Produtos Participantes

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Produto

Carregando...
Sinergen

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Compre Agora

Sinergen

Princípio ativo: Anlodipino besilato, enalapril maleato

Apresentação: Cápsulas 2,5+10mg - MS 1.1213.0218 | Cápsulas 5+10mg - MS 1.1213.0218 | Cápsulas 5+20mg - MS 1.1213.0218

Indicação: Este medicamento é destinado ao tratamento da hipertensão arterial (pressão alta).

Contraindicação: Sinergen não deve ser usado por pessoas com alergia conhecida ao anlodipino, a outros antagonistas dos canais de cálcio, ao enalapril, a outros inibidores da enzima de conversão da angiotensina, ou aos demais componentes da fórmula. Caso tenha ocorrido, mesmo que há muito tempo, quadro de alergia que resultou em inchaço da face, boca ou que teve manifestações respiratórias, este medicamento não deve ser utilizado.

  • COMPOSIÇÃO
  • POSOLOGIA
  • INFORMAÇÕES
  • VER BULA
Cada cápsula de 2,5 mg + 10 mg contém:

besilato de anlodipino (equivalente a 2,5 mg de anlodipino) ........ 3,472 mg

maleato de enalapril ................................... 10 mg

Excipientes: lactose monoidratada, dióxido de silício, estearato de magnésio, bicarbonato de sódio, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, amido, hipromelose, macrogol, etilcelulose, corante amarelo FDC no 5 laca de alumínio e dióxido de titânio.

Cada cápsula de 5 mg + 10 mg contém:

besilato de anlodipino (equivalente a 5,0 mg de anlodipino) .................. 6,944 mg

maleato de enalapril ....................................... 10 mg

Excipientes: lactose monoidratada, dióxido de silício, estearato de magnésio, bicarbonato de sódio, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, amido, hipromelose, macrogol, etilcelulose, corante amarelo FDC no 5 laca de alumínio e dióxido de titânio.

Cada cápsula de 5 mg + 20 mg contém:

besilato de anlodipino (equivalente a 5,0 mg de anlodipino ) ..................... 6,944 mg

maleato de enalapril .................................. 20 mg

Excipientes: lactose monoidratada, dióxido de silício, estearato de magnésio, bicarbonato de sódio, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, amido, hipromelose, macrogol, etilcelulose, corante vermelho FDC no 40 laca de alumínio e dióxido de titânio.
Você pode usar este medicamento antes, durante ou após as refeições, pois a absorção de Sinergen não é afetada pela ingestão de alimentos.

Você receberá as orientações de seu médico quanto ao modo de uso a ser adotado, siga-o corretamente.

Seu médico poderá iniciar a terapêutica com Sinergen com a menor dose (2,5 mg + 10 mg) e irá ajustá-la, se necessário.

Seu efeito máximo é observado em cerca de 20 dias.
Dependendo da resposta e do objetivo terapêutico, seu médico poderá alterar a dose para 1 cápsula/dia de Sinergen 5 mg + 10 mg ou 1 cápsula/dia de Sinergen 5 mg + 20 mg.

Insuficiência hepática: recomenda-se cautela ao se administrar Sinergen nestes pacientes devido à meia-vida (tempo de ação de um medicamento no organismo) do anlodipino estar prolongada nestes casos.

Insuficiência renal: Sinergen pode ser usado nas doses habituais nos pacientes com níveis de creatinina sérica (tipo de exame laboratorial que avalia a função renal) de até 3 mg/dl (ou clearance de creatinina ≥ 30 ml/min). Sinergen está contraindicado em pacientes com níveis de creatinina maiores que 3 mg/dl (ou clearance de creatinina ≤ 30 ml/min).

Para pacientes em diálise, a dose da medicação deve ser monitorada pelos níveis pressóricos (níveis de pressão arterial) durante o período interdialítico (entre as diálises). O enalaprilato (substância ativa que surge da quebra do enalapril no organismo) é removido pela hemodiálise, sendo dialisável a uma taxa de 62 ml/min.

O uso de poliacrilonitrila para a realização da diálise em pacientes em uso de inibido- res da enzima conversora pode ocasionar reações anafilactoides graves (tipo de reação alérgica grave). Neste caso é preferível trocar o anti-hipertensivo (medicamento que baixa a pressão arterial) ou o método dialítico (método de diálise).

