Derrame: entenda o que acontece no cérebro durante esse episódio, que pode ser causado pela hipertensão

  • +A
  • -A

Para uma vítima de derrame cerebral, cada minuto é valioso para buscar ajuda o quanto antes, a fim de evitar danos cerebrais maiores. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a doença é hoje a terceira que mais mata no mundo e a principal causa de morte no Brasil, mas as pessoas ainda têm pouco conhecimento sobre os sintomas e demoram em buscar ajuda médica. Entender o derrame bem como seu corpo e suas reações é fundamental para agir imediatamente quando a situação ocorre.

O que é o derrame?

Derrame é o nome popular que se dá para o acidente vascular cerebral ou encefálico (AVC). “Consiste na interrupção do fluxo de sangue para o cérebro ou extravasamento de sangue dos vasos sanguíneos cerebrais para dentro do tecido cerebral”, explica o neurologista Custódio Michailowsky. A doença, que pode ser causada por quadros de hipertensão fora de controle, possui dois tipos: hemorrágico e isquêmico. “A diferença é que no primeiro se forma um coágulo de sangue dentro do cérebro e o outro é a isquemia por falta de suprimento sanguíneo, sendo o hemorrágico o mais grave”, diz.

O que acontece com o cérebro?

Os efeitos no cérebro de um derrame dependem da área do cérebro afetada. “A área atingida sofre com a falta de suporte sanguíneo, isquemia e morte do tecido acometido. Dependendo do local, temos sinais e sintomas neurológicos importantes, pois pode atingir áreas primárias de função cognitiva”, explica o médico. “No entanto, também podem acontecer derrames silenciosos”. Dor de cabeça de forte intensidade, perda da visão e da força motora de um dos lados do corpo, formigamento em extremidades, perda da fala e da consciência são apontados como sintomas de um AVC.

Hábitos saudáveis previnem o derrame

De acordo com o neurologista, o derrame pode ser evitado com a prática de hábitos saudáveis. “Exercícios físicos constantes, boa alimentação, evitar o tabagismo e o consumo exagerado de álcool, controlar hipertensão arterial, peso e a diabetes e ter o hábito de visitar um médico pelo menos duas vezes por ano”, indica.

Vale lembrar que o derrame não é uma condição exclusiva de pessoas hipertensas. “Inúmeros fatores podem levar o indivíduo a ter derrame. Alguns podem ser mutáveis, como controle da hipertensão, do diabetes, do peso, do colesterol e de triglicérides, consumo de bebida alcoólica e sedentarismo. Existem outros fatores que são imutáveis, como idade avançada, o fato que derrames são mais comuns em homens negros e hereditariedade”, conclui.

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Dr. Custódio Michailowsky

Dr. Custódio Michailowsky

Neurologia

CRM: 73303 / SP

TAGS
avc
cardiovascular
pressao-alta

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Derrame: entenda o que acontece no cérebro durante esse episódio, que pode ser causado pela hipertensão"

Davina Oliveira Da Silva

Eu tenho colesterol alto e tregueseridio

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Davina. Quando há um alto nível de triglicerídeos, normalmente isso também vem acompanhado de uma elevação do colesterol. Em grandes quantidades, ambos representam perigo para a saúde, especialmente na parte cardiovascular, pois provocam um acúmulo de gordura nas paredes das artérias, levando a possíveis complicações graves. Procure conversar com seu médico para que ele possa indicar o tratamento mais adequado para você. Até breve.

Diana lorena

Mas os médicos tem que informar o que fazer,quando na hora,que a pessoa está tendo um derrame,o que fazer es a questão,como evitar já sabemos,mas como agir,caso ocorra?ninguém ensina.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Diana. De acordo com a matéria o neurologista Dr. Custódio Michailowsky, afirma que o derrame pode ser evitado com a prática de hábitos saudáveis. A prática de atividades físicas, uma alimentação saudável, evitar o tabagismo e o consumo exagerado de álcool, controlar hipertensão arterial, peso e a diabetes e ter o hábito de visitar um médico pelo menos duas vezes por ano são alguns fatores. Converse com seu médico para que ele possa orienta-lá de forma mais completa diante de uma consulta presencial. Até logo.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.