Produtos Participantes

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Produto

Carregando...
Donila Duo

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Fale com o enfermeiro

Donila Duo

Princípio ativo: Donepezila+Memantina

Apresentação: Donila Duo 10mg + 5mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 10mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 15mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 20mg c/ 30 comp

Indicação: DONILA DUO é indicado para tratamento sintomático da doença de Alzheimer moderada a grave.

Contraindicação: Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.

  • COMPOSIÇÃO
  • POSOLOGIA
  • INFORMAÇÕES
  • VER BULA
Donila Duo

cloridrato de donepezila + cloridrato de memantina

10 mg + 5 mg / 10 mg + 10 mg / 10 mg + 15 mg / 10 mg + 20 mg

comprimidos revestidos

USO ORAL

USO ADULTO

INDICAÇÕES

Donila Duo é indicado para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

CONTRAINDICAÇÕES

Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.
Donila Duo deve ser administrado via oral, uma vez ao dia, com ou sem alimento.

É recomendado o uso da associação para pacientes em dose regular de cloridrato de donepezila 10 mg/dia há pelo menos 4 semanas e com evolução da doença de Alzheimer para estágio de moderada ou grave mesmo em vigência do tratamento. A dose final a ser atingida da associação é de cloridrato de donepezila 10 mg/dia e memantina 20 mg/dia. Como o composto está indicado para pacientes em dose estável de cloridrato de donepezila de 10 mg/dia, a titulação do cloridrato de memantina deverá ser realizada com acréscimos semanais de 5 mg/dia até atingir a dose recomendada de 20 mg/dia.

Em pacientes com comprometimento renal moderado (depuração da creatinina de 30-49 ml/min) a dose diária deverá ser 10 mg por dia. Se bem tolerada após pelo menos 7 dias de tratamento, a dose poderá ser aumentada até 20 mg/dia. Em pacientes com comprometimento renal grave (depuração da creatinina 5-29 ml/min) a dose diária deverá ser de 10 mg por dia.
ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O cloridrato de donepezila, como um inibidor da colinesterase, pode exacerbar o relaxamento muscular tipo succinilcolina durante anestesia,  ter efeitos vagotônicos sobre a frequência cardíaca (p. ex., bradicardia) e há relatos de episódios de síncope.Pode ocorrer aumento da secreção ácida gástrica devido ao aumento da atividade colinérgica.

Efeitos sobre a Capacidade de Dirigir Veículos e Operar Máquinas

A demência do tipo Alzheimer pode causar comprometimento do desempenho da capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Além disso, o cloridrato de donepezila pode causar fadiga, tontura e cãibras musculares, principalmente ao iniciar ou aumentar a dose. A capacidade dos pacientes com doença de Alzheimer que recebem cloridrato de donepezila continuar dirigindo ou operando máquinas complexas deve ser avaliada rotineiramente pelo médico responsável.

Gravidez e lactação:

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação: Não se sabe se o cloridrato de donepezila e a memantina são excretados no leite humano e não existem estudos em mulheres lactantes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve-se evitar a administração do cloridrato de donepezila concomitantemente a outros inibidores da colinesterase.

Inibidores da CYP3A4, como o cetoconazol, itraconazol e a eritromicina, e os inibidores da CYP2D6, como a quinidina, fluoxetina, poderiam inibir o metabolismo da donepezila. Os indutores enzimáticos, como a rifampicina, a fenitoína, a carbamazepina e o álcool, podem reduzir os níveis de donepezila. O cloridrato de donepezila tem potencial para interferir com medicamentos com ação anticolinérgica. Também há potencial para atividade sinérgica com a succinilcolina e outros bloqueadores neuromusculares e agonistas colinérgicos ou betabloqueadores que apresentam efeitos sobre a condução cardíaca.

Os efeitos da L-dopa, dos agonistas dopaminérgicos e dos anticolinérgicos poderão ser amplificados pelo tratamento concomitante com a memantina. Os efeitos de barbitúricos e neurolépticos poderão ser reduzidos pela memantina. A administração concomitante de memantina e dos agentes antiespasmódicos, dantroleno ou baclofeno, pode alterar os efeitos destes medicamentos, podendo ser necessário um ajuste da dose.A utilização concomitante da memantina e amantadina, cetamina ou dextrometorfano deve ser evitada, devido ao risco de psicose farmacotóxica.

