Produtos Participantes

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Produto

Carregando...
Donila Duo

Não tome medicamentos sem a orientação do seu médico. A persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado.

Fale com o enfermeiro

Donila Duo

Princípio ativo: Donepezila+Memantina

Apresentação: Donila Duo 10mg + 5mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 10mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 15mg c/ 7 comp | Donila Duo 10mg + 20mg c/ 30 comp

Indicação: DONILA DUO é indicado para tratamento sintomático da doença de Alzheimer moderada a grave.

Contraindicação: Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.

  • COMPOSIÇÃO
  • POSOLOGIA
  • INFORMAÇÕES
  • VER BULA
Donila Duo

cloridrato de donepezila + cloridrato de memantina

10 mg + 5 mg / 10 mg + 10 mg / 10 mg + 15 mg / 10 mg + 20 mg

comprimidos revestidos

USO ORAL

USO ADULTO

INDICAÇÕES

Donila Duo é indicado para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

CONTRAINDICAÇÕES

Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.
Donila Duo deve ser administrado via oral, uma vez ao dia, com ou sem alimento.

É recomendado o uso da associação para pacientes em dose regular de cloridrato de donepezila 10 mg/dia há pelo menos 4 semanas e com evolução da doença de Alzheimer para estágio de moderada ou grave mesmo em vigência do tratamento. A dose final a ser atingida da associação é de cloridrato de donepezila 10 mg/dia e memantina 20 mg/dia. Como o composto está indicado para pacientes em dose estável de cloridrato de donepezila de 10 mg/dia, a titulação do cloridrato de memantina deverá ser realizada com acréscimos semanais de 5 mg/dia até atingir a dose recomendada de 20 mg/dia.

Em pacientes com comprometimento renal moderado (depuração da creatinina de 30-49 ml/min) a dose diária deverá ser 10 mg por dia. Se bem tolerada após pelo menos 7 dias de tratamento, a dose poderá ser aumentada até 20 mg/dia. Em pacientes com comprometimento renal grave (depuração da creatinina 5-29 ml/min) a dose diária deverá ser de 10 mg por dia.
ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O cloridrato de donepezila, como um inibidor da colinesterase, pode exacerbar o relaxamento muscular tipo succinilcolina durante anestesia,  ter efeitos vagotônicos sobre a frequência cardíaca (p. ex., bradicardia) e há relatos de episódios de síncope.Pode ocorrer aumento da secreção ácida gástrica devido ao aumento da atividade colinérgica.

Efeitos sobre a Capacidade de Dirigir Veículos e Operar Máquinas

A demência do tipo Alzheimer pode causar comprometimento do desempenho da capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Além disso, o cloridrato de donepezila pode causar fadiga, tontura e cãibras musculares, principalmente ao iniciar ou aumentar a dose. A capacidade dos pacientes com doença de Alzheimer que recebem cloridrato de donepezila continuar dirigindo ou operando máquinas complexas deve ser avaliada rotineiramente pelo médico responsável.

Gravidez e lactação:

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação: Não se sabe se o cloridrato de donepezila e a memantina são excretados no leite humano e não existem estudos em mulheres lactantes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve-se evitar a administração do cloridrato de donepezila concomitantemente a outros inibidores da colinesterase.

Inibidores da CYP3A4, como o cetoconazol, itraconazol e a eritromicina, e os inibidores da CYP2D6, como a quinidina, fluoxetina, poderiam inibir o metabolismo da donepezila. Os indutores enzimáticos, como a rifampicina, a fenitoína, a carbamazepina e o álcool, podem reduzir os níveis de donepezila. O cloridrato de donepezila tem potencial para interferir com medicamentos com ação anticolinérgica. Também há potencial para atividade sinérgica com a succinilcolina e outros bloqueadores neuromusculares e agonistas colinérgicos ou betabloqueadores que apresentam efeitos sobre a condução cardíaca.

Os efeitos da L-dopa, dos agonistas dopaminérgicos e dos anticolinérgicos poderão ser amplificados pelo tratamento concomitante com a memantina. Os efeitos de barbitúricos e neurolépticos poderão ser reduzidos pela memantina. A administração concomitante de memantina e dos agentes antiespasmódicos, dantroleno ou baclofeno, pode alterar os efeitos destes medicamentos, podendo ser necessário um ajuste da dose.A utilização concomitante da memantina e amantadina, cetamina ou dextrometorfano deve ser evitada, devido ao risco de psicose farmacotóxica.

