Produtos Participantes

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Produto

Carregando...
Donila Duo

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Fale com o enfermeiro

Donila Duo

Princípio ativo: Donepezila+Memantina

Apresentação: Donila Duo 10mg + 5mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 10mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 15mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 20mg c/ 30 comp

Indicação: DONILA DUO é indicado para tratamento sintomático da doença de Alzheimer moderada a grave.

Contraindicação: Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.

  • COMPOSIÇÃO
  • POSOLOGIA
  • INFORMAÇÕES
  • VER BULA
Donila Duo

cloridrato de donepezila + cloridrato de memantina

10 mg + 5 mg / 10 mg + 10 mg / 10 mg + 15 mg / 10 mg + 20 mg

comprimidos revestidos

USO ORAL

USO ADULTO

INDICAÇÕES

Donila Duo é indicado para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

CONTRAINDICAÇÕES

Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.
Donila Duo deve ser administrado via oral, uma vez ao dia, com ou sem alimento.

É recomendado o uso da associação para pacientes em dose regular de cloridrato de donepezila 10 mg/dia há pelo menos 4 semanas e com evolução da doença de Alzheimer para estágio de moderada ou grave mesmo em vigência do tratamento. A dose final a ser atingida da associação é de cloridrato de donepezila 10 mg/dia e memantina 20 mg/dia. Como o composto está indicado para pacientes em dose estável de cloridrato de donepezila de 10 mg/dia, a titulação do cloridrato de memantina deverá ser realizada com acréscimos semanais de 5 mg/dia até atingir a dose recomendada de 20 mg/dia.

Em pacientes com comprometimento renal moderado (depuração da creatinina de 30-49 ml/min) a dose diária deverá ser 10 mg por dia. Se bem tolerada após pelo menos 7 dias de tratamento, a dose poderá ser aumentada até 20 mg/dia. Em pacientes com comprometimento renal grave (depuração da creatinina 5-29 ml/min) a dose diária deverá ser de 10 mg por dia.
ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O cloridrato de donepezila, como um inibidor da colinesterase, pode exacerbar o relaxamento muscular tipo succinilcolina durante anestesia,  ter efeitos vagotônicos sobre a frequência cardíaca (p. ex., bradicardia) e há relatos de episódios de síncope.Pode ocorrer aumento da secreção ácida gástrica devido ao aumento da atividade colinérgica.

Efeitos sobre a Capacidade de Dirigir Veículos e Operar Máquinas

A demência do tipo Alzheimer pode causar comprometimento do desempenho da capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Além disso, o cloridrato de donepezila pode causar fadiga, tontura e cãibras musculares, principalmente ao iniciar ou aumentar a dose. A capacidade dos pacientes com doença de Alzheimer que recebem cloridrato de donepezila continuar dirigindo ou operando máquinas complexas deve ser avaliada rotineiramente pelo médico responsável.

Gravidez e lactação:

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação: Não se sabe se o cloridrato de donepezila e a memantina são excretados no leite humano e não existem estudos em mulheres lactantes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve-se evitar a administração do cloridrato de donepezila concomitantemente a outros inibidores da colinesterase.

Inibidores da CYP3A4, como o cetoconazol, itraconazol e a eritromicina, e os inibidores da CYP2D6, como a quinidina, fluoxetina, poderiam inibir o metabolismo da donepezila. Os indutores enzimáticos, como a rifampicina, a fenitoína, a carbamazepina e o álcool, podem reduzir os níveis de donepezila. O cloridrato de donepezila tem potencial para interferir com medicamentos com ação anticolinérgica. Também há potencial para atividade sinérgica com a succinilcolina e outros bloqueadores neuromusculares e agonistas colinérgicos ou betabloqueadores que apresentam efeitos sobre a condução cardíaca.

Os efeitos da L-dopa, dos agonistas dopaminérgicos e dos anticolinérgicos poderão ser amplificados pelo tratamento concomitante com a memantina. Os efeitos de barbitúricos e neurolépticos poderão ser reduzidos pela memantina. A administração concomitante de memantina e dos agentes antiespasmódicos, dantroleno ou baclofeno, pode alterar os efeitos destes medicamentos, podendo ser necessário um ajuste da dose.A utilização concomitante da memantina e amantadina, cetamina ou dextrometorfano deve ser evitada, devido ao risco de psicose farmacotóxica.

