Depressão: a importância do apoio da família e amigos no combate ao suicídio


  • +A
  • -A

Quando encontramos pessoas com sinais de depressão ao nosso redor, sempre sentimos vontade de ajudar o amigo ou familiar a sair daquela situação. Mas nem sempre é possível e não são todos que aceitam ajuda externa para superar. Entretanto, a ajuda da família e amigos pode ser essencial e decisiva na hora de apoiar o combate à doença e suas consequências.

O que é depressão?

A depressão é caracterizada por humor deprimido, perda de prazer nas atividades cotidianas, sentimentos de inutilidade, além de outros sintomas, como falta de apetite e desesperança. Ela pode fazer com que o deprimido tenha pensamentos negativos e, em casos mais graves, levar a uma tentativa de suicídio. “Essa tentativa pode ser impulsiva, não planejada previamente em um momento de sofrimento intenso, ou pode ser planejada com antecedência”, explica a psiquiatra Maria Antônia Simões Rego.

A ajuda de familiares é essencial para identificação e início do tratamento

Incentivar uma pessoa deprimida a buscar ajuda é sempre indicado, mas ela pode não aceitar. Com isso, existe a internação involuntária, ou seja, quando o paciente é internado contra a sua vontade (em geral com o consentimento de familiares). Ela se dá quando o médico identifica que o paciente oferece risco a si mesmo ou a outras pessoas. “No caso do suicídio, isso geralmente acontece quando a pessoa está decidida a se matar e não aceita ajuda. Entendemos que ela está doente, mas não consegue perceber isso naquele momento, sendo necessário uma intervenção externa para que ela não acabe com a própria vida”, acrescenta Maria Antônia.

Outra forma que a família pode ajudar alguém é no início, com a identificação da doença. Dar atenção e ouvir o que ele tem a dizer, acolhendo-o e tentando entender que ele está passando por um problema de saúde, e não “fraqueza ou falta de vontade”. “Esse tipo de preconceito apenas contribui para a falta de tratamento e o consequente agravamento do quadro. É importante incentivar a procura de um psicólogo ou psiquiatra”, indica a profissional.

Ter ajuda de um círculo social é um dos fatores protetores contra o suicídio e pode diminuir as chances de alguém decidir tirar a própria vida. “A crença de que ‘quem fala que vai se matar é porque não quer morrer, pois quem quer se matar não fala’ não é verdade. A maior parte das pessoas que se suicidam falaram sobre isso com alguém antes. Então as pessoas próximas devem ficar atentas para buscar ajuda imediatamente”, destaca a psiquiatra.

Conversar sobre o assunto não quer dizer que “dará ideia” para alguém com depressão. Pelo contrário. Sentir-se acolhido e saber com quem contar pode fazer a pessoa mudar de ideia, porque nem sempre elas têm certeza sobre se querem realmente se suicidar.

Dra. Maria Antônia Simões Rego é psiquiatra formada pela USP. CRM 135063

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
depressao
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Depressão: a importância do apoio da família e amigos no combate ao suicídio"

Naire Gomes

Já enfrentei várias dificuldades na vida que me levaram a tristeza e depressão… Mas perder a minha mãe tem sido a maior delas. Fiquei sem chão!Sem vontade de trabalhar, culpava o trabalho por ser distante e ter me afastado dela na hora que mais precisou de mim.Sem vontade sair, ver amigos ou se quer me arrumar, usava sempre as mesmas roupas, o mesmo brinco e ETC.Hoje, procuro forças para continuar e me perdoa, mesmo sempre tendo feito o meu melhor.Me sinto muito sozinha, com uma breve esperança de dias melhores. Espero

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Naire, na vida passamos por muitos momentos e nem todos são alegres. Perder a mãe com certeza traz uma imensa tristeza e essa sensação de “perder o chão” é perfeitamente normal. Entretanto, como você mesma diz, é importante encontrar forças e seguir adiante. Em muitos casos o acompanhamento médico é primordial para melhorar a sensação de tristeza ou solidão. Aconselhamos você a consultar-se com um clínico geral, um psiquiatra ou psicólogo que poderá ouvir seu relato detalhadamente e indicar o melhor tratamento. Desejamos melhoras. Abraços

Rosivaldo Almeida

Muito boa a explicação e as informações que foram apresentadas. Parbén

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Rosivaldo, que bom que gostou! Continue por aqui para receber mais informações como essas. Até logo.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.