Mal de Alzheimer: como os cuidadores podem melhorar a qualidade de vida dos pacientes no estágio avançado da doença?


  • +A
  • -A

O mal de Alzheimer costuma ser dividido em três fases: leve, intermediária e grave. No estágio mais avançado da doença, há uma grande perda de memória (não reconhecendo familiares e amigos próximos) e, em muitos casos, há grandes dificuldades para comer. Ocorre ainda um comprometimento cognitivo grave, surgem sintomas neuropsiquiátricos e os problemas de comunicação e de mobilidade pioram fortemente.

 

No estágio grave, habilidades cognitivas estão muito debilitadas

 


Por isso, o paciente fica muito dependente de um cuidador, que precisa modificar alguns aspectos do dia a dia para melhorar ou, pelo menos,
manter a qualidade de vida do idoso. É preciso, por exemplo, estar sempre atento ao consumo das medicações que tratam o Alzheimer e outros distúrbios associados, o que deve ser feito de acordo com as indicações do médico.

O geriatra Ricardo Komatsu acredita que é essencial que o cuidador conheça a fundo o quadro clínico do paciente com Alzheimer: “O cuidador necessita reconhecer quais são as reais necessidades do paciente, tanto para que ele seja adequadamente assistido, quanto para que ele continue a exercitar a autonomia e a independência nas atividades que ainda for capaz de realizar”, afirma.

 

Internação é alternativa para famílias que não podem dar a atenção necessária

 

Os cuidadores não devem sobrecarregar o paciente com muitas atividades, o que pode gerar estresse e ansiedade e comprometer o tratamento. É importante também estimular a comunicação, contando histórias e conversando sobre assuntos do dia a dia. O paciente deve manter uma rotina e não deve ser levado a locais com movimentação intensa e cheio de pessoas.

Em alguns casos graves, o paciente com Alzheimer pode ser internado. No entanto, a decisão exige uma análise profunda dos prós e contras. “A internação em uma instituição de longa permanência para idosos deve ser considerada quando a família não tem condições de exercer ou supervisionar os cuidados do paciente em ambiente domiciliar”, diz o especialista, que alerta para o fato de que a maioria das instituições não tem uma estrutura adequada para atender os pacientes, o que deve ser levado em consideração pela família na hora de tomar essa difícil decisão.

 

Dr. Ricardo Komatsu é geriatra, médico clínico e chefe da Disciplina de Geriatria e Gerontologia da Faculdade de Medicina de Marília (SP). CRM-SP: 56604

 

Foto: Shutterstock

TAGS
alzheimer
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Mal de Alzheimer: como os cuidadores podem melhorar a qualidade de vida dos pacientes no estágio avançado da doença?"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.