Convivendo com a doença: confira algumas dicas que podem ajudar quem enfrenta a síndrome do pânico


  • +A
  • -A

Tremores, taquicardia, medo de morrer, desconexão com o mundo, sensação de estar diante uma situação perigosa. Esses são alguns dos sintomas da síndrome do pânico. Quem tem o distúrbio enfrenta crises que costumam aparecer entre o fim da adolescência e início da vida adulta. Conviver com o problema não é fácil, mas existem algumas maneiras que podem ajudar o paciente a vencer os desafios da doença e manter a qualidade de vida.

Fatores que podem agravar a síndrome

A síndrome pode ser agravada pela exposição a fatores que abalem o bem-estar físico e mental. Doenças, mortes na família e uso de drogas, lícitas e ilícitas, são alguns exemplos. Além desses, pode ser citada a sobrecarga emocional causada por problemas em relacionamentos, no trabalho e nos estudos.

Segundo o psiquiatra Marcelo Calcagno Reinhardt, amigos e familiares devem incentivar a procura por ajuda. “O melhor auxílio é orientar essa pessoa a buscar atendimento psicológico e psiquiátrico. É importante mostrar que é um problema de saúde que necessita tratamento como qualquer outro”, afirma o médico. Não se deve recorrer ao álcool e a outras drogas para aliviar os sintomas.

Vida saudável

Os pacientes devem saber que a síndrome do pânico tem tratamento, capaz de controlar os sintomas e permitir uma vida saudável. Isso deve ser levado em conta até mesmo para reduzir o preconceito que a própria pessoa pode ter com relação ao transtorno. O atendimento psiquiátrico é fundamental também para distinguir a síndrome de outros problemas que apresentam sintomas parecidos.

Entretanto, o tratamento da síndrome do pânico deve envolver ainda mudanças de hábitos do dia a dia e o enfrentamento de fatores que promovem o desenvolvimento do problema. “Não adianta apenas tratar com medicação e não promover modificações em sua vida que possivelmente levaram a apresentar o transtorno, pelo menos aquelas passíveis de modificação”, conclui Reinhardt.

 

Marcelo Calcagno Reinhardt é psiquiatra, formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e atua em Florianópolis. CRM-SC: 10573

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
psicologico
panico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Convivendo com a doença: confira algumas dicas que podem ajudar quem enfrenta a síndrome do pânico"

Celaine londero

Eu tenho e agora descobri que minha filha com 9 anos tem. O que ❓fazer

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Celaine, a busca por um profissional especializado é muito importante pois após exames será indicado o tratamento mais adequado amenizando os sintomas e melhorando a qualidade de vida do paciente. Conforme informado na matéria o tratamento da síndrome do pânico deve envolver ainda mudanças de hábitos do dia a dia e o enfrentamento de fatores que promovem o desenvolvimento do problema. Até logo.

Liliane

A síndrome do pânico causa alteração de glicose e queda na pressão?

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Liliane, o sintomas da síndrome do panico podem variar, para se identificar corretamente a causa desses sintomas é necessário uma consulta presencial com o médico. Conforme informado na matéria tremores, taquicardia, medo de morrer, desconexão com o mundo, sensação de estar diante uma situação perigosa esses são alguns dos sintomas da síndrome do pânico. Até breve.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.