  • Outras substâncias como cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina e nicotina também poderão interagir com a memantina levando a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.



  • É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT) quando esta é administrada concomitantemente com a memantina.

  • Aumento da relação normalizada internacional (RNI) em pacientes tratados concomitantemente com varfarina e memantina podem ocorrer.


REAÇÕES ADVERSAS

Cloridrato de donepezila

Os eventos adversos mais comuns (incidência > 5 e o dobro da freqüência com o placebo) foram diarréia, cãibras musculares, fadiga, náusea, vômitos e insônia.

Os outros eventos adversos comuns (incidência > 5 e > placebo) foram cefaléia, dor, acidente, resfriado comum, distúrbios abdominais e tontura.

Tem havido relatos pós-comercialização de alucinações, agitação, comportamento agressivo, convulsão, hepatite, úlcera gástrica, úlcera duodenal e hemorragia gastrintestinal.

Cloridrato de memantina

As reações adversas mais frequentes e que registraram uma maior incidência no grupo da memantina do que no grupo placebo em estudos clínicos foram tonturas (6,3% vs 5,6%, respectivamente), cefaléias (5,2% vs 3,9%), constipação (4,6% vs 2,6%), sonolência (3,4% vs 2,2%) e hipertensão (4,1% vs 2,8%).

Em estudos com a associação cloridrato de donepezila e cloridrato de memantina, os principais eventos adversos encontrados foram agitação (9,4%), confusão (7,9%), quedas (7,4%), sintomas que mimetizam gripe (7,4%), tontura (6,9%), cefaleia (6,4%0, infecção do trato urinário (5,9%), incontinência urinária (5,4%), lesão acidental (5%), infecção da via respiratória superior (5%) e edema periférico (5%).
Donila Duo

cloridrato de donepezila + cloridrato de memantina

10 mg+ 5 mg / 10 mg + 10 mg / 10 mg + 15 mg / 10 mg + 20 mg

comprimidos revestidos

USO ORAL

USO ADULTO

INDICAÇÕES

Donila Duo é indicado para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

CONTRAINDICAÇÕES

Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O cloridrato de donepezila, como um inibidor da colinesterase, pode exacerbar o relaxamento muscular tipo succinilcolina durante anestesia,  ter efeitos vagotônicos sobre a frequência cardíaca (p. ex., bradicardia) e há relatos de episódios de síncope.Pode ocorrer aumento da secreção ácida gástrica devido ao aumento da atividade colinérgica.

Efeitos sobre a Capacidade de Dirigir Veículos e Operar Máquinas

A demência do tipo Alzheimer pode causar comprometimento do desempenho da capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Além disso, o cloridrato de donepezila pode causar fadiga, tontura e cãibras musculares, principalmente ao iniciar ou aumentar a dose. A capacidade dos pacientes com doença de Alzheimer que recebem cloridrato de donepezila continuar dirigindo ou operando máquinas complexas deve ser avaliada rotineiramente pelo médico responsável.

Gravidez e lactação:

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação: Não se sabe se o cloridrato de donepezila e a memantina são excretados no leite humano e não existem estudos em mulheres lactantes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve-se evitar a administração do cloridrato de donepezila concomitantemente a outros inibidores da colinesterase.

Inibidores da CYP3A4, como o cetoconazol, itraconazol e a eritromicina, e os inibidores da CYP2D6, como a quinidina, fluoxetina, poderiam inibir o metabolismo da donepezila. Os indutores enzimáticos, como a rifampicina, a fenitoína, a carbamazepina e o álcool, podem reduzir os níveis de donepezila. O cloridrato de donepezila tem potencial para interferir com medicamentos com ação anticolinérgica. Também há potencial para atividade sinérgica com a succinilcolina e

outros bloqueadores neuromusculares e agonistas colinérgicos ou betabloqueadores que apresentam efeitos sobre a condução cardíaca.

Os efeitos da L-dopa, dos agonistas dopaminérgicos e dos anticolinérgicos poderão ser amplificados pelo tratamento concomitante com a memantina. Os efeitos de barbitúricos e neurolépticos poderão ser reduzidos pela memantina. A administração concomitante de memantina e dos agentes antiespasmódicos, dantroleno ou baclofeno, pode alterar os efeitos destes medicamentos, podendo ser necessário um ajuste da dose.A utilização concomitante da memantina e amantadina, cetamina ou dextrometorfano deve ser evitada, devido ao risco de psicose farmacotóxica.

