search
    Título

    Por que um infarto pode deixar o músculo cardíaco com sequelas?

    Coração
    Meu Corpo

    Por Dr. Rubens Mattar Júnior

    26 de novembro de 2018

    O infarto pode deixar sequelas, especialmente se o atendimento for feito de forma inadequada e com atraso. A qualidade e a velocidade do atendimento são fatores cruciais para o futuro do paciente que sobrevive ao evento. Sem sequelas, o paciente tem muito mais facilidade para cuidar de sua saúde cardiovascular, fortalecendo-a e prevenindo possíveis novos episódios do tipo. Afinal, por que um infarto pode deixar sequelas no coração?

    Quais as sequelas deixadas por um infarto?

    “O infarto do miocárdio instala-se a partir da ruptura da placa aterosclerótica intracoronariana, promovendo trombose com formação de coágulos. Estes obstruem parcialmente ou totalmente a circulação do sangue para o músculo cardíaco, promovendo, assim, sua morte. Dependendo da extensão dos danos, poderá haver maior ou menor prejuízo ou sequela à função do coração”, informa o cardiologista Rubens Mattar Júnior.
    Segundo o especialista, pode ocorrer, por exemplo, desenvolvimento de choque cardiogênico, insuficiência cardíaca congestiva e aumento de potencial para ocorrência de arritmias cardíacas. “Quanto mais precoce o tratamento, melhores e menores as chances de prejuízo para a função do coração ou de sequelas”.

    Quais são os tipos de tratamento do infarto?

    O tratamento do infarto deve buscar a recanalização da artéria obstruída o mais rápido possível e os melhores resultados estão nas primeiras seis horas do atendimento. Para isso, são indicados dois tipos de tratamento: a reperfusão mecânica e a química. A reperfusão mecânica está ligada à colocação de peças metálicas (stents) no interior dos vasos coronarianos. “Este é o método principal na indicação atual do tratamento do infarto agudo: a angioplastia primária”, afirma Mattar Jr.
    Quando a angioplastia está dificultada no atendimento do infarto agudo, busca-se a desobstrução do vaso pela reperfusão química, que é a indicação de medicamentos com poder anticoagulante capazes de agir no trombo e promover a dissolução do coágulo. “Chamamos isto de trombólise química e as drogas usadas de trombolíticos. Quando esses dois procedimentos são precocemente indicados, as chances de perda de função miocárdica e demais sequelas são menores”, completa o cardiologista.
    Foto: Shutterstock

    Newsletter
    Tags
    cardiovascular
    coração
    infarto
    Compartilhamento

    Posts relacionados

    Converse com um dos nossos atendentes