AchèAchè
    search
    Título

    Quais especialidades médicas são importantes para o tratamento da síndrome de Turner?

    Uncategorized

    Por

    O tratamento da síndrome de Turner deve ser multidisciplinar, pois exige a atuação de diversos profissionais de especialidades diferentes, já que cada sintoma do quadro demanda um olhar distinto. Assim que o diagnóstico for feito, é muito importante que a paciente inicie o quanto antes o tratamento com todos os especialistas necessários. 

    Principais especialidades envolvidas no tratamento


    “Podendo envolver diversas alterações em diferentes estágios da vida, a síndrome de Turner exige que a paciente tenha à disposição uma equipe multidisciplinar para os cuidados. As principais especialidades são: geneticista, pediatra, endocrinologista, otorrino, cardiologista, psicólogo e oftalmologista. Todos atuam juntos no acompanhamento, identificação de possíveis alterações e
    tratamento adequado para cada paciente”, informa a endocrinologista pediatra Maria Inês Lioi.

    Segundo a especialista, a suspeita diagnóstica da síndrome de Turner pode ocorrer já no pré natal ou pós natal,  em avaliação com pediatra ou endocrinologista. Logo em seguida, a criança deve ser encaminhada ao geneticista para confirmação diagnóstica e aconselhamento genético. Assim que o diagnóstico é estabelecido, deve-se iniciar a triagem para possíveis alterações no quadro.

    Atuação dos especialistas na recuperação da paciente com síndrome de Turner


    A triagem passa, principalmente, por avaliação audiométrica, pelo otorrinolaringologista; avaliação do oftalmologista; avaliação cardiológica, para identificar doenças cardiovasculares congênitas e adquiridas; avaliação do endocrinologista; triagem renal e de hepatologia; avaliação de dentista; e acompanhamento psicológico e das questões neurocognitivas. 

    “As especialidades envolvidas devem atuar no diagnóstico correto; indicando e executando o tratamento das comorbidades com consultas regulares e acompanhamento do crescimento das pacientes (uso de hormônio de crescimento, assim que necessário e de maneira precoce); desenvolvimento da puberdade; terapia da reposição hormonal e de fertilidade; e identificação de hipertensão e doenças cardíacas no geral. Tudo isso ajuda a melhorar o prognóstico da doença e a qualidade de vida da paciente”, conclui a médica.   

     

    Foto: Shutterstock

    Compartilhe

    Posts relacionados

    Converse com um dos nossos atendentes