Quais são os benefícios da terapia nos casos de esquizofrenia?


  • +A
  • -A

A esquizofrenia é um transtorno complexo, que exige do paciente e de seus familiares engajamento total com o tratamento, pois apenas seguindo todos os cuidados necessários será possível controlar os sintomas adequadamente. O uso constante de medicamentos é a principal medida do tratamento, mas a terapia também possui grande importância.

“A psicoterapia, tanto individual quanto familiar, é benéfica nos casos da esquizofrenia, sempre em combinação com o tratamento medicamentoso”, afirma a psiquiatra Érika Mendonça. Um dos principais objetivos da psicoterapia no tratamento da doença é oferecer ao paciente caminhos para lidar com o transtorno.     

 

Terapia-cognitivo comportamental é a mais indicada no tratamento da esquizofrenia

 

O profissional que acompanha o paciente nas sessões de terapia consegue identificar fatores estressores que costumam piorar o quadro e, a partir disso, ensina o paciente a evitá-los. A terapia também ajuda na parte de comunicação e interação social, independência, auto estima e maturidade emocional (controle de sentimentos e sensações).

Existem diversos tipos de terapia que podem ser aplicadas no tratamento da esquizofrenia e também no de outros transtornos (depressão, transtorno bipolar, autismo, etc.), mas sempre há um que se encaixa melhor às necessidades do paciente, caso a caso. “A terapia-cognitivo comportamental é a que apresenta mais evidências no tratamento dos sintomas da esquizofrenia”, completa.

 

Principais medicamentos usados no tratamento

 

O tratamento medicamentoso que deve seguir em paralelo com a psicoterapia no quadro de esquizofrenia tem como remédios principais os antipsicóticos. Eles ajudam, principalmente, no controle de sintomas como delírios e alucinações. Além destes, o especialista pode indicar os ansiolíticos, estabilizadores de humor e até mesmo antidepressivos, dependendo do caso.

 

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Dra. Érika Mendonça de Morais

Dra. Érika Mendonça de Morais

Psiquiatria

CRM: 124933 / SP

TAGS
depressao
esquizofrenia
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

7 comentários para "Quais são os benefícios da terapia nos casos de esquizofrenia?"

HEIDE

Bom dia,Tenho uma irmã que hoje está com 55 anos e mais ou menos 15 anos vem demostrando sinais dessa doença. Ela não dorme bem, ouve vozes na cabeça dela, vozes que dá ordens a respeito de determinados assuntos, ela tem sérios problemas com as cores e com as palavras; tais como cadela, cachorro barracão, cadê ela ou ele, passa, e co, números, como 4 33 35 e com códigos de barras. Ela vê a televisão sem som e fica muito tempo tapando os ouvidor. Sisma com as pessoas nos lugares por onde vai. Não consegue se relacionar com os filhos e o marido já foi embora, não aguentou. Ela se nega a fazer tratamento e fala que não é doida. Não sabemos como ajudar.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Heide. Obrigado por compartilhar seu relato. Temos uma matéria que poderá trazer informações importantes e irá te auxiliar. Clique no link e confira. Até breve.

https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/esquizofrenia/ajudar-adesao-tratamento-esquizofrenia

Arlete

Olá bom dia, tenho um filho que a 2 anos , desencadeou essa doença, ele faz acompanhamento com psicóloga, só que não está tendo sucesso, gostaria de saber se psicanalista pode ajuda lo melhor?

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Arlete. Agradecemos por compartilhar seu comentário. O psiquiatra é o especialista que poderá auxilia-los de forma completa indicando o tratamento mais adequado. E assim trazer maior qualidade de vida para você e seu filho. Até logo.

Christopher wallace

Eu tenho esquizofrenia não consigo ter afeto emoções tem horas que nem me sinto um ser humano não consigo mais me relacionar com ninguém todo dia é uma luta pra sair de casa e parecer normal na frente das pessoas e todo dia parece que eu sou o centro das atenções todos me olhando como se eu fosse louco e esse é o pior momento porque sei que estou tentando ser normal mais não consigo pra mim as pessoas só me olham com o pensamento de nojo e com certeza acham que sou estranho ,pior sentimento do mundo não desejo nem pro pior ininigo

Alanda Andreatta

Depois de um surto de quase 6 meses, recebi o diagnóstico. Foi bem difícil. Vivi o inferno na Terra. Logo que comecei a tomar o antipsicótico comecei a voltar a me livrar dos sintomas positivos. Com terapia semanal, fui me recuperando. Voltei a trabalhar e isto foi fundamental para a minha recuperação. Tenho ido ao psiquiatra a cada 6 meses ou quando sinto que estou a beira de um novo surto. Consigo ter uma vida funcional. Trabalho, exerço um cargo de responsabilidade. Voltei a estudar e estou fazendo uma nova habilitação. Não está sendo fácil, pois, minha cognição está péssima. Mas estou tentando. Também entrei em um curso de inglês. Minha vontade é de me isolar, mas sei que para a minha recuperação é importante que eu me socialize, por isso, voltei a estudar. Apenas minha filha, meu pai e poucos amigos sabem do meu diagnóstico e me ajudam a tornar o dia a dia menos difícil. Um dia de cada vez. É isso que tenho aprendido.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá, Alanda. Agradecemos por compartilhar seu comentário. “As terapias auxiliam até mesmo para que o paciente possa utilizar doses menores de medicação”, afirma Dra Luciana. Desejamos sucesso no seu tratamento. Abraços!

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.