search
Título

Como lidar com alguém que sofre de esquizofrenia?

Uncategorized

Por

A esquizofrenia é um transtorno mental psicótico caracterizado pelo rompimento com a realidade ou com os processos de pensamento, que normalmente se inicia na adolescência ou no início da vida adulta (entre 15 e 30 anos).

Causa

A causa da esquizofrenia ainda é desconhecida, porém pode haver relação com a genética, onde parentes de primeiro grau de pessoa com a doença possuem um risco maior em desenvolvê-la do que o restante da população. No entanto, há também fatores ambientais e químicos, onde pessoas desenvolvem a esquizofrenia sem terem antecedentes familiares.

Sintomas

O início dos sintomas normalmente é precedido por eventos psicossociais adversos no começo da vida adulta, como perda de energia, de iniciativa e de interesse; humor depressivo; isolamento e negligência com o cuidado pessoal.

Os sintomas típicos da esquizofrenia se dividem em dois tipos, os da síndrome positiva, que são alucinações e delírios, e os da negativa, que são o embotamento afetivo (dificuldade em expressar o que sente e também em perceber como as pessoas expressam seus sentimentos) e a pobreza do discurso.

As alucinações são experiências sensoriais reais baseadas em coisas irreais; podem ser auditivas, gustativas, visuais e olfativas. Já os delírios são uma interpretação errada da realidade; podem ser de grandeza, de culpa, persecutórios e de referência (a pessoa se sente o centro dos eventos).

Outro sintoma muito comum na esquizofrenia é a anedonia, que é a perda da capacidade de sentir prazer nas atividades comuns.

Tratamento

 

O tratamento é realizado através de medicamentos antipsicóticos e da terapia, sendo essencial um acompanhamento multidisciplinar. Infelizmente, não é possível a cura da doença, e sim a diminuição dos sintomas, principalmente dos positivos. Além disso, é imprescindível a manutenção do tratamento, conforme indicação médica, mesmo quando os sintomas não estão presentes, pois é assim que a recidiva das crises psicóticas é evitada.

Referências:

1- Assis JC, Villares CC, Bressan RA. Conversando sobre a esquizofrenia [Internet]. 2007 jul [acesso em 14 jun 2017]. São Paulo: Segmento Farma, 2007. Disponível em http://www.maringa.pr.gov.br/cisam/esquizofrenia1.pdf
2- Britto IAGS. Sobre delírios e alucinações. Rev Brasil Terap Comporta e Cognit
[Internet]. 2004 [acesso 19 jun 2017]. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-55452004000100007 
3- Silva RCB. Esquizofrenia: uma revisão. Rev Psicol USP [Internet]. 2006 [acesso 19 jun
2017]; 17 (4): 263-285. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusp/v17n4/v17n4a14.pdf

Newsletter
Compartilhamento

Posts relacionados

Converse com um dos nossos atendentes