search
Título

Existem fatores que aumentam as chances de ter um filho com autismo?

Autismo
Sintomas

Por Gisele Wagenführ Tridapalli

27 de agosto de 2018

As chances de se ter um filho autista são definidas pela combinação de alguns fatores, com destaque para a herança genética. Ou seja, se na sua família há casos de pessoas com esse transtorno, isso significa que os seus genes possuem potencial para que tal condição se manifeste. Somado a isso, há outros fatores externos que também colaboram no mesmo sentido.  

Fatores de risco para o autismo

“Sabe-se que o autismo é causado por fatores genéticos e ambientais. Se há propensão genética, alguns ‘gatilhos’ ambientais podem causar autismo: alguma doença ou medicamento que a mãe usou na gravidez; prematuridade e quadros associados (crianças prematuras podem ter várias complicações, como icterícia, meningite e infecções)”, informa a psicóloga Gisele Tripadalli.

Ainda segundo a especialista, existem estudos que apontam a exposição da mãe a alguns agrotóxicos aumentando a chance de autismo. Além disso, quanto mais avançada é a idade do pai, maiores as chances do filho nascer autista. “Esses gatilhos ambientais apenas aumentam as chances. Nada disso é 100%”, ressalta a profissional.

Outras situações e comportamentos durante gravidez também possuem influência para que uma criança nasça com autismo: fazer uso de antidepressivos; fumar; estar com sobrepeso no nível de obesidade; ter diabetes e pressão alta; sofrer com gripe ou febre prolongadas são alguns exemplos.

É possível se prevenir do autismo?

Evitar o máximo possível esses fatores externos certamente ajuda a diminuir as chances do seu filho nascer com autismo, mas mesmo assim é possível que a condição se manifeste, caso a genética fale mais alto ou alguns fatores que nem sempre são controláveis ocorram (a criança nascer prematura, por exemplo). Se seu filho for diagnosticado com autismo, é fundamental iniciar o quanto antes o tratamento para que ele consiga amenizar os sintomas e ter uma vida com qualidade.    
Gisele Wagenführ Tridapalli é psicóloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina, especializada em Neuropsicologia e atua em Florianópolis (SC). CRP-SC: 12/03942 – giseletridapalli.com.br
Foto: Shutterstock

Newsletter
Tags
autismo
fatores de risco
genética
Compartilhamento

Posts relacionados

Converse com um dos nossos atendentes