Ter uma crise de herpes na gravidez pode trazer algum risco para o bebê?

  • +A
  • -A

Durante a gravidez e amamentação pode ocorrer a transmissão do vírus do herpes para o feto ou recém-nascido de algumas formas:

-Se a mãe tem uma infecção genital ativa, pode transmitir o vírus durante a passagem do feto pela vagina no parto normal ou, de forma mais rara, pela placenta. O risco de infecção varia de 33% a 55% após o parto vaginal quando é a primeira infecção da mãe e entre 3% e 5% na infecção materna recorrente. A infecção neonatal é muito grave e necessita de internação hospitalar para o tratamento intravenoso com medicações antivirais específicas.

-Se a mãe ou o pai possuírem infecções do herpes na boca, nas mãos ou a mãe nos mamilos, o recém-nascido pode ser infectado pelo contato próximo.

-Por contato com outros portadores de feridas causadas pelo herpes.

No caso do herpes oral, há o risco de transmissão para o bebê mesmo sem feridas aparentes, como acontece com os adultos. Bebês de grávidas que tiveram sua primeira infecção durante a gestação ou que não foram infectadas pelo herpes têm mais risco, pois elas não têm anticorpos a serem transmitidos para o bebê através do aleitamento.

Posso passar herpes mesmo sem ter sintomas?

Sim, o vírus do herpes pode entrar em atividade mesmo sem a presença de feridas aparentes, possibilitando a transmissão mesmo sem sintomas perceptíveis. Por isso é importante utilizar o preservativo em todas as relações sexuais, inclusive no sexo oral.

Quais as diferenças entre os vírus HSV-1 e o HSV-2?

Geralmente, o vírus HSV-1 está mais ligado a casos de infecções orais do herpes e o HSV-2 a casos de infecções genitais. A diferença é que uma infecção genital causada por herpes vírus tipo 1 tem menos chance de reativar que uma por herpes vírus 2.  Assim como uma infecção labial por herpes vírus 2 tem menos chance de reativar do que uma causada por herpes vírus 1.

É possível identificar o vírus em um exame de sangue?

Sim, existe uma sorologia anti HSV-1 e anti HSV-2, mas ela não é altamente específica, ou seja, o exame mostra se a pessoa tem imunidade a um dos vírus, mas alguém com o vírus HSV-1 pode também ter imunidade ao HSV-2 e vice-versa.  A sorologia só é útil quando o médico está em dúvida sobre o diagnóstico. O exame não é feito como rotina pois não há uma conduta específica a ser tomada em caso de resultado positivo, já que não há um tratamento para acabar com o vírus.

Meu parceiro tem herpes e eu não, ele está me traindo?

A Sociedade Brasileira de Dermatologia estima que 99% da população brasileira adulta já adquiriu imunidade contra o herpes simplex na infância ou na adolescência, provavelmente por meio de uma infecção sem sintomas ou com um único episódio que resultou em resistência ao vírus por toda a vida. Dessa forma, ter ou não herpes não é um indício de traição. Mesmo a frequência de reativação está ligada a fatores individuais de cada organismo, como: tendência genética, situação do sistema imunológico e idade (já que as crises se tornam menos frequentes após os 35 anos). Outros fatores podem ser gatilhos para uma reativação como: exposição solar, exposição a calor ou frio, menstruação, fadiga, relação sexual, febre, uso de corticosteroides, trauma local e procedimentos estéticos que causem agressão à pele como peelings e lasers.

Herpes e HPV são a mesma coisa?

Não, apesar de ambos poderem causar lesões genitais e serem transmitidos sexualmente, o HPV e o herpes são doenças e vírus diferentes. O HPV é o papilomavírus humano e causa verrugas genitais, condiloma e verruga vulgar. Já o herpes simples é causado pelos vírus HSV-1 e HSV-2 e costuma se manifestar como feridas e pequenas bolhas cheias de líquido que secam em alguns dias. O HPV tem possibilidade de evoluir para um câncer no colo de útero, o que não acontece com o herpes.

Fonte:

AMERICAN ACADEMY OF DERMATOLOGY. Herpes simplex: tips for managing. Disponível em: <https://www.aad.org/public/diseases/contagious-skin-diseases/herpes-simplex#tips> Acesso em Jul 18.

CUIDADOS PELA VIDA. Herpes genital na gravidez: que cuidados devo ter? Disponível em: <https://cuidadospelavida.com.br/cuidados-e-bem-estar/gravidez/herpes-genital-na-gravidez-que-cuidados-devo-ter> Acesso em Out 18.

CUIDADOS PELA VIDA. O vírus do herpes labial é o mesmo do genital? Disponível em: <https://cuidadospelavida.com.br/meu-corpo/pele/o-virus-do-herpes-labial-e-o-mesmo-do-genital> Acesso em Out 18.

HATCHETTE, T. F. Herpes simplex virus type-specific serology: Where does it fit in the diagnostic armamentarium? Can J Infect Dis Med Microbiol., v. 18, n. 4, p. 225-227, 2007.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Condiloma. Disponível em: <http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/condiloma/36/> Acesso Out 18.

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
herpes
baixa-imunidade
problemas-de-pele

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Ter uma crise de herpes na gravidez pode trazer algum risco para o bebê?"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.