  • Outras substâncias como cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina e nicotina também poderão interagir com a memantina levando a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.



  • É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT) quando esta é administrada concomitantemente com a memantina.

  • Aumento da relação normalizada internacional (RNI) em pacientes tratados concomitantemente com varfarina e memantina podem ocorrer.


REAÇÕES ADVERSAS

Cloridrato de donepezila

Os eventos adversos mais comuns (incidência > 5 e o dobro da freqüência com o placebo) foram diarréia, cãibras musculares, fadiga, náusea, vômitos e insônia.

Os outros eventos adversos comuns (incidência > 5 e > placebo) foram cefaléia, dor, acidente, resfriado comum, distúrbios abdominais e tontura.

Tem havido relatos pós-comercialização de alucinações, agitação, comportamento agressivo, convulsão, hepatite, úlcera gástrica, úlcera duodenal e hemorragia gastrintestinal.

Cloridrato de memantina

As reações adversas mais frequentes e que registraram uma maior incidência no grupo da memantina do que no grupo placebo em estudos clínicos foram tonturas (6,3% vs 5,6%, respectivamente), cefaléias (5,2% vs 3,9%), constipação (4,6% vs 2,6%), sonolência (3,4% vs 2,2%) e hipertensão (4,1% vs 2,8%).

Em estudos com a associação cloridrato de donepezila e cloridrato de memantina, os principais eventos adversos encontrados foram agitação (9,4%), confusão (7,9%), quedas (7,4%), sintomas que mimetizam gripe (7,4%), tontura (6,9%), cefaleia (6,4%0, infecção do trato urinário (5,9%), incontinência urinária (5,4%), lesão acidental (5%), infecção da via respiratória superior (5%) e edema periférico (5%).
Donila Duo

cloridrato de donepezila + cloridrato de memantina

10 mg+ 5 mg / 10 mg + 10 mg / 10 mg + 15 mg / 10 mg + 20 mg

comprimidos revestidos

USO ORAL

USO ADULTO

INDICAÇÕES

Donila Duo é indicado para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

CONTRAINDICAÇÕES

Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O cloridrato de donepezila, como um inibidor da colinesterase, pode exacerbar o relaxamento muscular tipo succinilcolina durante anestesia,  ter efeitos vagotônicos sobre a frequência cardíaca (p. ex., bradicardia) e há relatos de episódios de síncope.Pode ocorrer aumento da secreção ácida gástrica devido ao aumento da atividade colinérgica.

Efeitos sobre a Capacidade de Dirigir Veículos e Operar Máquinas

A demência do tipo Alzheimer pode causar comprometimento do desempenho da capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Além disso, o cloridrato de donepezila pode causar fadiga, tontura e cãibras musculares, principalmente ao iniciar ou aumentar a dose. A capacidade dos pacientes com doença de Alzheimer que recebem cloridrato de donepezila continuar dirigindo ou operando máquinas complexas deve ser avaliada rotineiramente pelo médico responsável.

Gravidez e lactação:

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação: Não se sabe se o cloridrato de donepezila e a memantina são excretados no leite humano e não existem estudos em mulheres lactantes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve-se evitar a administração do cloridrato de donepezila concomitantemente a outros inibidores da colinesterase.

Inibidores da CYP3A4, como o cetoconazol, itraconazol e a eritromicina, e os inibidores da CYP2D6, como a quinidina, fluoxetina, poderiam inibir o metabolismo da donepezila. Os indutores enzimáticos, como a rifampicina, a fenitoína, a carbamazepina e o álcool, podem reduzir os níveis de donepezila. O cloridrato de donepezila tem potencial para interferir com medicamentos com ação anticolinérgica. Também há potencial para atividade sinérgica com a succinilcolina e

outros bloqueadores neuromusculares e agonistas colinérgicos ou betabloqueadores que apresentam efeitos sobre a condução cardíaca.

