Estresse e cigarro levam microempresário de Suzano a sofrer dois infartos


  • +A
  • -A
Imagem do post Estresse e cigarro levam microempresário de Suzano a sofrer dois infartos

Os médicos sempre alertam para a necessidade de manter uma vida saudável, com hábitos que ajudem a prevenir e a tratar doenças, como a prática de atividades físicas e alimentação saudável. Com a hipertensão não é diferente. Essas medidas são fundamentais para controlar a pressão arterial e ajudam a impedir que o paciente sofra um infarto ou AVC, duas complicações comuns em pacientes com hipertensão descontrolada.

 

Estresse é um dos fatores de risco do infarto

 


O estresse do dia a dia atrapalha o tratamento da pressão alta e coloca a saúde do paciente em risco: “A tensão e a ansiedade permanentes estimulam centros cerebrais, cuja resposta conduz à contração dos vasos sanguíneos, elevando a pressão arterial”, explica o cardiologista José Antonio Franchini Ramires.

O microempresário Marcos Molina, passou por essa situação. “Sou uma pessoa ansiosa e estressada. Trabalho com brindes, uniformes e estamparia. É um ramo que sempre traz muito estresse”, afirma o morador de Suzano, em São Paulo. As consequências para o dia a dia turbulento não demoraram a aparecer. “Tive angina há três anos e depois de um tempo sofri um infarto. Foi quando colocaram um stent na veia entupida”, relembra Molina.

 

Hábito de fumar aumenta pressão arterial

 


O procedimento e os medicamentos indicados não foram suficientes para impedir que um segundo infarto interrompesse a rotina do microempresário, de 58 anos, mais uma vez, há cerca de um ano. Desta vez, um novo stent foi colocado e outras medicações foram indicadas pelo médico cardiologista. Os resultados das novas abordagens têm sido positivos.

“Levo a vida normal sem abusos e sigo com minha rotina. Depois dos infartos, procuro me manter mais calmo diante dos acontecimentos”, explica o morador de Suzano. Molina se consulta com um especialista a cada três meses e sabe que ainda precisa tomar cuidados. Ele continua fumando, mas está ciente de que abandonar o vício e manter o tratamento são medidas fundamentais para evitar um terceiro infarto e para conseguir manter a hipertensão sob controle.

Dr. José Antonio Franchini Ramires é cardiologista formado pela USP e atua em São Paulo. CRM-SP: 17977

 

Foto: Shutterstock

TAGS
cardiovascular
cigarro
coracao
estresse
infarto
pressao-alta

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Estresse e cigarro levam microempresário de Suzano a sofrer dois infartos"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.