O Mal de Alzheimer pode afetar as emoções dos pacientes?


  • +A
  • -A

A doença de Alzheimer é um problema neurodegenerativo e que atinge principalmente os idosos. Suas consequências são capazes de deixar uma pessoa dependente de um cuidador, seja para tomar banho ou até para se alimentar. Apesar de a perda da memória ser uma das principais características da doença, o mal de Alzheimer também afeta outra parte importante de um paciente: suas emoções.

Doença de Alzheimer pode provocar desinteresse e agressividade


“É comum que, mesmo nas
fases iniciais, surjam alterações que envolvam as emoções, em especial com uma mudança para o lado da tristeza, da apatia e de um desinteresse”, afirma o geriatra e nutrólogo Leandro Minozzo. Nesta etapa, também são frequentes os casos de mudanças de humor e aumento dos níveis de ansiedade. Muitas dessas alterações estão ligadas à perda das funções cognitivas, fazendo com que o idoso se guie pelas emoções.

Com a evolução do quadro, o especialista diz que o paciente também pode apresentar irritação e até mesmo agressividade. No entanto, é a indiferença a coisas e situações que antes despertavam alegria e empolgação que predomina. Muitos pacientes, por exemplo, acabam abandonando hobbies e atividades de que gostaram durante muitos anos.

Paciente com Alzheimer sente raiva, mas não se lembra do motivo


Além disso, quem tem Alzheimer pode experimentar sensações mesmo sem lembrar o motivo por trás do sentimento. “As emoções geram respostas fisiológicas e, com a
perda da capacidade de memória recente e de atenção, o paciente pode sentir os efeitos fisiológicos das emoções, como raiva e nervosismo, e não saber o que as motiva”, destaca o profissional. A orientação dada pelo geriatra, portanto, é evitar brigas e situações de estresse.

O cuidador deve ajudar o paciente a lidar melhor com suas emoções. “Ter a paciência necessária para explicar as situações com calma e clareza. O idoso com demência não reage bem ao ser desafiado, contestado ou a ser submetido a uma tarefa sem entender bem”, diz Minozzo. O cuidador precisa ainda controlar seu nível pessoal de estresse, o que influencia diretamente as respostas do familiar adoecido: quanto mais estressado se comporta, mais reativo fica o paciente com Alzheimer.

Dr. Leandro Minozzo é geriatra, nutrólogo e mestre em Educação, graduado em Medicina pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e atua em Novo Hamburgo (RS). CRM-RS: 32053 – http://www.leandrominozzo.com.br/

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
alzheimer
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

12 comentários para "O Mal de Alzheimer pode afetar as emoções dos pacientes?"

Ilza

O adulto que teve/tem depressão é um candidato a sofrer de Alzheimer?

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Ilza, temos em nosso site uma matéria com informações que podem te auxiliar, segue o link: https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/alzheimer/alzheimer-entenda-sobre-doenca-do-seculo
Lembrando que isso não te isenta de comparecer em uma consulta com o médico para obter maiores orientações. Abraços.

Maria amelia

Minha mãe tem ,alzaimer.,sempre estou buscando informações

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Maria Amelia, segue o link de acesso a outras matérias sobre este assunto: https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/alzheimer
Abraços.

Ana Maria

Qual a diferença entre Alzheimer e demência?Meu pai tem demência múltipla e os sintomas são os mesmos do Alzheimer. Obrigada

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Ana Maria, como explica a geriatra Daniela Fonseca de Almeida Gomez: “O termo demência senil se refere a uma deterioração da capacidade cognitiva que compromete a execução das atividades diárias dos idosos”. É uma síndrome que se instala com o tempo, alterando progressivamente o comportamento e a independência das pessoas desta faixa etária.
O mal de Alzheimer afeta o cérebro de forma progressiva, comprometendo não apenas a memória, mas também o comportamento, movimentação, inteligência e até fala do paciente. O processo de degeneração em questão está associado à destruição de componentes essenciais do cérebro. Abraços.