Os efeitos da L-dopa, dos agonistas dopaminérgicos e dos anticolinérgicos poderão ser amplificados pelo tratamento concomitante com a memantina. Os efeitos de barbitúricos e neurolépticos poderão ser reduzidos pela memantina. A administração concomitante de memantina e dos agentes antiespasmódicos, dantroleno ou baclofeno, pode alterar os efeitos destes medicamentos, podendo ser necessário um ajuste da dose.A utilização concomitante da memantina e amantadina, cetamina ou dextrometorfano deve ser evitada, devido ao risco de psicose farmacotóxica.

  • Outras substâncias como cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina e nicotina também poderão interagir com a memantina levando a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.



  • É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT) quando esta é administrada concomitantemente com a memantina.

  • Aumento da relação normalizada internacional (RNI) em pacientes tratados concomitantemente com varfarina e memantina podem ocorrer.


REAÇÕES ADVERSAS

Cloridrato de donepezila

Os eventos adversos mais comuns (incidência > 5 e o dobro da freqüência com o placebo) foram diarréia, cãibras musculares, fadiga, náusea, vômitos e insônia.

Os outros eventos adversos comuns (incidência > 5 e > placebo) foram cefaléia, dor, acidente, resfriado comum, distúrbios abdominais e tontura.

Tem havido relatos pós-comercialização de alucinações, agitação, comportamento agressivo, convulsão, hepatite, úlcera gástrica, úlcera duodenal e hemorragia gastrintestinal.

Cloridrato de memantina

As reações adversas mais frequentes e que registraram uma maior incidência no grupo da memantina do que no grupo placebo em estudos clínicos foram tonturas (6,3% vs 5,6%, respectivamente), cefaléias (5,2% vs 3,9%), constipação (4,6% vs 2,6%), sonolência (3,4% vs 2,2%) e hipertensão (4,1% vs 2,8%).

Em estudos com a associação cloridrato de donepezila e cloridrato de memantina, os principais eventos adversos encontrados foram agitação (9,4%), confusão (7,9%), quedas (7,4%), sintomas que mimetizam gripe (7,4%), tontura (6,9%), cefaleia (6,4%0, infecção do trato urinário (5,9%), incontinência urinária (5,4%), lesão acidental (5%), infecção da via respiratória superior (5%) e edema periférico (5%).

POSOLOGIA E MODO DE USAR

Donila Duo deve ser administrado via oral, uma vez ao dia, com ou sem alimento.

É recomendado o uso da associação para pacientes em dose regular de cloridrato de donepezila 10 mg/dia há pelo menos 4 semanas e com evolução da doença de Alzheimer para estágio de moderada ou grave mesmo em vigência do tratamento. A dose final a ser atingida da associação é de cloridrato de donepezila 10 mg/dia e memantina 20 mg/dia. Como o composto está indicado para pacientes em dose estável de cloridrato de donepezila de 10 mg/dia, a titulação do cloridrato de memantina deverá ser realizada com acréscimos semanais de 5 mg/dia até atingir a dose recomendada de 20 mg/dia.

Em pacientes com comprometimento renal moderado (depuração da creatinina de 30-49 ml/min) a dose diária deverá ser 10 mg por dia. Se bem tolerada após pelo menos 7 dias de tratamento, a dose poderá ser aumentada até 20 mg/dia. Em pacientes com comprometimento renal grave (depuração da creatinina 5-29 ml/min) a dose diária deverá ser de 10 mg por dia.

DIZERES LEGAIS

MS - 1.0573.0467

Farmacêutico Responsável: Gabriela Mallmann - CRF-SP nº 30.138

Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.

Via Dutra, km 222,2

Guarulhos - SP

CNPJ 60.659.463/0001-91

Indústria Brasileira

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA

Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 08/12/2014.

“Material técnico científico de distribuição exclusiva à classe médica”

MB 01 - SAP 4516400
Download da Bula

Quero me cadastrar!

Clique aqui e cadastre-se para obter os benefícios do programa.

CADASTRE-SE

Fique por Dentro

Pacientes com autismo possuem habilidades incomuns?

Autismo

Pacientes com autismo possuem habilidades incomuns?

saude-e-tratamento

Autismo

O autismo é um distúrbio mental que prejudica o desenvolvimento e causa reflexos em várias áreas, como a comunicação, as emoções e até a movimentação do corpo. Seus primeiros sintomas costumam surgir logo na infância, nos primeiros meses ou
Autismo: de que forma o transtorno causa problemas de comunicação?