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.
COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Sinergen reduz a pressão arterial através da ação combinada de dois agentes antihipertensivos: maleato de enalapril e besilato de anlodipino. O maleato de enalapril pertence à classe de medicamentos chamada Inibidor da Enzima de Conversão de Angiotensina (inibidor da ECA, agindo na inibição da formação de angiotensina II, uma substância produzida pelo organismo e que tem uma potente ação de vasoconstrição). O besilato de anlodipino pertence à classe chamada de bloqueadores dos canais de cálcio, diminuindo a constrição dos vasos e facilitando o trabalho cardíaco.

A maior concentração dos componentes ativos de Sinergen no sangue ocorre entre cerca de 1 hora (enalapril) e 6 horas (anlodipino) após a administração oral.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Pode ocorrer hipotensão (queda da pressão arterial) no início do tratamento.

Você deve usar este medicamento com cautela se tiver angina (dor no peito); insuficiência cardíaca congestiva; estenose aórtica (doença de uma das válvulas do coração, provocando redução de sua abertura); e se for submetido à cirurgia/anestesia, pois pode ocorrer hipotensão.

Você deve informar a seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

Uso em crianças: a segurança e eficácia de Sinergen em crianças não foram estabelecidas.

Uso em idosos: o tratamento deve ser iniciado com a menor dose e se necessário, o médico irá ajustá-la.

Risco de uso por via não recomendada:

o medicamento somente deve ser utilizado por via oral.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Devido à Sinergen ser uma combinação de dois medicamentos, pode ocorrer interações de qualquer de seus componentes com diversos outros medicamentos. Na lista a seguir, são relacionadas às principiais interações para cada um de seus componentes:

a) Interações com enalapril Gravidade: maior

a) aumento dos níveis de potássio no sangue, prejuízo de função dos rins, hipotensão (queda de pressão):

alisquireno (uso contraindicado em con- junto), amilorida, espironolactona, eplere- nona, triantereno e potássio;

b) aumento de risco reação alérgica grave: alteplase, alopurinol e potássio;
c) distúrbios na produção de células sanguíneas: azatioprina, interferon alfa 2 e potássio.
Gravidade: moderada

a) diminui o efeito anti-hipertensivo: aceclofenaco, celecoxibe, dexcetoprofeno, diclofenaco, diflunisal, dipirona, etodolaco, etofenamato, fentiazaco, ibuprofeno, indometacina, indoprofeno, cetoprofeno, cetorolaco, lornoxicam, meclofenamato, meloxicam, naproxeno, nimesulida, piroxicam, rofecoxibe, sulindaco, aspirina, rifampicina, valdecoxibe, zomepiraco, aspirina, rifampicina, ácido flufenâmico, ácido mefenâmico, ácido niflúmico, ácido tiaprofênico, ephedra (Ma Huang, tipo de planta originária da china) e yoimbina;

b) aumenta o risco de hipotensão: bumetanida, clortalidona, furosemida, hidroclorotiazida, indapamida, piretanida, bupivacaína, nesiritide e ácido etacrínico;

c) aumento do risco de toxicidade lítio: clomipramina;

d) aumento do risco de disfunção renal: ciclosporina;

e) aumento do risco de acidose com alta concentração de potássio: metformina;

f) aumento do risco de reações do tipo rubor facial, náusea, vômitos e queda de pressão: aurotiomalato de sódio;

g) aumenta o risco de tosse: capsaicina.

Gravidade: menor

a) doses elevadas da manutenção de eritro- poetina para manter os valores de referência do hematócrito: epoetina alfa e epoetina beta.

b) Interações com anlodipino Gravidade: maior

a) redução do efeito antiagregante plaquetário: clopidogrel;

b) aumento da concentração ou da exposição ao anlodipino: telaprevir, claritromicina e conivaptano;

c) aumento do risco de toxicidade: fentanil;

d) aumento de risco de toxicidade, arritmias cardíacas e prolongamento de intervalo QT (alteração no eletrocardiograma): domperidona e droperidol;

f) bradicardia, alterações da condução átrioventricular: dantroleno;

g) depressão cardíaca e aumento dos níveis de potássio: amiodarona e atazanavir;

h) interferência na metabolização: mitotano, carbamazepina, primidona e piperacina.

