Crise hipertensiva: o que fazer durante um episódio da doença?


  • +A
  • -A
Imagem do post Crise hipertensiva: o que fazer durante um episódio da doença?

As crises hipertensivas atingem pessoas que já possuem o diagnóstico de hipertensão ou aquelas que têm, mas não sabem e, portanto, não fazem uso de qualquer medicamento para controlar a pressão. As crises são classificadas em dois tipos: Urgência hipertensiva, que se caracteriza pela elevação pressórica sem dano agudo de órgãos-alvo, ou seja, sem risco imediato de vida e com a possibilidade de controle da pressão de forma gradual, em geral nas 24 horas iniciais; e a emergência hipertensiva, onde há sinais de lesão de órgãos-alvo (encefalopatia, infarto ou angina, AVC, etc) e há necessidade de controle imediato de pressão arterial.

 

Entenda a crise hipertensiva

Essas situações ocorrem devido ao descontrole da pressão arterial, que aumenta rapidamente por causa da elevação do número de substâncias que contraem os vasos sanguíneos. “O mecanismo gera lesão na camada da artéria com consequente perda no mecanismo de autorregulação da pressão do organismo e, assim, acometimento dos órgãos-alvo, como coração, cérebro, rins e olhos”, afirma a cardiologista Bruna Baptistini.

A médica diz que a maior parte dos sintomas está ligada às consequências das crises hipertensivas em órgãos do corpo, devido à rápida instalação de uma pressão arterial muito elevada. Podem ser citados tontura, convulsões, falta de ar, escurecimento da vista e intensas dores na nuca, no peito e na cabeça.

Reação deve ser imediata e automedicação não é indicada

Se você ou algum conhecido sentir alguns dos sintomas de uma crise hipertensiva, é preciso procurar imediatamente atendimento médico próximo. Se os sintomas forem muito fortes, deve-se ligar para a emergência a fim de que a pessoa seja encaminhada a um hospital ou pronto-socorro.

Segundo a cardiologista, o uso indiscriminado de remédios não é recomendado nessas situações. “Pacientes que passaram por crises hipertensivas estão expostos a um maior risco futuro de eventos cardiovasculares se comparados com hipertensos que não as apresentam”, conta Bruna. Ela alerta para a necessidade de um rigoroso controle da pressão arterial com mudanças comportamentais, como a prática de atividades físicas e manutenção do peso adequado, e também com medicações prescritas por um profissional.

 

Dra. Bruna Cristina Baptistini é cardiologista formada pela Universidade Nove de Julho e atua em São Paulo. CRM-SP: 145229

TAGS
cardiovascular
pressao-alta

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Crise hipertensiva: o que fazer durante um episódio da doença?"

Aurélia Regina

A minha pressão o normal é 9×6 , ás vezes sinto peso na nuca , meus olhos parecem q estão trocando , ânsia de vômito até sangrou o meu nariz

Aurélia Regina

Então vou verificar a pressão arterial ela está 12×8 onde passo muito mal , já fui em alguns cardiologistas ele alegam q está boa , não passam exames e nem remédios então deixei pra lá o normal da minha pressão é 9×6 e quando vai para 11×6 em diante sinto ânsia de vômito, peso na cabeça , os olhos parecem q ficam trocando , inclusive até sangue pelo nariz e nesse dia não estava sentindo nada , fui verificar a pressào estava 13× 8

lia

Aurélia, a pressão 120/80 é considerada normal. A dor na nuca, muitas vezes pode ser problemas de coluna…

Cristina

Ontem estava com MT dor de cabeça e cansaço pra falar e andar, fui no posto de saúde pra ver a pressão estava 21/14 precisei ser medicada e encaminhada pro hospital.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.