  • Outras substâncias como cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina e nicotina também poderão interagir com a memantina levando a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.



  • É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT) quando esta é administrada concomitantemente com a memantina.

  • Aumento da relação normalizada internacional (RNI) em pacientes tratados concomitantemente com varfarina e memantina podem ocorrer.


REAÇÕES ADVERSAS

Cloridrato de donepezila

Os eventos adversos mais comuns (incidência > 5 e o dobro da freqüência com o placebo) foram diarréia, cãibras musculares, fadiga, náusea, vômitos e insônia.

Os outros eventos adversos comuns (incidência > 5 e > placebo) foram cefaléia, dor, acidente, resfriado comum, distúrbios abdominais e tontura.

Tem havido relatos pós-comercialização de alucinações, agitação, comportamento agressivo, convulsão, hepatite, úlcera gástrica, úlcera duodenal e hemorragia gastrintestinal.

Cloridrato de memantina

As reações adversas mais frequentes e que registraram uma maior incidência no grupo da memantina do que no grupo placebo em estudos clínicos foram tonturas (6,3% vs 5,6%, respectivamente), cefaléias (5,2% vs 3,9%), constipação (4,6% vs 2,6%), sonolência (3,4% vs 2,2%) e hipertensão (4,1% vs 2,8%).

Em estudos com a associação cloridrato de donepezila e cloridrato de memantina, os principais eventos adversos encontrados foram agitação (9,4%), confusão (7,9%), quedas (7,4%), sintomas que mimetizam gripe (7,4%), tontura (6,9%), cefaleia (6,4%0, infecção do trato urinário (5,9%), incontinência urinária (5,4%), lesão acidental (5%), infecção da via respiratória superior (5%) e edema periférico (5%).
Donila Duo

cloridrato de donepezila + cloridrato de memantina

10 mg+ 5 mg / 10 mg + 10 mg / 10 mg + 15 mg / 10 mg + 20 mg

comprimidos revestidos

USO ORAL

USO ADULTO

INDICAÇÕES

Donila Duo é indicado para o tratamento da doença de Alzheimer moderada a grave.

CONTRAINDICAÇÕES

Donila Duo está contraindicado em pacientes com conhecida hipersensibilidade ao cloridrato de donepezila ou ao cloridrato de memantina ou a quaisquer excipientes usados nesta formulação.

ADVERTÊNCIAS E PRECAUÇÕES

O cloridrato de donepezila, como um inibidor da colinesterase, pode exacerbar o relaxamento muscular tipo succinilcolina durante anestesia,  ter efeitos vagotônicos sobre a frequência cardíaca (p. ex., bradicardia) e há relatos de episódios de síncope.Pode ocorrer aumento da secreção ácida gástrica devido ao aumento da atividade colinérgica.

Efeitos sobre a Capacidade de Dirigir Veículos e Operar Máquinas

A demência do tipo Alzheimer pode causar comprometimento do desempenho da capacidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Além disso, o cloridrato de donepezila pode causar fadiga, tontura e cãibras musculares, principalmente ao iniciar ou aumentar a dose. A capacidade dos pacientes com doença de Alzheimer que recebem cloridrato de donepezila continuar dirigindo ou operando máquinas complexas deve ser avaliada rotineiramente pelo médico responsável.

Gravidez e lactação:

Categoria de risco na gravidez: B.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Lactação: Não se sabe se o cloridrato de donepezila e a memantina são excretados no leite humano e não existem estudos em mulheres lactantes.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve-se evitar a administração do cloridrato de donepezila concomitantemente a outros inibidores da colinesterase.

Inibidores da CYP3A4, como o cetoconazol, itraconazol e a eritromicina, e os inibidores da CYP2D6, como a quinidina, fluoxetina, poderiam inibir o metabolismo da donepezila. Os indutores enzimáticos, como a rifampicina, a fenitoína, a carbamazepina e o álcool, podem reduzir os níveis de donepezila. O cloridrato de donepezila tem potencial para interferir com medicamentos com ação anticolinérgica. Também há potencial para atividade sinérgica com a succinilcolina e

outros bloqueadores neuromusculares e agonistas colinérgicos ou betabloqueadores que apresentam efeitos sobre a condução cardíaca.