Gravidade: moderada

a) pode causar hipotensão ou bradicardia: acebutolol, alprenolol, amprenavir, atenolol, betaxolol, bevantolol, bisoprolol, bucindolol, buflomedil, carvedilol, conivaptana, esmolol, labetalol, metoprolol, nadolol, nebivolol, oxprenolol, pindolol, propranolol, sotalol, timolol;

b) pode causar aumento de toxicidade à ciclosporina: ciclosporina;

c) pode causar tontura, hipotensão, rubor, cefaleia, edema periférico: fluconazol, cetoconazol, itraconazol, indinavir, delavirdina, fosamprenavir, ritonavir, saquinavir, vorico- nazol, dalfopristina, quinupristina;

d) pode causar redução de eficácia do anlodipino: rifapentina;

e) pode interferir na concentração do anlodipino: erva de São João (Hypericum perforatum).

Gravidade: menor

a) Pode aumentar o risco de hemorragias ou efeito antagônico à redução de pressão: aceclofenaco, dexcetoprofeno, diclofenaco, diflunisal, dipirona, etodolaco, etofenamato, fenoprofen, fentiazac, ibuprofeno, indometacina, cetoprofeno, cetorolaco, lornoxicam, meclofenamato, meloxicam, nabumetona, naproxeno, nimesulida, oxaprozin, oxifenbutazona, fenilbutazona, pirazolaco, piroxicam, propifenazona, sulindaco, tenoxicam, ácido flufenâmico, ácido mefenâmico, ácido niflumico, ácido tiaprofênico;

b) Pode aumentar o risco de insuficiência cardíaca: epirubicina;

c) Pode reduzir a eficácia: ephedra (Ma Huang, tipo de planta originária da china), óleo de menta, yoimbina e suco de grapefruit (toranja).

Não se conhece a interferência de besilato de anlodipino ou maleato de enalapril em exames laboratoriais.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Sinergen 2,5 mg + 10 mg e Sinergen 5,0 mg + 10 mg contêm o corante amarelo de tartrazina que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica, especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimen- to do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Você deve conservar este medicamento em temperatura ambiente (entre 15 e 30oC), protegido da luz e umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Aspecto físico

As cápsulas gelatinosas duras de Sinergen 2,5 mg + 10 mg possuem tampa de colo- ração laranja e corpo de coloração branca contendo pó branco e um comprimido revestido amarelo.

As cápsulas gelatinosas duras de Sinergen 5 mg + 10 mg possuem tampa de coloração azul e corpo de coloração branca contendo pó branco e um comprimido revestido amarelo. As cápsulas gelatinosas duras de Sinergen 5,0 mg + 20 mg possuem tampa de coloração amarelo crepúsculo (caramelo) e corpo de coloração branca contendo pó branco e um comprimido revestido vermelho.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Caso uma das doses seja esquecida, se es- tiver próximo do horário habitual de uso da medicação, você poderá utilizar o medicamento, porém se já estiver próximo do horário da dose seguinte, deverá aguardar o horário da próxima dose e utilizar a medi- cação da maneira habitual, nunca devendo ser tomada uma dose dobrada em função do esquecimento de doses.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As reações desagradáveis que podem ocorrer com a medicação são segundo sua frequência: A incidência de eventos adversos com a combinação fixa de anlodipino e enalapril no estudo EMBATES foi baixa. Os mais frequentes foram a cefaleia (13,5%), a tosse

(13,5%), o edema de membros inferiores (11,5%), tontura (3,3%), náuseas (2%) e taquicardia/palpitação (2%), que em geral foram de intensidade leve à moderada, sendo dessa forma bem tolerados. Apenas 4,6% dos pacientes tiveram que interromper o tratamento anti-hipertensivo por eventos adversos. Os parâmetros bioquímicos de segurança farmacológica não sofreram alterações significativas durante todo o período de seguimento. Para os 101 pacientes que completaram a fase de extensão do estudo EMBATES, com exceção do evento adverso tosse, houve redução da incidência dos de- mais no tratamento em longo prazo com a combinação fixa de anlodipino e enalapril. Assim, a incidência de edema de tornozelo que era de 15,3% na 16a semana, reduziu-se para 10,8% ao final do estudo. Do mesmo modo, a incidência de cefaleia diminuiu de 10,8% para 2,7% na semana 48. A incidência de tosse foi de 9% e 10,8% nas semanas 16 e 48, respectivamente.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): rubor facial (vermelhidão na face), inchaço dos membros inferiores, cefaleia (dor de cabeça) e tosse.

