Quais são os tipos de esquizofrenia que existem?


  • +A
  • -A
Imagem do post Quais são os tipos de esquizofrenia que existem?

Dentre os principais transtornos psiquiátricos existentes, a esquizofrenia talvez seja o mais complexo, pois se caracteriza por alterações cerebrais no paciente que podem ser brutais a ponto do tratamento pouco ajudar a controlar o quadro. Existem quatro tipos da doença, cada qual com suas particularidades e intensidades distintas.

Esquizofrenia paranoide é a mais comum


De acordo com o psiquiatra Miguel Boarati, os quatro tipos de esquizofrenia são: paranoide, hebefrênica, catatônica e indiferenciada. “A mais comum é a paranoide, que se caracteriza por predominância de delírios persecutórios e bizarros, além de alucinações, enquanto a mais grave e com o tratamento mais difícil é a hebefrênica, marcada por isolamento social, embotamento afetivo e deterioração global”.

“Na catatônica, o paciente fica parado, com olhar perdido e flexibilidade cérea, sendo esta também bastante grave. Já a indiferenciada agrupa características presentes em todos os outros tipos”, continua o médico. Ele frisa ainda que, apesar da esquizofrenia paranoide ser considerada menos grave, ela não é mais branda. “A diferença é que conta com um padrão de resposta ao tratamento bastante satisfatório”.    

Todos os tipos de esquizofrenia precisam de medicação


Por outro lado, a hebefrênica possui uma resposta muitas vezes insuficiente ao tratamento medicamentoso e de reabilitação, “além de evoluir mais frequentemente para um processo de deterioração cognitiva”. Miguel afirma ainda ser possível que o paciente desenvolva outras doenças em função da esquizofrenia. “Após um surto psicótico podem surgir quadros depressivos, manifestação de dependência química e ansiedade”.

Em relação ao tratamento do distúrbio, a orientação é que haja uma associação entre utilização de remédio controlado e terapia psicossocial. “Mas em nenhum caso o paciente com esquizofrenia poderá ficar sem o tratamento medicamentoso, pois do contrário ele terá novos surtos psicóticos e a doença irá progredir. O tratamento medicamentoso não é o único a ser realizado, mas ele é essencial”, conclui.

Dr. Miguel Angelo Boarati é psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP e atende em São Paulo. CRM-SP: 85105

Foto: Shutterstock

TAGS
esquizofrenia
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

11 comentários para "Quais são os tipos de esquizofrenia que existem?"

Valdir

O meu cunhado começou com epilepsia, daí começou a crise de surto… pois fica alterado, Fala em matar as pessoas.. será que isso é esquizofrenia ou não? Gostaria de ajuda… meu número de telefone 92993130655. Pois não temos dinheiro para pagar uma consulta com um psiquiatra ou muito menos internar ele…

Cuidados Pela Vida

Valdir, é uma situação bastante delicada. É preciso estudar mais detalhadamente o caso do seu cunhado, mas existem serviços do governo específicos para pessoas com problemas psiquiátricos. Acho válido procurar o serviço de saúde da sua cidade.
Abraços

Marques

Oi a uns 5 anos tomo respiridona tive melhora..mas mesmo assim tenho medo de sair de casa.. vivo fechado no quarto. .as vezes ouço vozes pra agredir..tenho muita ansiedade o que seria melhor? ?

Cuidados Pela Vida

Olá Marques, fora o medicamento você faz algum outro tipo de acompanhamento? Tem feito algum tratamento auxiliar?

felipe

Esquizofrenico pode ter dificuldade nos estudos ou não

Odety Mary freire Araújo

Boa Noite tenho um filho com 16 anos ele tem esquizofrenia paranoia me mudei para Curitiba e não estou conseguindo tratamento para ele u que devo fazer? Ele toma carbamazepina 200mg três vezes por dia depakote ER500mg três vezes por dia cloridrato de biperideno2mg duas vezes por dia aripripasol 20mg uma vez por dia olanzapina 10mg duas vez por dia clobazan 10mg uma vez por dia o neurologista dele e o psiquiatra dele são de Maringá onde eu morava já tentaram diminuir o medicamentos dele mas ele sem medicamentos fica agressivo e não dorme anda o tempo todo e conversa o tempo todo sozinho, até com a televisão ele conversa ele fica agressivo de mais, como me mudei para Curitiba, o tratamento dele ainda não consegui queria saber se possível me orientar em o que devo fazer agradeço desde já pela sua atenção muito obrigado. Sou uma mãe que pedi por orientação para seu filho Ryan obrigada

Luzia

Oi cuidados pela vida,Boa noite,eu tenho um filho com 21 anos que passou a se escolar da família,dos amigos,passa o tempo todo no quarto,ouvia vozes,troca o dia pela noite e sempre levanta pra almoça as 16 horas e ñ janta, Ñ sei mais o que fazer,levei ao psiquiátrico e ele diagnosticou como exsofrenia, e medicou com olazapina,bipirideno e hadol,Estou tão arrasada.

Cuidados Pela Vida

Olá Odety, é uma situação bastante delicada. O ideal é que você procure uma unidade de saúde próxima de sua residência para que o seu filho possa ser encaminhado para o especialista que atenda a sua região. Abraços.

Cuidados Pela Vida

Oi Luzia, há doenças que acabam afetando toda a família, pois não gostamos de ver quem amamos sofrer. A adesão ao tratamento é imprescindível, pois muitas doenças não impedem o convívio social, bem como a realização das atividades cotidianas. Temos, por exemplo, em nosso site o depoimento de um paciente que convive com a esquizofrenia http://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/esquizofrenia/mineiro-enfrenta-esquizofrenia
Estimamos melhoras ao seu filho.

Márcia Martins Vitório Neitzel

Boa tarde,eu estou a alguns meses tomando remédio para depressão não gosto de saí mais de casa prefiro ficar no meu quarto sem ninguém é tenho uns sentimentos ruins quando alguém da minha família sai de carro fico desesperada enguanto não chegam vem imagens de acidente na minha mente acho que estou ficando doida.o q tenho que fazer

Cuidados Pela Vida

Oi Márcia, o primeiro passo você já deu, que é buscar um tratamento com a ajuda de um profissional. Além do tratamento base, outros métodos podem te ajudar bastante na luta contra a depressão, como por exemplo a prática de atividades físicas, que colabora para uma maior liberação de endorfinas e ação em neurotransmissores. Converse com o seu médico e busque com ele outras formas com as quais você pode melhorar sua qualidade de vida. Desejamos sucesso eu seu tratamento. Abraços.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.