:
serotonina, dopamina e noradrenalina”, afirma a psiquiatra Luciana Staut.

O desenvolvimento da depressão no seu cérebro está relacionado a modificações químicas que resultam na alteração da quantidade desses neurotransmissores, responsáveis por transmitir impulsos nervosos. Mudanças na noradrenalina e na dopamina, por exemplo, podem resultar no humor deprimido e na falta de interesse, enquanto a perda de peso na depressão está ligada à falta de serotonina. Os antidepressivos buscam normalizar os níveis dos neurotransmissores.

Antidepressivos podem demorar algumas semanas para surtir efeito


No entanto, você precisa ter em mente que os efeitos dos medicamentos não são instantâneos. “Em geral, a resposta terapêutica aparece depois de uma ou duas semanas de
uso continuado da medicação em dose adequada. Para que surjam os efeitos, é necessária uma preparação desses neurônios para que essa maior quantidade de neurotransmissores possa ser captada”, lembra a especialista.

Esse processo de regulação que determina o tempo para a medicação fazer efeito pode variar de pessoa para pessoa. “No caso dos medicamentos antidepressivos que são utilizados para auxiliar no sono, por exemplo, esse efeito pode ser observado já no primeiro dia de uso, visto que se trata de um efeito adverso que usamos a favor do tratamento, mas a melhora do quadro de humor demorará alguns dias para aparecer”, diz Luciana.

Dra. Luciana Cristina Gulelmo Staut é psiquiatra, formada pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), membro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e atende em Cuiabá (MT). CRM-MT: 6734

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Dra. Luciana Staut

Dra. Luciana Staut

Psiquiatria

CRM: 6734 / MT

TAGS
depressao
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

6 comentários para "Como agem os medicamentos que tratam a depressão?"

Paula

Muito bom o artigo, gostaria de saber se a total falta de energia durante o dia e ao anoitecer fico com toda disposição, faz parte do quadro da depressao. Obrigada

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Paula, segue o link de algumas de nossas matérias com informações para você:
https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/depressao/como-perceber-tenho-depressao
https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/depressao/preguica-depressao
Abraços.

JOÃO MARCOS FERREIRA DE SOUZA

Muito boa vossa matéria. Gostaria que, nos limites de vossa ética de formação e juramentada, a cordial gentileza, em meu caso, saber acerca da impaciência para lê um livro completo, vez que n]ao consigo concluir uma leitura, inclusive, vários textos informativos.Grato,João Marcos(81)9-9984-6900 (TIM)

CUIDADOS PELA VIDA

Olá João Marcos, é complicado diagnosticá-lo apenas com essas informações. É necessário realizar avaliação com o médico especialista para que ele possa realizar o diagnóstico e, caso seja necessário, prescrever um tratamento. Abraços.

Josiane sales

Gostaria de saber como fazer para deixar de ser ansiosa? É que médico eu proucuro para me ajudar nesse tratamento?

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Josiane. A ansiedade, em boa parte dos casos, é uma sensação considerada normal e até boa, já que ajuda o indivíduo a estar mais atento e a se proteger em situações de perigo e de mudanças. No entanto, há pessoas que experimentam níveis muito altos de ansiedade, considerados patológicos e divididos em leve, moderado ou grave. Cada intensidade deve ser tratada de forma adequada para evitar uma piora do quadro. O psiquiatra é um dos especialistas mais adequados para te auxiliar indicando o tratamento mais adequado para você. Até logo.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.