Vista cansada: por que o esforço visual excessivo pode causar dor de cabeça?

As dores de cabeça ligadas ao esforço visual são bastante comuns, mais até do que as pessoas imaginam. Muitos pacientes não fazem essa associação e sofrem com as dores sem saber sua real causa. O incômodo, quando relacionado à visão, pode ser explicado pela dificuldade em manter as imagens em foco nítido, principalmente em quem enxerga pior de perto.

Relação entre esforço visual e dor de cabeça


“O mecanismo de foco de olho é feito pelos músculos que circundam o cristalino, que é a lente do olho e fica atrás da pupila. O conjunto desses músculos chama-se processo ciliar. A contração e relaxamento do processo ciliar, aumentando ou diminuindo a curvatura do cristalino, nos permite focar em todas as distâncias. Esse processo de foco se chama acomodação”, explica o oftalmologista Ivan Maluf.

Segundo o especialista, quando as pessoas atingem os 40 anos de idade, começam a perder a acomodação, devido à esclerose do processo ciliar, o que progride com perda gradual da visão de perto até os 60 anos, quando ocorre a estabilização. “A princípio, percebemos alteração da visão de perto, havendo necessidade de se esticar o braço para conseguir foco”.

Correção e tratamento da visão para acabar com a dor de cabeça


A perda da eficiência da acomodação sobrecarrega os músculos do processo ciliar, levando à fadiga visual e dor de cabeça.
Também é comum que haja irritação no fim do dia, após trabalho sem óculos, especialmente em jovens. “A correção da presbiopia (perda do foco para perto) é feita com óculos para leitura, cujo foco é colocado a 35cm”.

 

Sobre Doença do Olho Seco

 

A Doença do olho Seco é bem frequente na população geral, podendo alcançar 20% da população em alguns países. (ref 1). Aqui no Brasil a prevalência chega bem próximo de 16% da população (ref 2).

Os sintomas mais comuns são ardência nos olhos, sensação de areia, vermelhidão e embaçamento da visão. (ref 2). Sabe-se que o uso de telas por longos períodos e a poluição são grandes causadores da piora desses sintomas (ref 2).

Ela é o resultado de diferentes doenças e condições que alteram a lubrificação dos olhos com diminuição da produção da lágrima ou deficiência em alguns de seus componentes, ou seja, pouca quantidade e/ou má qualidade da lágrima. (ref 3)

O tratamento mais comum é o uso de lágrimas artificiais durante o dia, os chamados lubrificantes oculares (ref 3,4) e medidas como piscar mais vezes quando no computador ou celular, higiene adequada das pálpebras e retirada correta de maquiagem. (ref 3)

A doença pode-se agravar com o tempo e será necessário intensificar o tratamento.

Procure um oftalmologista se esses sintomas estiverem te incomodando!

 

Referências:

1)Karmel M. A Quick Guide to Dry Eye. AAO.2014. Disponível em: https://www.aao.org/eyenet/article/quick-guide-to-dry-eye

2)Castro JS, et al. Prevalence and Risk Factors of self-reported dry eye in Brazil using a short symptom questionnaire. Nature.2018.

3)Olho Seco. IORJ_ Instituto de Oftalmologia do Rio de Janeiro. Disponível em: https://iorj.med.br/olho-seco/

4)Fonseca EC et al. Olho seco: etiopatogenia e tratamento. Arq. Bras. Oftalmol. 2010

 

Foto: Shutterstock

Matérias

Infográfico