É possível contrair Aids em apenas uma relação sexual sem camisinha?


  • +A
  • -A
Imagem do post É possível contrair Aids em apenas uma relação sexual sem camisinha?

Para muitas pessoas, o Carnaval é sinônimo de um clima de maior descontração e paquera. Por ser uma época marcada por excessos, é importante ser responsável, evitando beber demais, se alimentar mal e ficar muito exposto ao sol sem a devida proteção. Nas relações sexuais, então, o cuidado deve ser redobrado, para que a folia não se transforme em um grande arrependimento. Afinal, é possível contrair Aids com apenas uma relação desprotegida?

De acordo com o médico infectologista e epidemiologista Dr. Bruno Scarpellini, a resposta é sim, mas diversos fatores devem ser considerados.

 

O uso da camisinha é fundamental para não correr riscos

 

Ainda que a camisinha seja a forma mais confiável de se proteger, o médico explica que outros fatores afetam a probabilidade de contágio. “A probabilidade depende de fatores como o tipo de sexo praticado (oral, vaginal, anal), a presença de circuncisão e de outras doenças sexualmente transmissíveis concomitantes não diagnosticadas e/ou tratadas (sífilis, herpes genital), a carga viral do HIV-1 no sangue e a presença da ejaculação durante o ato sexual, já que a carga viral presente no sêmen é semelhante à do sangue”, explica o médico.

O médico também alerta para outras práticas que podem reduzir as chances de contágio mesmo após uma ou mais relações desprotegidas. “O diagnóstico precoce para tratamento e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e a utilização de profilaxia pré-exposição com medicamentos antirretrovirais podem prevenir a infecção pelo vírus mesmo após diversas relações sexuais com uma ou mais pessoas contaminadas”, explica Bruno.

A carga viral é um fator determinante para a transmissão do HIV

 


Ainda que a Aids não tenha cura, tratamentos já disponíveis podem reduzir bastante a probabilidade de contágio. “A presença de uma carga viral indetectável no paciente infectado que esteja em tratamento com antirretrovirais diminui ainda mais a chance de transmissão. Em oposição, a carga viral é maior em um indivíduo sem tratamento, diagnóstico ou uso de antirretrovirais”, conclui o profissional.

 

Dr. Bruno Scarpellini, MPH, é infectologista e epidemiologista, pesquisador e epidemiologista do Laboratório de Retrovirologia da Escola Paulista de Medicina/UNIFESP. CRM-RJ: 5271607-3.

 

Foto: Shutterstock

TAGS
imunidade

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

16 comentários para "É possível contrair Aids em apenas uma relação sexual sem camisinha?"

Regina

Como pode uma pessoa ter várias vezes relação com uma pessoa soro positivo e não ser infectada

Cuidados Pela Vida

Oi Regina, como explica o médico Dr. Bruno Scarpellini, “a probabilidade do contágio depende de fatores como o tipo de sexo praticado (oral, vaginal, anal), a presença de circuncisão e de outras doenças sexualmente transmissíveis concomitantes não diagnosticadas e/ou tratadas (sífilis, herpes genital), a carga viral do HIV-1 no sangue e a presença da ejaculação durante o ato sexual, já que a carga viral presente no sêmen é semelhante à do sangue”. A camisinha é a forma mais confiável de se proteger. Abraços.

Radamanthius

Quais são os sintomas de uma reinfecção pelo seu mesmo tipo de vírus, como essa reinfecção se apresenta??

Cuidados Pela Vida

Oi Radamanthius, não há um reinfecção; após contaminado pelo vírus HIV você passa a ser portador da doença. Esse vírus é o causador da AIDS, que ataca o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças; tornando o organismo mais vulnerável ao aparecimento de doenças oportunistas que vão de um simples resfriado a infecções mais graves. Ter o HIV não é a mesma coisa que ter AIDS. Há muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem desenvolver a doença. Marque uma consulta com o médico para obter maiores orientações. Abraços.

Maria Souza

Se uma pessoa durante 3 anos Mater relação sexualVaginal e oral..sem prevenção de camisinha…um seu parceiro HIVQual é a chance de não ser contaminado…?

Cuidados Pela Vida

Oi Maria, como explica o médico Dr. Bruno Scarpellini, “a probabilidade do contágio depende de fatores como o tipo de sexo praticado (oral, vaginal, anal), a presença de circuncisão e de outras doenças sexualmente transmissíveis concomitantes não diagnosticadas e/ou tratadas (sífilis, herpes genital), a carga viral do HIV-1 no sangue e a presença da ejaculação durante o ato sexual, já que a carga viral presente no sêmen é semelhante à do sangue”. A camisinha é a forma mais confiável de se proteger. Abraços.

