Medicamentos usados no tratamento do Alzheimer ajudam a melhorar a memória do paciente?


  • +A
  • -A

O Alzheimer é uma doença degenerativa crônica e por isso não há como recuperar os danos já causados na mente. O tratamento medicamentoso atual, no entanto, consegue retardar o desenvolvimento do quadro e dos sintomas, permitindo, assim, que o paciente consiga viver por mais tempo com uma qualidade de vida melhor.  

“O tratamento atual da doença de Alzheimer não é curativo, ou seja, não muda o curso da doença a longo prazo. Entretanto, os avanços da ciência vêm permitindo que os pacientes tenham maior sobrevida e melhor qualidade de vida, inclusive na fase grave. Os objetivos da terapêutica são aliviar os sintomas existentes, de modo a estabilizar ou lentificar a progressão da perda da memória, conseguindo independência nas atividades da vida diária por mais tempo”, explica a geriatra Aline Bandeira.

 

Tratamento medicamentoso do Alzheimer

 


Conforme aponta a médica, acredita-se que
parte dos sintomas da doença de Alzheimer decorra de redução dos níveis de acetilcolina presente no cérebro, e que por isso um modo possível de tratar a doença é utilizar medicações que inibam a degradação dessa substância. “O efeito esperado com o uso dessa classe de medicação é uma melhora inicial dos sintomas, mas deve-se salientar que a resposta é individual e muito variada”, aponta Aline.

Segundo a especialista, há evidências de que essas drogas possam estabilizar parcialmente a progressão da demência, de modo que a evolução torne-se mais lenta. “Os efeitos positivos, que visam a melhoria ou estabilização, foram demonstrados para a cognição, o comportamento e a funcionalidade, e, no geral, são observados a partir de 8 a 12 semanas do início do tratamento”, afirma.

 

Casos em que o medicamento pode ser interrompido

 


As medicações podem ser descontinuadas, de acordo com a geriatra, nos casos de má aderência ao tratamento; se há comprovação de deterioração cognitiva e funcional, mesmo após seis meses de tratamento adequado; se após um período de interrupção do tratamento, constata-se que a droga não está mais proporcionando benefícios; e nos casos de intolerância medicamentosa refratária. Em todos esses casos, no entanto, é fundamental contar com o diagnóstico médico especializado para que decisão tomada seja informada adequadamente.

 

Aline Ferreira Bandeira de Melo é graduada em medicina pela Universidade Federal de Goiás, possui residência em geriatria pela Universidade Federal de São Paulo e título de especialista em geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia. CRM-GO: 12235

 

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
alzheimer
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

10 comentários para "Medicamentos usados no tratamento do Alzheimer ajudam a melhorar a memória do paciente?"

Waldiene

A minha mãe foi diagnosticada com Alzheimer há uns dois anos e vem tomando medicação indicada por um geriatra donila e antes ela tomou outro não lembro agora. A minha pergunta é está certo a medicação e o médico seria mesmo um geriatra ou um neurologista?

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Waldiene, os pacientes cadastrados no medicamento Donila possuem um benefício a mais, um acompanhamento de enfermeiros 24h via telefone para esclarecimento de dúvidas sobre saúde, doenças e tratamento. Você pode contatá-los através do número 0300 118 1006 para verificar informações e tirar dúvidas a respeito do tratamento com o medicamento Donila. Abraços.

Angelica

Minha mãe está tomando donila. Percebemos que ela está mais agitada e fantasiando. “Espanando a lua Devemos continuar com a medicação??

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Angelica, os pacientes cadastrados no medicamento Donila possuem um benefício a mais, um acompanhamento de enfermeiros 24h via telefone para esclarecimento de dúvidas sobre saúde, doenças e tratamento. Você pode contatá-los através do número 0300 118 1006 para verificar informações e tirar dúvidas a respeito do tratamento com o medicamento Donila. Abraços.

ARTUR EMILIO ALVES DA SILVA

Tenho 44anos, tomo diariamente, alprazolam 1mg, pois sou muito ancioso. E oxalato de escitalopram 10mg.Contudo, me sinto bem, com esta medicaçao.A minha preocupaçao, é aue minha mãe as 91anos de idade faleceu e tinha alzheimer.Foi diagnosticado NELA, aos 85anos de idade!!!!Foi uma fase muito dificil.Bem Ela começou o tratamento com DONILA.Depois com CLORIDRATO DE MEMANTINA 10Mg.E com RIVASTIGMINA 4,6mg/24horas. Na forma de adesivo. Que tem o nome de marca EXELON PATCH 5.E assim, terminou os dia de vida aqui na Terra!!!Sim, como minha genética, é muito parecido com a Dela, e tenho as vezes “picos de esquecimento”, pergunto através da orientaçao de VOCÊS, se sou predisposto a esta doença que é o ALZHEIMER?Bom dia a Todos Vocês!!!!

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Artur, temos em nosso site uma matéria com informações que podem te auxiliar com esta dúvida, segue o link:
https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/alzheimer/alzheimer-genetico-risco
Lembrando que isso não te isenta de comparecer em uma consulta com o médico para obter maiores orientações. Abraços.

Alyne

Uma Cardiologista da minha vo,disse que ela esta em faze avançada da alzeimeir, e passou um remedio chamado quet xr, mais ele não surta nenhum efeito?

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Alyne, o Alzheimer é complicado mesmo, as medicações são capazes em alguns casos de estabilizar
o progresso da doença mas não podem reverter os danos já causados. Abraços

Marisol Andara

Minha mãe toma hemitartarato de rivastigmina 1,5 mg. Mas não notei melhora com a medicação. Eu achei que está pior! O que devo fazer??

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Marisol, é muito importante seguir o tratamento indicado pelo médico. Converse com o geriatra para que ele possa identificar o tratamento ou medicamento mais adequado para a sua mãe. Abraços.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.