AchèAchè
    search
    Título

    Depressão: Quais mudanças no estilo de vida podem ajudar no tratamento da doença?

    Depressão

    Por

    A depressão é uma doença crônica marcada pela tristeza profunda, mas que também causa ansiedade, mudanças no sono e no apetite. Fazer o tratamento com um psiquiatra é essencial para a remissão dos sintomas e para a manutenção da qualidade de vida. Algumas medidas aplicadas no dia a dia facilitam todo esse processo.


    Ter hora para dormir e acordar ajuda no tratamento da depressão


    Segundo o psiquiatra Giovani Missio, manter o ritmo biológico regulado é uma medida comportamental extremamente importante para o tratamento da depressão. “É necessário
    definir horários para dormir e para acordar, dormir pelo menos 6 horas e não mais que 10 em hipótese nenhuma, acordar antes das 8h da manhã e iniciar a rotina com atividade física e social intensa logo nas primeiras horas do dia”, aconselha o médico.
    O combate à depressão também requer que o paciente evite o uso de álcool e outras drogas, especialmente no início do tratamento. “O álcool pode agir como gatilho para crises de ansiedade ou sintomas depressivos nos dias seguintes ao seu consumo e, com isso, prejudicar a recuperação do paciente e aumentar o risco de recaídas“, explica o especialista.


    Exercícios físicos melhoram qualidade de vida do paciente


    Em alguns casos, a pessoa depressiva deve recorrer à psicoterapia para controlar o estresse, que também é prejudicial à doença. “Para o paciente recuperado ou de menor gravidade, fazer meditação diariamente com o
    método mindfulness pode ajudar no autoconhecimento e no controle dos próprios pensamentos, emoções e comportamentos, contribuindo para evitar recaídas”, destaca Doutor Giovani.
    Outra mudança no estilo de vida que ajuda no tratamento da depressão é deixar o sedentarismo de lado e iniciar a prática de exercícios físicos, que libera endorfina e serotonina, dois neurotransmissores responsáveis pela sensação de bem-estar. Inclusive, diversos estudos têm mostrado que alterações no nível de serotonina estão ligadas ao desenvolvimento da doença.

     

    Foto: Shutterstock

    Newsletter
    Compartilhe

    Posts relacionados

    Converse com um dos nossos atendentes