Mudanças no tratamento: Por que o médico pode mudar a dosagem dos medicamentos para hipertensão?


  • +A
  • -A

De acordo com o Ministério da Saúde, de 2006 a 2016, a hipertensão foi responsável por aproximadamente 4,8 milhões de óbitos no país. Uma das maneiras de mudar esse quadro é incentivar os pacientes com pressão alta a consultarem com regularidade seus médicos para que ele possa avaliar se existe a necessidade de mudar a dosagem dos remédios anti-hipertensivos.

Variações no peso podem ser motivo para mudança no tratamento da hipertensão


“A hipertensão é uma doença progressiva e, ao longo do tratamento, pode ser que o paciente necessite de mais medicamentos para
um ótimo controle“, afirma a cardiologista Ana Catarina de Medeiros Periotto. Essa alteração pode acontecer por causa de vários fatores, como mudanças na alimentação, nos níveis de estresse e no peso corporal, além do avanço da idade.

Se uma pessoa hipertensa está em uma dieta restritiva e perde peso, por exemplo, a pressão arterial pode melhorar e, assim, o tratamento pode ser feito com menos medicações. Na situação contrária, em que há ganho de peso, pode ser necessário aumentar a dosagem. Vale lembrar também que o uso de alguns medicamentos, como anti-inflamatórios, aumenta a pressão arterial e é capaz de obrigar mudanças no tratamento.  

Outras doenças podem exigir mudanças na dosagem dos remédios


Problemas de saúde também podem afetar a pressão arterial e tornar necessária uma modificação no uso das medicações, como explica a profissional: “Algumas doenças, como pneumonia, infecções em geral e
alterações do diabetes e da tireoide interferem no controle da pressão. Por estes motivos, eventualmente, os medicamentos da pressão precisam ser ajustados”.

Mudanças no tratamento medicamentoso da hipertensão podem envolver tanto uma diminuição ou aumento na dosagem dos remédios quanto um acréscimo ou redução no número de medicações. Geralmente, o hipertenso não precisa se preocupar com uma possível demora no efeito das medicações. A eficácia do novo esquema de remédios necessita quatro semanas para ser observada.

 

Dados do Ministério da Saúde: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hipertensao#numeros

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Dra. Ana Catarina de Medeiros Periotto

Dra. Ana Catarina de Medeiros Periotto

Cardiologia

CRM: 141696 / SP

TAGS
cardiovascular
pressao-alta
tratamento

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

1 comentário para "Mudanças no tratamento: Por que o médico pode mudar a dosagem dos medicamentos para hipertensão?"

ANTONIO RAYMUNDO

OBRIGADO POR ENVIAREM CUIDADOS PELA VIDA; REALMENTE ESTOU NOTANDO QUE APÓS 20 ANOS DE USO DE MEDICAMENTOS PARA HIPERTENSÃO, JÁ FAZ DOIS ANOS QUE NÃO CONSIGO UTILIZAR O MESMO MEDICAMENTO, DEPENDE DA MEDIÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL EU TOMO O RITMONORM (1/2 COMPRIMIDO), CARDIOVILOL, MONITRATO DE ISOSSORBIDA. E Á NOITE DEPENDE DA PRESSÃO REPITO OS TOMADOS DE MANHÃ, OU TOMO SENERGEN DE 2,5 X 10 E O MONITRATO, DE MANEIRA NENHUMA POSSO TOMAR O SENERGEM MAIS O RITIMONORM E O CARDIOVILOL, POIS AÍ A PRESSÃO DESABA, MAS COMO ESTOU NA FASE DA BAIXCA IMUNIDADE, OS RINS FRACOS E OS PULMÕES COMPROMETIDOS , SÓMENTE POSSO CAMINHAR E NADA MAIS DE EXERCÍCIOS, MAS CONVERSANDO COM AMIGOS DA IDADE ELES ESTÃO IGUAIS A MIM, OS REMÉDIOS NÃO REAGEM MAIS COMO ANTES, ALGO PARA AJUDAR????

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.