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): palpitação, hipotensão (pressão arterial baixa), taquicardia (aceleração das pulsações do coração), rash cutâneo (erupção na pele), dor na boca do estômago, vômito, dor em membros inferiores, formigamento em membros inferiores, varizes, tontura, náusea (enjoo), cansaço e mal estar geral.

Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): precordialgia (dor no peito), angina instável (dor no peito instável), eritema (mancha vermelha na pele) dos membros inferiores, edema facial (inchaço na face), aumento da glicemia (aumento de açúcar no sangue), dispepsia (desconforto digestivo), diarreia, azia, gastrite (inflamação do estômago), sonolência, vertigem, insônia, depres- são, acidente vascular cerebral, turvação visual, disfunção erétil, retenção urinária, diminuição da libido, fraqueza, boca seca, edema de Quincke (tipo de inchaço que atinge especialmente lábios, pálpebras, genitália, língua e laringe, embora qualquer parte do corpo possa ser atingida).

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

Atenção: este produto é um medicamento que possui nova associação no país e embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Você não deve tomar qualquer tipo de substância para aliviar os sintomas sem procurar socorro médico. Em caso de superdose você deve procurar socorro médico o mais rápido possível e levar a embalagem com a bula do medicamento.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.
SINERGEN
besilato de anlodipino maleato de enalapril

APRESENTAÇÕES
Cápsulas 2,5 mg + 10 mg: embalagens com 7 e 30 cápsulas.
Cápsulas 5 mg + 10 mg: embalagens com 7 e 30 cápsulas.

Cápsulas 5 mg + 20 mg: embalagens com 7 e 30 cápsulas.

USO ORAL USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada cápsula de 2,5 mg + 10 mg contém:

besilato de anlodipino (equivalente a 2,5 mg de anlodipino) .....3,472 mg

maleato de enalapril ........................................................................10 mg

Excipientes: lactose monoidratada, dióxido de silício, estearato de magnésio, bicarbonato de sódio, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, amido, hipromelose, macrogol, etilcelulose, corante amarelo FDC no 5 laca de alumínio e dióxido de titânio.

Cada cápsula de 5 mg + 10 mg contém:

besilato de anlodipino (equivalente a 5,0 mg de anlodipino).......6,944 mg

maleato de enalapril ..........................................................................10 mg

Excipientes: lactose monoidratada, dióxido de silício, estearato de magnésio, bicarbonato de sódio, fosfato de cálcio dibásico di-hidratado, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, amido, hipromelose, macrogol, etilcelulose, corante amarelo FDC no 5 laca de alumínio e dióxido de titânio.

Cada cápsula de 5 mg + 20 mg contém:

besilato de anlodipino (equivalente a 5,0 mg de anlodipino )......6,944 mg

maleato de enalapril ..........................................................................20 mg

Excipientes: lactose monoidratada, dióxido de silício, estearato de magnésio, bicarbonato de sódio, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, amido, hipromelose, macrogol, etilcelulose, corante vermelho FDC no 40 laca de alumínio e dióxido de titânio.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

1. PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Este medicamento é destinado ao tratamento da hipertensão arterial (pressão alta).

2. COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Sinergen reduz a pressão arterial através da ação combinada de dois agentes antihipertensivos: maleato de enalapril e besilato de anlodipino. O maleato de enalapril pertence à classe de medicamentos chamada Inibidor da Enzima de Conversão de Angiotensina (inibidor da ECA, agindo na inibição da formação de angiotensina II, uma substância produzida pelo organismo e que tem uma potente ação de vasoconstrição). O besilato de anlodipino pertence à classe chamada de bloqueadores dos canais de cálcio, diminuindo a constrição dos vasos e facilitando o trabalho cardíaco.
A maior concentração dos componentes ativos de Sinergen no sangue ocorre entre cerca de 1 hora (enalapril) e 6 horas (anlodipino) após a administração oral.

3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Sinergen não deve ser usado por pessoas com alergia conhecida ao anlodipino, a outros antagonistas dos canais de cálcio, ao enalapril, a outros inibidores da enzima de conversão da angiotensina, ou aos demais componentes da fórmula.
Caso tenha ocorrido, mesmo que há muito tempo, quadro de alergia que resultou em inchaço da face, boca ou que teve manifestações respiratórias, este medicamento não deve ser utilizado.

