Uma criança com autismo pode se tornar independente na vida adulta?

  • +A
  • -A

O autismo é um transtorno que surge sempre na infância e se mantém durante toda a vida. Ele compromete significativamente a capacidade de interação social e comunicação do paciente, o que traz dificuldades em todas as fases da vida. Mesmo assim, um adulto autista pode levar uma vida independente, desde que inicie cedo o tratamento adequado e se mantenha assim sempre.

“Muitas crianças com diagnóstico de autismo podem ser independentes na vida adulta. Isso depende de alguns fatores, como idade do diagnóstico, intervenção precoce, qualidade das intervenções e o próprio perfil da criança (suas próprias habilidades). Não se fala em cura do autismo, mas em alta sim”, afirma a psicóloga Gisele Tridapalli.

Tratamento do autismo é para vida toda


O tratamento exige tempo para obter resultados satisfatórios, então por isso que é tão importante começá-lo o quanto antes, ainda na infância. “Muitos dos meus pacientes, após alguns anos de intervenção, têm alta, ou como falamos, ‘saem do Espectro’. A partir daí poderão ter vidas normais na idade adulta. Ter bons profissionais acompanhando a criança por algum tempo aumenta as chances da alta”, diz a profissional.

Caso o diagnóstico seja feito tardiamente, na adolescência ou já na vida adulta, ainda valerá a pena iniciar o tratamento, mas as dificuldades para se chegar à alta serão muito maiores. Neste cenário, os resultados tendem a ser menores, ou seja, o controle dos sintomas será alcançado mais lentamente do que se o procedimento tivesse sido iniciado na infância.  

Participação da família é fundamental para evolução da criança com autismo

A família tem um papel fundamental no processo. Além de confiar nos profissionais e levar as crianças nas terapias, os entes queridos devem estimular a criança em casa, nos momentos possíveis, com a orientação dos profissionais. Isso faz toda a diferença. “Atendo crianças que a família somente leva na terapia, enquanto outras participam ativamente do tratamento, e a diferença é bastante evidente”, relata Gisele.

Gisele Wagenführ Tridapalli é psicóloga formada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), especializada em Neuropsicologia e atua em Florianópolis (SC). CRP-SC: 12/03942 – giseletridapalli.com.br

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Gisele Wagenführ Tridapalli

Gisele Wagenführ Tridapalli

Psicologia

CRM: 1203942 / SC

TAGS
autismo
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Uma criança com autismo pode se tornar independente na vida adulta?"
Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.