Lucia Brazao

Meu marido com 81 anos tem alzhaimer e procuramos nao contraria-lo porque ele fica muito agressivo.Toma remedios controlados ,e muito agitado,mexe tudo,anda o dia inteiro e todos os remedios que toma nao o fazem dormir,e uma luta diaria.Procuramos nos informar de tudo o que possa ajuda-lo .Ja estamos com terceiro Psiquiatra e nao obtivemos sucesso, a tarefa e ardua e permanente,ja faz quatro anos que ele esta doente,ele nao esta na casa dele,quer sempre ir embora,nao sabe o banheiro,desconhece os filhos,eu mulher sou a professora,a comadre,a prima,enfim vamos passando os dias,as semanas,os meses os anos e nem promessa de melhora,so Jesus para ajudar.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Lucia, Ao se deparar com esse tipo de situação, os cuidadores e as pessoas que estiverem por perto devem agir com paciência. “Deve-se evitar cobrança ou pressionar o idoso com doença de Alzheimer para que se recorde. É importante sempre tentar contornar a situação, falar com tranquilidade e transmitir segurança ao paciente” Informa a Dra. Thaísa Segura da Motta Rosa. Confira a matéria abaixo com mais informações sobre esse assunto. Até logo.

https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/alzheimer/nao-reconhecer-pessoas-alzheimer

Claudia

Olá, minha mãe tem Alzhaimer, diagnosticada há 2 anos, logo no início em tratamento com uma geriatra, agora está em acompanhamento com psiquiatra, o que me trouxe mais tranquilidade e serenidade. Minha mãe está na fase de não ter noção de higiene, principalmente banho, não sabe a sequencia de shampoo, condicionador, sabonete; guarda tudo no guarda-roupa com medo que “roubem” dela. Para mim como filha fico numa tristeza de vê-la sem norte, andando no apartamento de um lado para outro e a noite diz sempre que está cansada de tanto trabalhar; Como ela era professora, tinha fluência no vacabulário, agora é pobre nas expressões, fica sem saber o que diz, não conta um acontecimento, não sabe que dia da semana é, mês, enfim, completamente perdida no tempo, às vezes não sabe quem sou eu, como se fosse um lapso, volta logo e chama meu nome.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Claudia, além de problemas graves de memória, o idoso na fase avançada da doença de Alzheimer também pode apresentar dificuldade para se comunicar, o que envolve tanto a capacidade de falar com outras pessoas quanto de entender o que acontece ao seu redor. Ainda assim, amigos e familiares devem continuar próximos e manter a comunicação. É preciso lembrar que o idoso não tem controle sobre a perda da memória e os outros sintomas da doença e, por isso, não deve ser culpado. Procure sempre orientação do geriatra e do psiquiatra para que eles possam sempre indicar o tratamento mais adequado. Até breve.

Renato

Bom dia! Meu pai foi diagnosticado com Alzheimer recentemente, além de outra doença de caráter degenerativo, é diabético e já sofreu um AVC isquêmico há um ano atrás. Quais alimentos realmente retardam o avanço progressivo da doença? Alguns médicos se contradizem a respeito sobre o óleo de coco e também azeite extra-virgem. Eles funcionam? Tem comprovação científica ou, mesmo não tendo, os relatos de familiares de pacientes que veem certa melhora psicossocial, física e motora deve ser levado em consideração (nem questiono abandonar o tratamento convencional, só gostaria de entender se vale a pena tentar) . Obrigado!

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Renato, o mais indicado é seguir sempre a prescrição e o tratamento indicado pelo médico, qualquer outro tipo de tratamento alternativo deve ser levado ao seu médico para que ele possa verificar se realmente pode ajudar na recuperação do paciente e/ou amenização dos sintomas da doença. Procure o geriatra para que ele possa identificar se os alimentos informados podem ser benéficos a saúde do paciente. Até breve.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.