Diabetes: quais são os tipos? Saiba tudo sobre os sintomas, riscos e o tratamento dessa doença metabólica


  • +A
  • -A
Imagem do post Diabetes: quais são os tipos? Saiba tudo sobre os sintomas, riscos e o tratamento dessa doença metabólica

O diabetes é uma doença metabólica que atinge pessoas de todas as idades e se divide em dois tipos. No tipo 1, a insulina, um hormônio fundamental para a metabolização do açúcar, não é produzida pelo pâncreas. Já no diabetes tipo 2, o pâncreas mantém sua capacidade de produzir a insulina por um certo período de tempo, mas a evolução da doença impede que a produção ocorra em quantidades adequadas. Além disso, no tipo 2, as células se mostram resistentes à ação do hormônio.

Em seus primeiros estágios, o diabetes não costuma provocar sintomas. Com o tempo, entretanto, os índices glicêmicos podem ficar descompensados. O paciente corre alguns riscos quando o nível de glicose no sangue sobe ou cai muito. O nível muito alto recebe o nome de hiperglicemia, enquanto o nível baixo é chamado de hipoglicemia.

 

Quais são os principais sintomas do diabetes?

 

Surgem, então, os sinais típicos: sede excessiva e aumento do apetite, nos casos de hiperglicemia, e perda de peso, fraqueza, formigamento, visão turva e tremedeiras, nos pacientes com hipoglicemia. No entanto, quando a falta de controle é crônica, o paciente tem maior chance de desenvolver algumas das complicações do diabetes.

Uma das complicações é a retinopatia diabética. O problema é caracterizado por lesões na retina e provoca a perda repentina da visão, podendo levar à cegueira. Pode ocorrer também a neuropatia diabética, que impede os nervos de enviar e receber mensagens do cérebro, desencadeando dor crônica, enfraquecimento muscular e desequilíbrio. O chamado “pé diabético” também é uma das possíveis consequências do diabetes fora de controle. “Níveis cronicamente elevados de glicemia favorecem o aparecimento de alterações neurológicas e vasculares capazes de atingir os membros inferiores”, explica a endocrinologista Daniele Zaninelli. “Pessoas com pé diabético podem apresentar complicações, como ulcerações e infecções, o que pode culminar na amputação do membro afetado”.

Outra complicação é a disfunção erétil. “Em longo prazo, principalmente quando não compensado, o diabetes leva a lesões de microvasos sanguíneos que irão causar uma série de alterações na saúde do paciente, como a neuropatia autonômica, que contribui para impotência, infarto sem dor e alteração do funcionamento da bexiga”, alerta a endocrinologista Mariana Guerra.

 

O paciente diabético pode consumir açúcar?

 

Quando o assunto é diabetes, o açúcar é logo colocado como vilão, mas a realidade não é tão simples assim. O ingrediente deve ser evitado, mas até pode ser consumido, desde que sem exageros. “O que ocorre é que o consumo excessivo de açúcar está associado ao ganho de peso e a obesidade é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento e desequilíbrio da doença”, afirma Daniele.

Os cuidados com a alimentação são essenciais para controlar a doença e prevenir qualquer risco. De acordo com Daniele, a dieta recomendada para o paciente diabético não é diferente da recomendada para a população em geral: “Os pacientes devem ser estimulados a substituir carboidratos refinados e alimentos com adição de açúcar por grãos integrais, legumes, vegetais e frutas”, recomenda. Tudo com moderação e com acompanhamento médico.

 

Controle do diabetes requer hábitos mais saudáveis

 

O tratamento, no entanto, não para por aí. Ele é baseado em mudanças no estilo de vida, como praticar atividades físicas, não consumir bebidas alcoólicas e cigarros, cuidar da saúde bucal e tratar outras doenças, como a hipertensão e a obesidade. A aplicação de insulina também é indicada para todos os pacientes do diabetes tipo 1 e ao longo da evolução de casos do tipo 2.

Além disso, o tratamento com medicamentos pode ser indicado para auxiliar no controle da doença. “Os efeitos da medicação incluem a redução da produção de glicose pelo fígado, a melhora da resistência à insulina, influência na produção de hormônios envolvidos no controle dos níveis glicêmicos e, ainda, aumento da perda de glicose na urina”, explica Daniele. A escolha da medicação depende da fase da doença e da avaliação de cada caso, que deve ser feita por um profissional qualificado e de confiança.

 

Dra. Mariana Guerra é endocrinologista, formada pela Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória e atua em Vitória (ES). CRM-ES: 7019

 

Dra. Daniele Zaninelli é endocrinologista formada pela Universidade Federal do Paraná e atua em Curitiba. CRM-PR: 16876

 

Foto: Shutterstock

TAGS
diabetes
glicose
hipoglicemia
insulina

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

2 comentários para "Diabetes: quais são os tipos? Saiba tudo sobre os sintomas, riscos e o tratamento dessa doença metabólica"

Gilson

achei legal esses alerta, gostaria de saber mais sobre o assunto, pois sou do tipo 2.

Dalva de Oliveira

Gostei muito.Gostaria de receber mais informação da dieta.Sou do tipo 2.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.