4. O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Pode ocorrer hipotensão (queda da pressão arterial) no início do tratamento.
Você deve usar este medicamento com cautela se tiver angina (dor no peito); insuficiência cardíaca congestiva; estenose aórtica (doença de uma das válvulas do coração, provocando redução de sua abertura); e se for submetido à cirurgia/anestesia, pois pode ocorrer hipotensão.
Você deve informar a seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
Uso em crianças: a segurança e eficácia de Sinergen em crianças não foram estabelecidas.

Uso em idosos: o tratamento deve ser iniciado com a menor dose e se necessário, o médico irá ajustá-la.

Risco de uso por via não recomendada:
o medicamento somente deve ser utilizado por via oral.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Devido à Sinergen ser uma combinação de dois medicamentos, pode ocorrer interações de qualquer de seus componentes com diversos outros medicamentos. Na lista a seguir, são relacionadas às principiais interações para cada um de seus componentes:

a) Interações com enalapril

Gravidade: maior

a) aumento dos níveis de potássio no sangue, prejuízo de função dos rins, hipotensão (queda de pressão):
alisquireno (uso contraindicado em conjunto), amilorida, espironolactona, eplerenona, triantereno e potássio;

b) aumento de risco reação alérgica grave: alteplase, alopurinol e potássio;

c) distúrbios na produção de células sanguíneas: azatioprina, interferon alfa 2 e potássio.

Gravidade: moderada

a) diminui o efeito anti-hipertensivo: aceclofenaco, celecoxibe, dexcetoprofeno, diclofenaco, diflunisal, dipirona, etodolaco, etofenamato, fentiazaco, ibuprofeno, indometacina, indoprofeno, cetoprofeno, cetorolaco, lornoxicam, meclofenamato, meloxicam, naproxeno, nimesulida, piroxicam, rofecoxibe, sulindaco, aspirina, rifampicina, valdecoxibe, zomepiraco, aspirina, rifampicina, ácido flufenâmico, ácido mefenâmico, ácido niflúmico, ácido tiaprofênico, ephedra (Ma Huang, tipo de planta originária da china) e yoimbina;
b) aumenta o risco de hipotensão: bumetanida, clortalidona, furosemida, hidroclorotiazida, indapamida, piretanida, bupivacaína, nesiritide e ácido etacrínico;

c) aumento do risco de toxicidade lítio: clomipramina;

d) aumento do risco de disfunção renal: ciclosporina;

e) aumento do risco de acidose com alta concentração de potássio: metformina;

f) aumento do risco de reações do tipo rubor facial, náusea, vômitos e queda de pressão: aurotiomalato de sódio;

g) aumenta o risco de tosse: capsaicina.

Gravidade: menor

a) doses elevadas da manutenção de eritro- poetina para manter os valores de referência do hematócrito: epoetina alfa e epoetina beta.

b) Interações com anlodipino

Gravidade: maior

a) redução do efeito antiagregante plaquetário: clopidogrel;

b) aumento da concentração ou da exposição ao anlodipino: telaprevir, claritromicina e conivaptano;

c) aumento do risco de toxicidade: fentanil;

d) aumento de risco de toxicidade, arritmias cardíacas e prolongamento de intervalo QT (alteração no eletrocardiograma): domperidona e droperidol;

f) bradicardia, alterações da condução átrioventricular: dantroleno;

g) depressão cardíaca e aumento dos níveis de potássio: amiodarona e atazanavir;

h) interferência na metabolização: mitotano, carbamazepina, primidona e piperacina.

Gravidade: moderada

a) pode causar hipotensão ou bradicardia: acebutolol, alprenolol, amprenavir, atenolol, betaxolol, bevantolol, bisoprolol, bucindolol, buflomedil, carvedilol, conivaptana, esmolol, labetalol, metoprolol, nadolol, nebivolol, oxprenolol, pindolol, propranolol, sotalol, timolol;

b) pode causar aumento de toxicidade à ciclosporina: ciclosporina;

c) pode causar tontura, hipotensão, rubor, cefaleia, edema periférico: fluconazol, cetoconazol, itraconazol, indinavir, delavirdina, fosamprenavir, ritonavir, saquinavir, vorico- nazol, dalfopristina, quinupristina;

d) pode causar redução de eficácia do anlodipino: rifapentina;

e) pode interferir na concentração do anlodipino: erva de São João (Hypericum perforatum).

