Fraturas e osteoporose: por que os ossos podem se quebrar?


  • +A
  • -A

As fraturas são o principal perigo em um quadro de osteoporose. A doença consiste na perda gradativa de massa óssea, o que significa que os ossos se tornam porosos e mais frágeis. Sendo assim, o risco de fraturas aumenta bastante. Uma simples queda ou esbarrão pode resultar em fratura, o que, inclusive, pode ser fatal, dependendo da situação.  

“A osteoporose é uma doença caracterizada pela fragilidade óssea e alterações na sua microarquitetura, o que ocasiona fraturas por mínimo impacto. As fraturas por osteoporose ocorrem mais frequentemente nas vértebras, no rádio distal (punho) e no fêmur proximal (perto da coxa). Essas fraturas ocasionam dor, incapacidade física, deformidades e redução da qualidade e expectativa de vida”, informa a ginecologista Fernanda Torras.

De acordo com o Dr. João Luiz Scaff, também ginecologista, as fraturas na coluna vertebral e no fêmur são as mais graves, capazes de deixar o paciente inválido, sem nem ao menos ter a capacidade de se locomover. “A fratura de fêmur, por exemplo, limita o paciente na deambulação e aumenta o risco de doenças e infecções, o que pode levar até mesmo à morte”, afirma Scaff.

 

Cálcio é nutriente importante para a saúde óssea

 

Para evitar as fraturas, ambos os especialistas recomendam a adoção de algumas medidas, como prática de atividade física e dieta. Os exercícios físicos supervisionados, principalmente que envolvem fortalecimento de quadríceps e com suporte do próprio peso, ajudam na redução do número de quedas, e a vitamina D, que permite a absorção do cálcio pelo organismo, são muito importantes para manutenção da saúde óssea.  Ambos podem ser encontrados também em suplementos, caso seja necessário.

“O cálcio ajuda na regulação da homeostase do tecido ósseo. A ingestão adequada desse nutriente é extremamente importante em um programa de prevenção e tratamento da osteoporose, bem como para a saúde óssea geral em qualquer idade. Para adultos acima de 50 anos, a ingestão diária recomendada é de 1200mg, por meio de alimentos e suplementos (nos casos de ingestão insuficiente)”, explica Fernanda.

 

Tratamento medicamentoso é fundamental para controlar osteoporose

 

É essencial, ainda, utilizar medicamentos capazes de frear o processo degenerativo da massa óssea para que a doença não avance a ponto das fraturas se tornarem um risco grande. “Esse tipo de medicamento age na remodelação dos ossos e inibem a atividade de reabsorção óssea”, afirma Torras. A reposição hormonal, no caso das mulheres na pós menopausa, também pode ser empregada. “Porém, é necessário consultar o médico para que ele realize exames e prescreva o melhor tratamento”, completa Scaff.

 

Dra. Fernanda Torras é graduada em medicina com residência médica em ginecologia obstetrícia na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Possui pós-graduação em mastologia e oncoplastia mamária também pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. CRM: 130.332

Dr. João Luiz Scaff é ginecologista e obstetra, graduado pela Faculdade de Medicina de Campos e atua em São Paulo. CRM-SP: 60053

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
ossos
osteoporose

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Fraturas e osteoporose: por que os ossos podem se quebrar?"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.