Quais as diferenças entre a compulsão e a obsessão verificadas em pacientes com TOC?


  • +A
  • -A
Imagem do post Quais as diferenças entre a compulsão e a obsessão verificadas em pacientes com TOC?

O transtorno obsessivo-compulsivo é um transtorno mental cujo nome remete às duas principais formas de manifestação do problema. O TOC atinge cerca de 2% da população mundial e, no Brasil, entre três e quatro milhões de pessoas. Apesar do número alto, poucos conhecem as diferenças entre obsessões e compulsões, ou sequer sabem como lidar com elas.

As obsessões

“As obsessões são caracterizadas como fenômenos mentais, como pensamentos, imagens ou impulsos, que são, em geral, intrusivos, repetitivos e indesejáveis”, explica o psiquiatra Maurício Henriques Serpa. Ele cita, como exemplo de obsessão, a ideia de poder ser contaminado ao tocar um objeto ou uma pessoa. Além desse, outros pensamentos relacionados a doenças, sujeira, morte, simetria e sexualidade costumam gerar ansiedade e estresse nas pessoas com TOC.

As compulsões

Já entre as formas de compulsão estão comportamentos ligados à organização, contagem e checagem. Todas elas vêm depois das obsessões: “As compulsões são comportamentos também repetitivos, feitos sempre da mesma forma e que visam aliviar o estresse emocional causado pelas obsessões”, define o psiquiatra. Se a obsessão é a ideia de se contaminar, a compulsão trata de eliminar essa possibilidade, lavando as mãos intensamente e frequentemente.

O desconforto e o alívio

Segundo o psiquiatra, cada pessoa terá dificuldades específicas para lidar com os sintomas. “Em geral, o que causa mais angústia ao paciente é a obsessão, sendo a compulsão um método de alívio. Porém, muitas vezes, cumprir os rituais compulsivos em situações sociais levam o paciente a um desconforto também muito grande”, afirma Serpa.

A literatura científica ainda não deixa claro se obsessões e compulsões respondem diferentemente ao tratamento contra o TOC, de acordo com o psiquiatra. Entretanto, por serem externas, as compulsões são mais fáceis de perceber e de abordar do que as obsessões, que são fenômenos mentais internalizados.

Dr. Maurício Henriques Serpa é psiquiatra formado pela Faculdade de Medicina da USP e atua em São Paulo. CRM-SP: 129360

TAGS
psicologico
toc

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Quais as diferenças entre a compulsão e a obsessão verificadas em pacientes com TOC?"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.