Os efeitos da L-dopa, dos agonistas dopaminérgicos e dos anticolinérgicos poderão ser amplificados pelo tratamento concomitante com a memantina. Os efeitos de barbitúricos e neurolépticos poderão ser reduzidos pela memantina. A administração concomitante de memantina e dos agentes antiespasmódicos, dantroleno ou baclofeno, pode alterar os efeitos destes medicamentos, podendo ser necessário um ajuste da dose.A utilização concomitante da memantina e amantadina, cetamina ou dextrometorfano deve ser evitada, devido ao risco de psicose farmacotóxica.

  • Outras substâncias como cimetidina, ranitidina, procaínamida, quinidina e nicotina também poderão interagir com a memantina levando a um risco potencial de aumento dos seus níveis séricos.



  • É possível que haja uma redução dos níveis séricos da hidroclorotiazida (HCT) quando esta é administrada concomitantemente com a memantina.

  • Aumento da relação normalizada internacional (RNI) em pacientes tratados concomitantemente com varfarina e memantina podem ocorrer.


REAÇÕES ADVERSAS

Cloridrato de donepezila

Os eventos adversos mais comuns (incidência > 5 e o dobro da freqüência com o placebo) foram diarréia, cãibras musculares, fadiga, náusea, vômitos e insônia.

Os outros eventos adversos comuns (incidência > 5 e > placebo) foram cefaléia, dor, acidente, resfriado comum, distúrbios abdominais e tontura.

Tem havido relatos pós-comercialização de alucinações, agitação, comportamento agressivo, convulsão, hepatite, úlcera gástrica, úlcera duodenal e hemorragia gastrintestinal.

Cloridrato de memantina

As reações adversas mais frequentes e que registraram uma maior incidência no grupo da memantina do que no grupo placebo em estudos clínicos foram tonturas (6,3% vs 5,6%, respectivamente), cefaléias (5,2% vs 3,9%), constipação (4,6% vs 2,6%), sonolência (3,4% vs 2,2%) e hipertensão (4,1% vs 2,8%).

Em estudos com a associação cloridrato de donepezila e cloridrato de memantina, os principais eventos adversos encontrados foram agitação (9,4%), confusão (7,9%), quedas (7,4%), sintomas que mimetizam gripe (7,4%), tontura (6,9%), cefaleia (6,4%0, infecção do trato urinário (5,9%), incontinência urinária (5,4%), lesão acidental (5%), infecção da via respiratória superior (5%) e edema periférico (5%).

POSOLOGIA E MODO DE USAR

Donila Duo deve ser administrado via oral, uma vez ao dia, com ou sem alimento.

É recomendado o uso da associação para pacientes em dose regular de cloridrato de donepezila 10 mg/dia há pelo menos 4 semanas e com evolução da doença de Alzheimer para estágio de moderada ou grave mesmo em vigência do tratamento. A dose final a ser atingida da associação é de cloridrato de donepezila 10 mg/dia e memantina 20 mg/dia. Como o composto está indicado para pacientes em dose estável de cloridrato de donepezila de 10 mg/dia, a titulação do cloridrato de memantina deverá ser realizada com acréscimos semanais de 5 mg/dia até atingir a dose recomendada de 20 mg/dia.

Em pacientes com comprometimento renal moderado (depuração da creatinina de 30-49 ml/min) a dose diária deverá ser 10 mg por dia. Se bem tolerada após pelo menos 7 dias de tratamento, a dose poderá ser aumentada até 20 mg/dia. Em pacientes com comprometimento renal grave (depuração da creatinina 5-29 ml/min) a dose diária deverá ser de 10 mg por dia.

DIZERES LEGAIS

MS - 1.0573.0467

Farmacêutico Responsável: Gabriela Mallmann - CRF-SP nº 30.138

Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.

Via Dutra, km 222,2

Guarulhos - SP

CNPJ 60.659.463/0001-91

Indústria Brasileira

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA

Esta bula foi aprovada pela Anvisa em 08/12/2014.

“Material técnico científico de distribuição exclusiva à classe médica”

MB 01 - SAP 4516400
Download da Bula

Quero me cadastrar!

Clique aqui e cadastre-se para obter os benefícios do programa.

CADASTRE-SE

Fique por Dentro

Por que é tão difícil se concentrar em uma atividade durante uma crise de ansiedade?

