Distimia: conheça a depressão leve que acomete boa parte dos jovens


  • +A
  • -A

Pouco conhecida, a distimia é mais comum do que parece e atinge uma boa parte da população que nem faz ideia que ela está presente. Essa depressão leve é muitas vezes confundida com um temperamento difícil, mas não se engane: como ela tem a tendência de se arrastar por anos, pode trazer muitos prejuízos para a vida de quem está com o problema. A psicóloga Mariza Povoas explica quando desconfiar quando o mau humor já passou da conta e precisa ser avaliado por um profissional.

Conheça os sintomas mais comuns de quem tem distimia

Segundo a psicóloga, os sintomas da distimia são os mesmos da depressão maior, mas em menor número, menos intensos e mais duradouros. “Os sintomas vêm e vão ao longo de anos com mudança de intensidade, mas para que seja caracterizado distimia é necessário que eles permaneçam por um longo período”, diz a profissional, que cita alguns indícios para ficar de olho:

– Irritabilidade
– Constante baixa autoestima
– Um humor ruim durante quase o dia todo
– Senso exagerado de autocrítica
– Isolamento social
– Anedonia (falta de prazer) na maior parte das atividades
– Uma enorme tristeza, fora da normalidade e constante
– Mudança de peso (ganho ou perda de peso no espaço de um mês)
– Perda ou aumento de apetite
– Insônia ou excesso de sono na maior parte do dia e em todos os dias
– Dificuldade de concentração
– Pensamentos destrutivos com ideação suicida

Doença ainda é pouco diagnosticada por falta de informação

Como alguns dos principais sintomas da distimia (irritabilidade, mau humor e baixa autoestima) não deixam a pessoa facilmente incapacitada, é comum o diagnóstico de distimia demorar muito para chegar ou, às vezes, nem vir. “O diagnóstico nem sempre é estabelecido com facilidade. Isso porque esses pacientes continuam tocando a vida e, na maior parte das vezes são vistos como pessoas difíceis, com dificuldade de relacionamentos, o típico mal-humorado”, esclarece a psicóloga.

Segundo Povoas, a falta de diagnóstico pode ser perigosa para quem vive com a distimia porque a doença traz transtornos reais para o paciente. “É preciso investigar até que ponto o humor dessa pessoa pode estar comprometido, atrapalhando suas relações pessoais, familiares e sociais, inclusive no ambiente de trabalho. Cabe citar que essas pessoas tendem a ter muitas faltas no trabalho”, revela a profissional.

Tratamento da distimia é feito por remédios, terapia, apoio familiar e exercícios

Como qualquer doença, a distimia também tem um tratamento a ser seguido e que precisa ser levado a sério: “O tratamento deve ser realizado com medicamentos antidepressivos prescritos por psiquiatra e por terapia com psicólogo. Essa segunda parte vai possibilitar ao paciente uma reeducação de padrões de comportamento, treinamento de assertividade e controle de estresse”, diz a profissional. Além dessas medidas indispensáveis de consultório, Povoas ainda aconselha pedir a ajuda dos familiares e não esquecer de praticar atividade física. “O transtorno distímico não pode ser tratado por conta própria”, diz.

Mariza Povoas é psicóloga clínica e hospitalar. CRP 05/32657

TAGS
depressao
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

15 comentários para "Distimia: conheça a depressão leve que acomete boa parte dos jovens"

Cristiane

O difícil é encontrar psicologas como a dr marisa ainda mais no sus vamos ter essa e outras doenças sem nunca ser diagnosticados mas obrigada pela informação

Heloísa

Olá, gostei da matéria e gostaria de saber se a Dra. Mariza Póvoas, atende por convênio.

Maria

Bom dia, agora entendo pq todos se afastaram de mim inclusive minha própria família

Vilma Yara Pereira cruz

Minha filha tem qs todos esses sintomas, e todos inclusive a família costuma dizer que é preguiça e frescura. Nenhum médico nunca deu atenção. Preciso de ajuda para tratá-la, muito difícil encontrar um profissional da saúde que se interesse. Podem me fornecer indicações, endereços e informações?

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Vilma, não temos como indicar um profissional especificamente; você pode procurar por um psicólogo ou psiquiatra próximos de sua região. Abraços.

Elisângela

Muito boa a matéria gostaria de saber mais. Pois nosso jovens estão muito desprevenido dessas doenças silenciosas. Precisamos conhecer pra ajudar mais.

Aline

Agora entendo o que passei na juventude. Hoje luto contra a depressão de verdade….

Fatima

Gostaria muito de encontrar uma profissional assim como a Dr. Mariza para tratar do meu filho que tem todos esses sintomas ele reclama muito que não tem vida sofro muito por isso

RGCM

Cada cabeça um mundo! Aí aparece a psicologia, psiquiatriaa e outras gias mais, com tanta subjetividade, parindo tantos quantos transtornos mentais que deixa qualquer um louco…Afff….

Leonina Barbosa

Gostei da materia. Agora entendo o que passei na juventude. Tenho 58 anos, sempre trabalhei e vou trabalhar até me aposentar. Não tenho amigos e nem sem vida social, e lutando sozinha contra a depressão. Estou medicada à anos pelo SUS, não tenho atendimento com psicólogo e ninguém para conversar sobre o vazio que sinto mesmo medicada a dias que da vontade de desistir de tudo, mais olho ao meu redor e penso. Sempre foi assim Leonina, coragem vc já foi longe demais para desistir agora. E falo. Pra mim, ter vivido até ontem já era mais que o suficiente. Mas se estou viva e Deus sabe o que faz, eu desejo que se cumpra plenamente em mim a vontade de Deus. E assim começo todos os meus dias a mais de 44 anos. Nada e nem ninguém é eterno. Que Deus abençoe a todos que sofrem com qualquer tipo de doença física ou mental. Tudo passa.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Leonina, obrigado por compartilhar sua história conosco! Parabéns pelo empenho em busca de uma maior qualidade de vida. Abraços.

Maria das Dores Ferreira dos Santos

Tenho um filho que tem quase todos esses sintomas sofro em ver ele nessa situação e não consigo ajudá

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Maria das Dores, o ideal é levá-lo para uma consulta com o médico especialista, assim ele poderá realizar o diagnóstico correto e prescrever um tratamento caso seja necessário. Abraços.

Ana Lúcia marinho

Eu tenho todos estes sintomas, sofro muito com isso, a família, não intende, me criticam,as,ela ataca penso em coisas ruim, tipo suissidio, desânimo uma sensação horrível, no mesmo tempo que estou bem logo vem uma tristeza choro,insônia mau humor,etc.gostaria de saber como posso, fazer um tratamento para eu me libertar desses sintoma todo, eu chego a pensar,que isso é que vai me levar embora,um dia por favor me diz o que posso fazer, pq eu não sei o que eu faço mais desde já agradeço pela sua atenção gostaria de saber aonde encontro, ajuda se tem pelo SUS, pois não tenho convênio, espero resposta o meu muito obrigada.

CUIDADOS PELA VIDA

Oi Ana Lúcia, você pode realizar uma consulta na unidade de saúde próxima de sua residência para que o médico possa encaminhá-la para um especialista. Melhoras.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.