search
    Título

    A hipertensão pode acometer pacientes jovens?

    Uncategorized

    Por

    A hipertensão é um problema que se verifica mais em pessoas de idade avançada, pois o acúmulo de anos com hábitos ruins de saúde é um dos principais fatores de risco para a doença. No entanto, mais raramente, ela também pode ser diagnosticada em indivíduos jovens e até mesmo crianças. Isso acontece porque outros fatores, como a genética, por exemplo, podem influenciar nesse sentido, fazendo com que a hipertensão se manifeste muito mais cedo.   
    “A hipertensão arterial sistêmica é uma doença que, na atualidade. atinge todas as faixas etárias, de diversas etnias e de ambos os sexos. Em crianças e adolescentes, o problema está associado ao excesso de peso, baixa prática de atividade física, alimentação inadequada, tabagismo e consumo excessivo de sódio e álcool”, informa a cardiologista Bruna Baptistini.

    Riscos associados a pacientes jovens com hipertensão


    Por mais que seja ruim sofrer com a doença desde cedo, nessa fase é mais fácil detectá-la e fazer o controle precoce. “A medida da pressão arterial em crianças é recomendada em toda avaliação clínica após os três anos de idade, pelo menos uma vez por ano, como parte do atendimento pediátrico primário. Também é recomendado investigar possíveis causas secundárias,
    como, por exemplo, doenças renais, vasculares e endocrinológicas”.
    De acordo com a especialista, há estudos que demonstraram uma forte associação entre a presença dos fatores de risco já mencionados e a extensão das lesões ateroscleróticas (placas de colesterol) em crianças e adultos jovens. Ou seja, a aterosclerose pode se iniciar precocemente, ainda na infância, e com o passar dos anos pode provocar um infarto agudo do miocárdio.

    Tratamento contra hipertensão em jovens


    Para evitar evitar esses riscos, é fundamental controlar a pressão arterial, o que deve ser feito por meio de tratamento medicamentoso aliado a mudanças no estilo de vida. Controle do peso,
    prática regular de atividade física e estabelecimento de dieta balanceada (ressaltando a baixa ingesta de sal) são medidas vitais. “Lembrando que o tabagismo, uso de álcool, drogas, hormônios esteróides e algumas medicações também contribuem para o desenvolvimento da doença e, portanto, devem ser cessados”, completa a médica.
    Foto: Shutterstock

    Newsletter
    Compartilhamento

    Posts relacionados

    Converse com um dos nossos atendentes