Por que ainda existe muito preconceito a respeito da depressão?


  • +A
  • -A

Aproximadamente 322 milhões de pessoas no mundo sofrem com a depressão, segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no ano de 2015. Apesar da doença atingir uma grande parcela da população e de existir um número cada vez maior de campanhas alertando sobre os sintomas e a importância do tratamento, ainda há muito preconceito em torno da depressão.

Falta de conscientização faz preconceito contra depressão continuar mesmo com a riqueza de informações na internet


“Hoje, principalmente com o advento da internet, existe muita informação disponível. Porém, quando se começa a conviver com a depressão, fica muito claro o quanto existe de estigmatização e desinformação”, afirma o psiquiatra Antonio Viola. A maioria das pessoas entende o depressivo como alguém incapaz de fazer as tarefas e funções presentes na vida adulta, enquanto muitos pacientes se enxergam como loucos ou desequilibrados.

Geralmente, o depressivo sofre profundamente e tem dificuldades para trabalhar, ir a eventos e até se levantar da cama. Mesmo diante de tantos incômodos, ele tenta seguir adiante por conta de suas responsabilidades. “Essas situações causam uma grande confusão social, fazendo com que o preconceito surja por meio de crenças que pregam a depressão como ‘frescura’, que o indivíduo precisa sair dessa situação e não se entregar ao desânimo e ao pessimismo“, diz o médico.

Preconceito atrapalha o controle dos sintomas da depressão


Apesar da abundância de informação sobre a doença disponível na internet, a
incompreensão e o estigma sobre o quadro persistem e contribuem ainda mais para a dificuldade de buscar tratamento para a depressão. “O grande desafio é superar o preconceito e, infelizmente, isso prejudica o sucesso do combate à doença. Quando o paciente que sofre de depressão começa a sentir a melancolia, a tristeza e o desânimo, há uma grande tendência ao isolamento social, fazendo-o viver esse sofrimento de natureza psicológica de forma individualizada”, explica o especialista.

A resistência do paciente em buscar tratamento pode começar nesse momento, com os pré-julgamentos, passando a ser visto como preguiçoso ou fraco por estar se rendendo à tristeza. Por outro lado, quanto mais se fala sobre a doença, mais os depressivos conseguem perceber que não são os únicos a experimentar essas sensações e que existe tratamento. A partir daí, abrem-se as portas para conversar com amigos e familiares e uma procura maior por ajuda profissional.

Dr. Antonio Homero Viola é psiquiatra e psicanalista, formado em Medicina pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) e atua em São Paulo. CRM-SP: 133439 – drantonioviola.com

Foto: Shutterstock

TAGS
depressao
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

2 comentários para "Por que ainda existe muito preconceito a respeito da depressão?"

Helena Bardi do Carmo

Porque nós os próprios pacientes não nos aceitamos a condição que estamos vivendo

zilda Freitas

Existe o preconceito a respeito da depressão, pois a sociedade onde vivemos exalta a alegria, o divertimento , “os vencedores”.A s pessoas fogem dos depressivos pois êles representam tudo aquilo que ninguem quer ser.Agradeço sua atençãoZilda

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.