Gravidade: menor

a) Pode aumentar o risco de hemorragias ou efeito antagônico à redução de pressão: aceclofenaco, dexcetoprofeno, diclofenaco, diflunisal, dipirona, etodolaco, etofenamato, fenoprofen, fentiazac, ibuprofeno, indometacina, cetoprofeno, cetorolaco, lornoxicam, meclofenamato, meloxicam, nabumetona, naproxeno, nimesulida, oxaprozin, oxifenbutazona, fenilbutazona, pirazolaco, piroxicam, propifenazona, sulindaco, tenoxicam, ácido flufenâmico, ácido mefenâmico, ácido niflumico, ácido tiaprofênico;

b) Pode aumentar o risco de insuficiência cardíaca: epirubicina;

c) Pode reduzir a eficácia: ephedra (Ma Huang, tipo de planta originária da china), óleo de menta, yoimbina e suco de grapefruit (toranja).
Não se conhece a interferência de besilato de anlodipino ou maleato de enalapril em exames laboratoriais.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.
Sinergen 2,5 mg + 10 mg e Sinergen 5,0 mg + 10 mg contêm o corante amarelo de tartrazina que pode causar reações de natureza alérgica, entre as quais asma brônquica, especialmente em pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.

 

5. ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

 

Você deve conservar este medicamento em temperatura ambiente (entre 15 e 30oC), protegido da luz e umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Aspecto físico

As cápsulas gelatinosas duras de Sinergen 2,5 mg + 10 mg possuem tampa de coloração laranja e corpo de coloração branca contendo pó branco e um comprimido revestido amarelo.

As cápsulas gelatinosas duras de Sinergen 5 mg + 10 mg possuem tampa de coloração azul e corpo de coloração branca contendo pó branco e um comprimido revestido amarelo. As cápsulas gelatinosas duras de Sinergen 5,0 mg + 20 mg possuem tampa de coloração amarelo crepúsculo (caramelo) e corpo de coloração branca contendo pó branco e um comprimido revestido vermelho.
Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.
Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Você pode usar este medicamento antes, durante ou após as refeições, pois a absorção de Sinergen não é afetada pela ingestão de alimentos.
Você receberá as orientações de seu médico quanto ao modo de uso a ser adotado, siga-o corretamente.

Seu médico poderá iniciar a terapêutica com Sinergen com a menor dose (2,5 mg + 10 mg) e irá ajustá-la, se necessário.
Seu efeito máximo é observado em cerca de 20 dias.

Dependendo da resposta e do objetivo terapêutico, seu médico poderá alterar a dose para 1 cápsula/dia de Sinergen 5 mg + 10 mg ou 1 cápsula/dia de Sinergen 5 mg + 20 mg.

Insuficiência hepática: recomenda-se cautela ao se administrar Sinergen nestes pacientes devido à meia-vida (tempo de ação de um medicamento no organismo) do anlodipino estar prolongada nestes casos.

Insuficiência renal: Sinergen pode ser usado nas doses habituais nos pacientes com níveis de creatinina sérica (tipo de exame laboratorial que avalia a função renal) de até 3 mg/dl (ou clearance de creatinina ≥ 30 ml/min). Sinergen está contraindicado em pacientes com níveis de creatinina maiores que 3 mg/dl (ou clearance de creatinina ≤ 30 ml/min).

Para pacientes em diálise, a dose da medicação deve ser monitorada pelos níveis pressóricos (níveis de pressão arterial) durante o período interdialítico (entre as diálises). O enalaprilato (substância ativa que surge da quebra do enalapril no organismo) é removido pela hemodiálise, sendo dialisável a uma taxa de 62 ml/min.