  • Outras substâncias como cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina e nicotina também poderão interagir com a memantina levando a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.



  • É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT) quando esta é administrada concomitantemente com a memantina.

  • Aumento da relação normalizada internacional (RNI) em pacientes tratados concomitantemente com varfarina e memantina podem ocorrer.


REAÇÕES ADVERSAS

Cloridrato de donepezila

Os eventos adversos mais comuns (incidência > 5 e o dobro da freqüência com o placebo) foram diarréia, cãibras musculares, fadiga, náusea, vômitos e insônia.

Os outros eventos adversos comuns (incidência > 5 e > placebo) foram cefaléia, dor, acidente, resfriado comum, distúrbios abdominais e tontura.

Tem havido relatos pós-comercialização de alucinações, agitação, comportamento agressivo, convulsão, hepatite, úlcera gástrica, úlcera duodenal e hemorragia gastrintestinal.

Cloridrato de memantina

As reações adversas mais frequentes e que registraram uma maior incidência no grupo da memantina do que no grupo placebo em estudos clínicos foram tonturas (6,3% vs 5,6%, respectivamente), cefaléias (5,2% vs 3,9%), constipação (4,6% vs 2,6%), sonolência (3,4% vs 2,2%) e hipertensão (4,1% vs 2,8%).

Em estudos com a associação cloridrato de donepezila e cloridrato de memantina, os principais eventos adversos encontrados foram agitação (9,4%), confusão (7,9%), quedas (7,4%), sintomas que mimetizam gripe (7,4%), tontura (6,9%), cefaleia (6,4%0, infecção do trato urinário (5,9%), incontinência urinária (5,4%), lesão acidental (5%), infecção da via respiratória superior (5%) e edema periférico (5%).

POSOLOGIA E MODO DE USAR

Donila Duo deve ser administrado via oral, uma vez ao dia, com ou sem alimento.

É recomendado o uso da associação para pacientes em dose regular de cloridrato de donepezila 10 mg/dia há pelo menos 4 semanas e com evolução da doença de Alzheimer para estágio de moderada ou grave mesmo em vigência do tratamento. A dose final a ser atingida da associação é de cloridrato de donepezila 10 mg/dia e memantina 20 mg/dia. Como o composto está indicado para pacientes em dose estável de cloridrato de donepezila de 10 mg/dia, a titulação do cloridrato de memantina deverá ser realizada com acréscimos semanais de 5 mg/dia até atingir a dose recomendada de 20 mg/dia.

Em pacientes com comprometimento renal moderado (depuração da creatinina de 30-49 ml/min) a dose diária deverá ser 10 mg por dia. Se bem tolerada após pelo menos 7 dias de tratamento, a dose poderá ser aumentada até 20 mg/dia. Em pacientes com comprometimento renal grave (depuração da creatinina 5-29 ml/min) a dose diária deverá ser de 10 mg por dia.

DIZERES LEGAIS

MS - 1.0573.0467

Farmacêutico Responsável: Gabriela Mallmann - CRF-SP nº 30.138

Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.

Via Dutra, km 222,2

Guarulhos - SP

CNPJ 60.659.463/0001-91

Indústria Brasileira

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA

Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 08/12/2014.

“Material técnico científico de distribuição exclusiva à classe médica”

MB 01 - SAP 4516400
Download da Bula

Quero me cadastrar!

Clique aqui e cadastre-se para obter os benefícios do programa.

CADASTRE-SE

Fique por Dentro

Insônia: quais alimentos podem prejudicar a qualidade do sono?

Dormir Bem

Insônia: quais alimentos podem prejudicar a qualidade do sono?

cuidados-e-bem-estar

Dormir Bem

Manter um sono de boa qualidade é imprescindível para viver bem e ter disposição para realizar as atividades do dia a dia. Para quem tem insônia, isso nem sempre é possível e existem diversos fatores capazes de prejudicar a
O que são os comportamentos repetitivos associados ao autismo?

Esquizofrenia

O que são os comportamentos repetitivos associados ao autismo?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

Os pacientes com autismo apresentam comportamentos repetitivos que são definidos como estereotipias motoras. São movimentos sem funções específicas, que podem aparecer em momentos aleatórios, sem uma justificativa. Eles podem assumir ainda um papel de regulação sensorial.

Características dos comportamentos repetitivos do autismo

As
Quais são os indícios da esquizofrenia na adolescência?

