Por que a atividade cognitiva ajuda a reduzir o risco do desenvolvimento do mal de Alzheimer?


  • +A
  • -A

A atividade cognitiva é fundamental para reduzir o risco do desenvolvimento do mal de Alzheimer, pois o exercício da mente com práticas intelectuais minimamente complexas ao longo da vida a torna mais resistente a danos cerebrais. Essas mesmas práticas também devem ser estimuladas nos indivíduos que já apresentam a doença, como forma de complementar o tratamento.

Atividades que ajudam a prevenir o Alzheimer


“Atividades como sociabilidade, intelectualidade e escolaridade ajudam a reduzir o risco de desenvolver a demência da doença de Alzheimer, porque propiciam a criação de novas conexões sinápticas que vão dar origem ao conceito de reserva cognitiva, que significa a
resistência da mente às lesões cerebrais”, explica o geriatra José Eduardo Martinelli.

Segundo o especialista, existem vários fatores associados à obtenção de uma boa reserva cognitiva e dentre os mais importantes estão: a educação e o interesse pela cultura; desempenhar um trabalho que exija esforço intelectual; contar com uma rede ampla de relações sociais; exercício físico moderado diário; ler de forma habitual; e praticar atividades intelectuais complexas, como tocar um instrumentos musical ou aprender um idioma.

Tratamento do Alzheimer conta com a prática de atividades cognitivas


Em relação às pessoas que já desenvolveram a doença, o incentivo a essas atividades cognitivas deve ser ainda maior, visto que o processo de desgaste mental já foi iniciado. É comum que aqueles com alteração cognitiva recusem essas atividades e por isso
o cuidador (familiar) deve insistir para que eles interajam mais com os entes queridos e realizem atividades estimulantes que costumavam gostar de fazer e até apresentavam certa habilidade.

“Dentro da terapêutica não medicamentosa, a estimulação cognitiva é a mais importante para retardar a evolução da doença, sendo praticada das mais variadas formas. Na minha opinião, a mais eficaz é contar com uma ampla rede de relações sociais, porque a partir dela é que surgem todas as outras possibilidades de estimulação. Quanto maior o isolamento do paciente, mais rápido a doença evolui”, completa Martinelli.

Dr. José Eduardo Martinelli é pneumologista e geriatra, sócio fundador e responsável técnico pelo Instituto Martinelli de Geriatria e Gerontologia em Jundiaí (SP). CRM-SP: 27875 – Site oficial

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
alzheimer
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Por que a atividade cognitiva ajuda a reduzir o risco do desenvolvimento do mal de Alzheimer?"

José Alves de Souza neto

Nós como entendedor do assunto precisamos e ajudar mesmo e começar a dar dicas de leitura e jogos q estimulam a mente dessas pessoas

CUIDADOS PELA VIDA

Olá José, que bom que você tem consciência da importância de conhecer sobre a doença. Vamos continuar espalhando informações úteis, e ajudando na qualidade de vida de muitas pessoas. Abraços!

Margot

Recebi recomendações do Psiquiatra, que me acompanha, Dr. Thiago Bonfim ,(HC Ribeirão Preto/SP), para eu praticar “caça palavras”, não consigo pois não tenho ” paciência “, mas de todas as coisas que eu gostava de fazer tipo : ver filmes, agora fico dispersa com facilidade e acabo não vendo tudo, gostava de falar com amigos , mas não me sinto confiante como antes e optei por mantê los a distância, pois já percebo certa dificuldade para manter conversação, pois às vezes não consigo achar as palavras certas ( mesmo estando dentro da minha cabeça, não consigo acessá las) percebo também que ao pronunciar algumas palavras elas saem erradas. Então sempre gostei de escrever e fazer leitura , desta forma procuro cada vez mais praticar a leitura e a escrita pois pra mim no momento faz uma diferença muito grande, é a maneira na qual vejo um mundo de possibilidades reais ao menos me faz sentir ” conectada comigo mesma”. Hoje tive uma experiência diferente, dentro do contexto desta doença, não consegui executar algumas orientações durante a realização de alguns exames de RX, não porquê eu não entendia, mas porquê eu fiquei confusa com o técnico falando o que eu deveria fazer. Ultimamente percebo que fico confusa e meio agitada com mais facilidade, basta ter uma ou mais pessoa(s), falando próxima ou comigo. Faço avaliações mensais, e continuo com tratamento medicamentoso.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Margot, a leitura e a escrita podem ser exercícios fundamentais para treinar tais características. Parabéns pelo empenho em seguir com as avaliações e com a prescrição médica. Estamos na torcida por sua melhora. Abraços!

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.