O uso de poliacrilonitrila para a realização da diálise em pacientes em uso de inibidores da enzima conversora pode ocasionar reações anafilactoides graves (tipo de reação alérgica grave). Neste caso é preferível trocar o anti-hipertensivo (medicamento que baixa a pressão arterial) ou o método dialítico (método de diálise).
Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

7. O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Caso uma das doses seja esquecida, se es- tiver próximo do horário habitual de uso da medicação, você poderá utilizar o medicamento, porém se já estiver próximo do horário da dose seguinte, deverá aguardar o horário da próxima dose e utilizar a medicação da maneira habitual, nunca devendo ser tomada uma dose dobrada em função do esquecimento de doses.
Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

8. QUAIS OS MALES QUE ESTE ME- DICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As reações desagradáveis que podem ocorrer com a medicação são segundo sua frequência: A incidência de eventos adversos com a combinação fixa de anlodipino e enalapril no estudo EMBATES foi baixa. Os mais frequentes foram a cefaleia (13,5%), a tosse
(13,5%), o edema de membros inferiores (11,5%), tontura (3,3%), náuseas (2%) e taquicardia/palpitação (2%), que em geral foram de intensidade leve à moderada, sendo dessa forma bem tolerados. Apenas 4,6% dos pacientes tiveram que interromper o tratamento anti-hipertensivo por eventos adversos. Os parâmetros bioquímicos de segurança farmacológica não sofreram alterações significativas durante todo o período de seguimento. Para os 101 pacientes que completaram a fase de extensão do estudo EMBATES, com exceção do evento adverso tosse, houve redução da incidência dos demais no tratamento em longo prazo com a combinação fixa de anlodipino e enalapril. Assim, a incidência de edema de tornozelo que era de 15,3% na 16a semana, reduziu-se para 10,8% ao final do estudo. Do mesmo modo, a incidência de cefaleia diminuiu de 10,8% para 2,7% na semana 48. A incidência de tosse foi de 9% e 10,8% nas semanas 16 e 48, respectivamente.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): rubor facial (vermelhidão na face), inchaço dos membros inferiores, cefaleia (dor de cabeça) e tosse.

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): palpitação, hipotensão (pressão arterial baixa), taquicardia (aceleração das pulsações do coração), rash cutâneo (erupção na pele), dor na boca do estômago, vômito, dor em membros inferiores, formigamento em membros inferiores, varizes, tontura, náusea (enjoo), cansaço e mal estar geral.

Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento): precordialgia (dor no peito), angina instável (dor no peito instável), eritema (mancha vermelha na pele) dos membros inferiores, edema facial (inchaço na face), aumento da glicemia (aumento de açúcar no sangue), dispepsia (desconforto digestivo), diarreia, azia, gastrite (inflamação do estômago), sonolência, vertigem, insônia, depressão, acidente vascular cerebral, turvação visual, disfunção erétil, retenção urinária, diminuição da libido, fraqueza, boca seca, edema de Quincke (tipo de inchaço que atinge especialmente lábios, pálpebras, genitália, língua e laringe, embora qualquer parte do corpo possa ser atingida).

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.
Atenção: este produto é um medicamento que possui nova associação no país e em- bora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico.

9. O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Você não deve tomar qualquer tipo de substância para aliviar os sintomas sem procurar socorro médico. Em caso de superdose você deve procurar socorro médico o mais rápido possível e levar a embalagem com a bula do medicamento.
Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

DIZERES LEGAIS

MS - 1.1213.0218

Farmacêutico Responsável: Alberto Jorge Garcia Guimarães CRF-SP no 12.449
Biosintética Farmacêutica Ltda.

Av. das Nações Unidas, 22.428 São Paulo - SP
CNPJ 53.162.095/0001-06 Indústria Brasileira

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 26/06/2014.
Download da Bula

Quero me cadastrar!

Clique aqui e cadastre-se para obter os benefícios do programa.

CADASTRE-SE

Fique por Dentro

Dor na nuca pode ser um sintoma de hipertensão descontrolada?

Dores no corpo

Dor na nuca pode ser um sintoma de hipertensão descontrolada?

cuidados-e-bem-estar

Dores no corpo

Como uma pessoa com pressão alta pode reduzir o consumo de sal no dia a dia?

Alimentação

Como uma pessoa com pressão alta pode reduzir o consumo de sal no dia a dia?

cuidados-e-bem-estar

Alimentação

O consumo exagerado de sal está envolvido tanto no desenvolvimento da pressão alta quanto na dificuldade de controlá-la com medicamentos, o que representa um grave risco à saúde por aumentar consideravelmente as chances de infartos e AVCs. Para evitar que esses eventos cardiovasculares
Sal do himalaia é melhor para quem tem pressão alta? Mito ou verdade?