Autismo

Autismo: de que forma o transtorno causa problemas de comunicação?

saude-e-tratamento

Autismo

O autismo é um transtorno do desenvolvimento que costuma aparecer logo nos primeiros anos de vida. É uma condição que não altera o físico, afetando somente o cérebro humano. Entre suas principais características estão o comportamento repetitivo e o
Depressão no inverno: como lidar com os dias frios e não se abater?

Depressão

Depressão no inverno: como lidar com os dias frios e não se abater?

saude-e-tratamento

Depressão

A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais discutidas nos últimos anos e provoca um sentimento intenso de tristeza, além de apatia, pessimismo, ansiedade, insegurança e até dificuldades para se concentrar. Apesar de os cuidados com a doença serem importantes durante todo o ano, o inverno
Autismo e escola: Como os pais podem ajudar os filhos diagnosticados com o transtorno?

Autismo

Autismo e escola: Como os pais podem ajudar os filhos diagnosticados com o trans...

saude-e-tratamento

Autismo

O autismo é uma condição que compromete, principalmente, a capacidade de comunicação e interação do paciente. Inicia-se sempre na infância, o que exige dos pais comprometimento para que seus filhos possam se tratar adequadamente e viver com o máximo de qualidade e normalidade, dentro do possível.
O que é o transtorno afetivo bipolar?

Depressão

O que é o transtorno afetivo bipolar?

saude-e-tratamento

Depressão

Qual é o papel da terapia no tratamento de um quadro de esquizofrenia?

Esquizofrenia

Qual é o papel da terapia no tratamento de um quadro de esquizofrenia?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

O que é esquizofrenia residual? Psiquiatra explica!

Esquizofrenia

O que é esquizofrenia residual? Psiquiatra explica!

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico em que o doente ouve vozes e vê pessoas que não existem. Além disso, casos em que os pacientes acreditam estarem sendo perseguidos ou ameaçados são frequentes. Como é um quadro complexo e com várias particularidades, a
Professor consegue controlar depressão e síndrome do pânico com tratamento adequado

Depressão

Professor consegue controlar depressão e síndrome do pânico com tratamento adequ...

saude-e-tratamento

Depressão

A depressão e a síndrome do pânico são transtornos psiquiátricos bastante distintos. No entanto, as duas doenças podem ser diagnosticadas em um mesmo paciente. Em casos assim, chamados de comorbidades, o psiquiatra deve levar em consideração as particularidades de cada distúrbio para elaborar um tratamento eficaz
Qual é a diferença entre distimia e depressão?

Depressão

Qual é a diferença entre distimia e depressão?

saude-e-tratamento

Depressão

A distimia é um quadro muito semelhante à depressão, tendo em vista que apresenta os mesmos sintomas. As únicas diferenças são a intensidade e a duração: na distimia os sintomas são mais brandos do que na depressão; o período de manifestação desses sintomas é maior na distimia.
Existem semelhanças entre manias e um quadro de TOC?

TOC

Existem semelhanças entre manias e um quadro de TOC?

saude-e-tratamento

TOC

O TOC é caracterizado pela presença de obsessões e compulsões. Obsessões são pensamentos intrusivos, repetitivos, persistentes e indesejados, enquanto as compulsões são comportamentos repetitivos ou atos mentais que o indivíduo sente-se compelido a realizar em resposta à obsessão. Muitas pessoas interpretam as compulsões como "manias" simples
O que fazer para ajudar a adesão ao tratamento da esquizofrenia?

Esquizofrenia

O que fazer para ajudar a adesão ao tratamento da esquizofrenia?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

A esquizofrenia é uma doença que exige do paciente adesão plena ao tratamento, pois seus sintomas prejudicam significativamente a qualidade de vida e tendem a se intensificar com o passar do tempo, caso não haja controle. Por mais que o paciente saiba dos riscos de não
Esquizofrenia: existem sinais que podem indicar precocemente a doença?

Esquizofrenia

Esquizofrenia: existem sinais que podem indicar precocemente a doença?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

A esquizofrenia é uma doença psiquiátrica que atinge tanto homens quanto mulheres. No entanto, em cada um dos gêneros, o surgimento do transtorno costuma ocorrer em épocas diferentes: nos homens, começa na adolescência, entre os 15 e 25 anos,