Esquizofrenia

Quais são os indícios da esquizofrenia na adolescência?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

A esquizofrenia é uma doença que pode começar a se manifestar antes mesmo da fase adulta, ainda na adolescência. O principal indício a ser observado como possível sintoma é o isolamento social, mas outros comportamentos fora do comum também ajudam a identificar o
O autismo pode se manifestar apenas na vida adulta?

Esquizofrenia

O autismo pode se manifestar apenas na vida adulta?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

O autismo é um transtorno do sistema nervoso que compromete significativamente a comunicação e a interação com outras pessoas. Trata-se de uma doença sem cura que se inicia nos primeiros anos de vida do indivíduo.

Características do autismo

“Este transtorno do neurodesenvolvimento se
Momentos de lazer podem diminuir os níveis de ansiedade leve ou moderada?

Ansiedade

Momentos de lazer podem diminuir os níveis de ansiedade leve ou moderada?

saude-e-tratamento

Ansiedade

Momentos de lazer são importantes no controle da ansiedade, visto que eles proporcionam sensações de relaxamento, alegria e leveza, fundamentais para a saúde do corpo e da mente. No entanto, isso pode não ser o suficiente para um paciente diagnosticado com ansiedade, pois é preciso que ele esteja
Há diferença da fase depressiva do transtorno bipolar para depressão?

Depressão

Há diferença da fase depressiva do transtorno bipolar para depressão?

saude-e-tratamento

Depressão

O transtorno bipolar é marcado por duas fases contrastantes, a mania e a depressão. A primeira é caracterizada pela euforia exacerbada, enquanto a segunda é marcada por sintomas de tristeza e apatia, muito similares à doença que tem o mesmo nome. Isso pode, inclusive, ser um
Sono interrompido: como fazer para voltar a dormir?

Insônia

Sono interrompido: como fazer para voltar a dormir?

saude-e-tratamento

Insônia

A insônia é um problema de saúde capaz de reduzir consideravelmente a qualidade de vida. É um distúrbio que provoca uma grande dificuldade para dormir e manter o corpo em repouso ao longo de toda a noite. Ao despertar durante a madrugada, muitas pessoas se perguntam
O que é agorafobia? Transtorno psíquico está relacionado à ansiedade

Ansiedade

O que é agorafobia? Transtorno psíquico está relacionado à ansiedade

saude-e-tratamento

Ansiedade

A agorafobia é um transtorno psiquiátrico que se encaixa entre os diferentes distúrbios de ansiedade. Seu nome ajuda a explicar o significado do problema: a palavra "ágora" era utilizada pelos gregos para falar de locais públicos em que eram feitos encontros, enquanto o termo "fobia" faz
Por que a memória de curto prazo é a mais afetada pelo Alzheimer?

Alzheimer

Por que a memória de curto prazo é a mais afetada pelo Alzheimer?

saude-e-tratamento

Alzheimer

A doença de Alzheimer é um transtorno visto normalmente nos idosos e que provoca a perda progressiva das capacidades cognitivas, como a memória, a atenção e a linguagem, devido à degeneração do cérebro. Entretanto, comparando a memória de curto
O Mal de Alzheimer pode afetar as emoções dos pacientes?

Alzheimer

O Mal de Alzheimer pode afetar as emoções dos pacientes?

saude-e-tratamento

Alzheimer

A doença de Alzheimer é um problema neurodegenerativo e que atinge principalmente os idosos. Suas consequências são capazes de deixar uma pessoa dependente de um cuidador, seja para tomar banho ou até para se alimentar. Apesar
Ano novo, vida nova? Confira algumas dicas para não deixar a ansiedade atrapalhar suas resoluções de fim de ano!

Ansiedade

Ano novo, vida nova? Confira algumas dicas para não deixar a ansiedade atrapalha...

saude-e-tratamento

Ansiedade

Como funcionam os medicamentos chamados de antipsicóticos?

Cabeça e Pescoço

Como funcionam os medicamentos chamados de antipsicóticos?

meu-corpo

Cabeça e Pescoço

Os medicamentos antipsicóticos, como sugere o nome, são utilizados em quadros com sintomas psicóticos, com destaque para a esquizofrenia. Sua função é amenizar essas manifestações, de modo que o paciente possa alcançar a estabilização emocional e psicológica necessária para manter uma boa qualidade de vida.

Atuação