Alimentação

Sal do himalaia é melhor para quem tem pressão alta? Mito ou verdade?

cuidados-e-bem-estar

Alimentação

Um dos principais cuidados que devem ser adotados por quem tem pressão alta é controlar o consumo diário de sal. Os sais utilizados na alimentação têm o cloreto de sódio como base e é justamente o sódio que pode provocar um aumento da pressão
O que é aterosclerose? Quais são as causas do problema?

Cardiovascular

O que é aterosclerose? Quais são as causas do problema?

saude-e-tratamento

Cardiovascular

A aterosclerose é um problema cardiovascular caracterizado pela formação de placas de gordura dentro das artérias. Estas placas se tornam bastante duras, devido à deposição de cálcio, e acabam interrompendo parcialmente ou totalmente a passagem de sangue, tornando a aterosclerose uma das principais causas de
Existe algum sintoma de pressão baixa que pode ser confundido com hipertensão?

Hipertensão

Existe algum sintoma de pressão baixa que pode ser confundido com hipertensão?

saude-e-tratamento

Hipertensão

Em pessoas saudáveis, a pressão arterial deve ficar abaixo de 120x80mmHg. Com este valor, o sangue circula por todo o corpo cumprindo sua função e sem provocar qualquer dano nas veias e nas artérias. No entanto, existem algumas situações que podem provocar um
Medidas a serem adotadas para complementar a recuperação de um infarto?

Cardiovascular

Medidas a serem adotadas para complementar a recuperação de um infarto?

saude-e-tratamento

Cardiovascular

O infarto, também chamado de ataque cardíaco, é um problema causado pela interrupção do fluxo sanguíneo e pode causar dor no peito, tontura e falta de ar. Passado o susto causado pelo infarto, você precisará adotar algumas medidas importantes
A hipertensão pode causar a impotência sexual? Por quê?

Hipertensão

A hipertensão pode causar a impotência sexual? Por quê?

saude-e-tratamento

Hipertensão

As complicações causadas pela hipertensão são bastante variadas e incluem desde danos nos rins, como a insuficiência renal, a alterações nos olhos, como perda da visão. Outro problema que pode ser provocado pela pressão alta é a impotência sexual, chamada na linguagem médica
Cigarro e pressão alta: por que fumar é um perigo para quem tem hipertensão?

Hipertensão

Cigarro e pressão alta: por que fumar é um perigo para quem tem hipertensão?

saude-e-tratamento

Hipertensão

Os danos que o cigarro provoca em todo o organismo já são bem conhecidos e comprovados por diversos estudos: aumenta o risco de doenças cerebrovasculares, de doenças do coração e também de muitos tipos de câncer. Além disso, as
Quem tem pressão alta pode correr na esteira da academia?

Hipertensão

Quem tem pressão alta pode correr na esteira da academia?

saude-e-tratamento

Hipertensão

Os pacientes com hipertensão sabem que fazer o tratamento da doença é essencial para controlar e reduzir a pressão alta. Parte das medidas indicadas pelos médicos consiste no uso de medicamentos anti-hipertensivos. Outra parte envolve a adoção de hábitos saudáveis, como comer
O estresse aumenta as chances de sofrermos com a pressão alta?

Hipertensão

O estresse aumenta as chances de sofrermos com a pressão alta?

saude-e-tratamento

Hipertensão

A hipertensão arterial é uma doença crônica que afeta a saúde de todo o sistema cardiovascular, fazendo com que o corpo tenha que trabalhar mais para que o sangue circule e o coração mantenha seu funcionamento. O problema já é grave por si só, entretanto, alguns
Angina: Saiba mais sobre esse sintoma, que pode indicar um ataque cardíaco

Coração

Angina: Saiba mais sobre esse sintoma, que pode indicar um ataque cardíaco

meu-corpo

Coração

Saúde cardíaca: você sabia que abandonar o tratamento pode aumentar os riscos de um segundo infarto?

Coração

Saúde cardíaca: você sabia que abandonar o tratamento pode aumentar os riscos de...

meu-corpo

Coração

Falta de ar, palpitação, tontura, vômito e dores no peito e nos braços são alguns dos principais sintomas do infarto. Se você já passou por esse problema cardiovascular, é fundamental que você não abandone o tratamento proposto pelo cardiologista para diminuir os