AchèAchè
    search
    Título

    É verdade que a insônia pode prejudicar a saúde do coração?

    Uncategorized

    Por

    A insônia é uma doença que provoca dificuldade para pegar no sono e para se manter dormindo ao longo da noite. Segundo a pneumologista Renata Arbex, especialista em Medicina do Sono, uma noite bem dormida pode ser considerada um verdadeiro remédio para o corpo. Por outro lado, ter insônia prejudica a saúde do coração e de todo o corpo, gerando efeitos negativos até mesmo para a pele.

    Insônia aumenta a chance de deposição de placas de gordura nos vasos sanguíneos


    É no sono restaurador que o corpo reorganiza suas atividades metabólicas, diminuindo o ritmo do organismo para conseguir seguir em um novo dia. “Quando o sono não é restaurador, o cérebro e o sistema de atenção do corpo continuam em alerta, levando ao enrijecimento de vasos sanguíneos e a uma maior chance de deposição de placas de gordura”, alerta a profissional.

    A baixa quantidade de horas de sono restaurador prejudica a saúde de uma maneira global, já que aumenta chances de ter outras doenças, como hipertensão arterial sistêmica, diabetes, depressão e ansiedade, além de sobrepeso e obesidade, por causa do aumento da fome.

    Insônia está relacionada com o infarto


    “Sabemos que a chance de sofrer infarto agudo do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais aumenta em pessoas que são sedentárias e têm hipertensão, diabetes e obesidade. Assim, a insônia também está relacionada indiretamente às doenças cardiovasculares”, afirma Dra. Renata.

    A melhor forma de evitar essas consequências negativas para o corpo é procurar um médico para iniciar o tratamento da insônia. O combate à doença pode ser feito com o uso de medicamentos hipnóticos e com a adoção de medidas no dia a dia, como praticar exercícios físicos, diminuir a luz e ruídos no quarto e evitar o uso de telefones e computadores antes de dormir.

     

    Foto: Shutterstock

    Compartilhe

    Posts relacionados

    Converse com um dos nossos atendentes