Marta

Oi meu marido se envolveu uma vez com alguem soropositivo e resultou num filho so descobriu k a pessoa tenha o virus dpois d 3 anos kdo a pessoa faleceuGostaria de saber se ha probalidade de ele ter contraido e eu tb ter contraido?

Cuidados Pela Vida

Oi Marta, ela era soropositivo quando se relacionou com o seu esposo ou contraiu o vírus após o fim do relacionamento? Marque uma consulta com o médico para que você e seu esposo realizem os exames necessários para o diagnóstico. Abraços.

Angelica

Gostaria de saber com quanto tempo depois de manter um relação sexual sem prevenção com una pessoa com hiv positivo ,pode ce fazer o exame pra saber de está contaminando, e ce posso confiar no exame de sangue .obg

Cuidados Pela Vida

Oi Angelica, a recomendação do Ministério da Saúde para quem esteve em alguma situação de risco é procurar uma unidade pública de saúde para fazer o teste anti-HIV. O exame pode ser tanto de sangue, quanto pela coleta de mucosa da boca, chamado “teste rápido”, que mostra o resultado em cerca de 30 minutos. O ideal é buscar o diagnóstico, no mínimo, 15 dias após a situação de risco por conta da “janela imunológica”, período de falso negativo, entre a infecção pelo vírus e o momento em que o organismo começa a produzir anticorpos – quando exames sorológicos dão conta de detectá-lo. Abraços.

ELIZETH

COMO E POSSIVEL UMA PESSOA TER RELAÇAO SEM CAMISINHA COM UM PORTADOR DO VIRUS HIV E NAO TER A DOECA OU AINDA ENGRAVIDAR DE UM PORTADOR E A CRINCA NAO TER A DOENCA? ME EXPLIQUE SE ISSO E POSSIVEL.

Gean

Estou preocupado,meu parceiro é portador do virus hiv,ocorreu de estourar preservativo e aconteceu a ejaculação dentro..Eu posso ter nessa unica vez ter contraido o vírus…mesmo q ele esteja em tratamento?

Cuidados Pela Vida

Olá Elizeth, como explica o médico Dr. Bruno Scarpellini, “a probabilidade do contágio depende de fatores como o tipo de sexo praticado (oral, vaginal, anal), a presença de circuncisão e de outras doenças sexualmente transmissíveis concomitantes não diagnosticadas e/ou tratadas (sífilis, herpes genital), a carga viral do HIV-1 no sangue e a presença da ejaculação durante o ato sexual, já que a carga viral presente no sêmen é semelhante à do sangue”. A camisinha é a forma mais confiável de se proteger. Abraços.

Cuidados Pela Vida

Oi Gean, a probabilidade do contágio depende de diversos fatores. A recomendação do Ministério da Saúde para quem esteve em alguma situação de risco é procurar uma unidade pública de saúde para fazer o teste anti-HIV. O exame pode ser tanto de sangue, quanto pela coleta de mucosa da boca, chamado “teste rápido”, que mostra o resultado em cerca de 30 minutos. O ideal é buscar o diagnóstico, no mínimo, 15 dias após a situação de risco por conta da “janela imunológica”, período de falso negativo, entre a infecção pelo vírus e o momento em que o organismo começa a produzir anticorpos – quando exames sorológicos dão conta de detectá-lo. Abraços.

Wanessa

Minha tia teve um AVC e daí foi socorrida às pressas e lá descobriram que ela tinha AIDS então ela foi internada e removida pro outro hospital pra tratamento e lá fizerem o exames várias vezes pra confirmar a doença que deu sim positivo , e o parceiro dela fez exames que disserem que ele não tinha como isso é possível ele estavam juntos a 3 anos e o exame deu negativo ? Ela faleceu não resistiu ao AVC .

Cuidados Pela Vida

Oi Wanessa, nossos sentimentos por sua perda. Como explica o médico Dr. Bruno Scarpellini, “a probabilidade do contágio depende de fatores como o tipo de sexo praticado (oral, vaginal, anal), a presença de circuncisão e de outras doenças sexualmente transmissíveis concomitantes não diagnosticadas e/ou tratadas (sífilis, herpes genital), a carga viral do HIV-1 no sangue e a presença da ejaculação durante o ato sexual, já que a carga viral presente no sêmen é semelhante à do sangue”. Abraços.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.