Ansiedade

Por que é tão difícil se concentrar em uma atividade durante uma crise de ansied...

saude-e-tratamento

Ansiedade

Quando um médico pode prescrever um antipsicótico?

Esquizofrenia

Quando um médico pode prescrever um antipsicótico?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

Os antipsicóticos são normalmente receitados para tratar psicoses, assim como sugere o nome. O exemplo mais comum é a esquizofrenia, mas esse não é o único transtorno que pode ser controlado por essa classe de remédios. Inclusive, os antipsicóticos podem ser usados no tratamento de
Como agem os medicamentos antipsicóticos?

Esquizofrenia

Como agem os medicamentos antipsicóticos?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

Os medicamentos antipsicóticos atuam, em geral, promovendo o controle dos sintomas associados aos transtornos psicóticos, com destaque para a esquizofrenia. Porém, o médico também pode te indicar esses remédios caso haja outros tipos de transtornos mentais. Eles tendem a funcionar de maneira diferente no controle dos
Alzheimer: a substituição dos remédios sem autorização médica atrapalha o tratamento?

Alzheimer

Alzheimer: a substituição dos remédios sem autorização médica atrapalha o tratam...

saude-e-tratamento

Alzheimer

O mal de Alzheimer é uma doença que pode ser tratada com o uso de medicações e afeta principalmente os idosos. Substituir ou deixar de usar os remédios da forma correta poderá prejudicar o tratamento de seu familiar. Portanto,
Depressão: o que podemos fazer para complementar o tratamento com remédios?

Depressão

Depressão: o que podemos fazer para complementar o tratamento com remédios?

saude-e-tratamento

Depressão

Existem vários graus de depressão e todos eles demandam a adoção de um tratamento adequado, englobando diversas medidas. Em muitos casos os pacientes precisam usar remédios para controlar os sintomas do quadro, mas apenas isso pode não ser o suficiente. É essencial que você implemente no dia
Posso interromper o tratamento da depressão antes da orientação médica?

Depressão

Posso interromper o tratamento da depressão antes da orientação médica?

saude-e-tratamento

Depressão

O tratamento da depressão não produz efeitos imediatos. É necessário um certo tempo seguindo as medidas estabelecidas pelo médico para que os sintomas comecem a se atenuar. Caso o tratamento seja interrompido antes do tempo indicado pelo profissional, você poderá seguir convivendo com
Como agem e para que servem os remédios para o mal de Alzheimer?

Alzheimer

Como agem e para que servem os remédios para o mal de Alzheimer?

saude-e-tratamento

Alzheimer

O mal de Alzheimer é um distúrbio conhecido pela perda progressiva da memória e por afetar, principalmente, pacientes idosos na sua família. O tratamento da doença com remédios pode ajudar a reduzir o avanço desse e de outros sintomas.
Ouvir vozes é, necessariamente, um sintoma da esquizofrenia?

Esquizofrenia

Ouvir vozes é, necessariamente, um sintoma da esquizofrenia?

saude-e-tratamento

Esquizofrenia

Ouvir vozes é um sintoma que pode fazer parte de um quadro de esquizofrenia, mas não é exclusividade deste transtorno. Outros problemas, sejam perturbações mentais ou não, podem cursar com essa percepção. É importante destacar que os pacientes que ouvem vozes acreditam que aquilo de fato
Organizar as coisas por cores pode ser um sintoma de TOC?

TOC

Organizar as coisas por cores pode ser um sintoma de TOC?

saude-e-tratamento

TOC

Depressão: como fazer para o término de um relacionamento não te abalar?

Depressão

Depressão: como fazer para o término de um relacionamento não te abalar?

saude-e-tratamento

Depressão

O término de um relacionamento, seja ele namoro ou até mesmo um casamento, normalmente gera sentimentos de tristeza e frustração nas pessoas envolvidas, podendo, em alguns casos, desenvolver até mesmo uma depressão. Quando este caso mais sério ocorre, diz-se que o término funciona como um
Pacientes com dor crônica são mais propensos a um quadro de depressão?

Depressão

Pacientes com dor crônica são mais propensos a um quadro de depressão?

saude-e-tratamento

Depressão

Problemas crônicos que cursam com dor se associam bastante à depressão, de modo que tanto eles podem contribuir para desencadear o transtorno mental, quanto este pode resultar em dores crônicas. Cientificamente, ainda não se sabe ao certo a razão para que isso aconteça. A influência comportamental
Depois de anos sem resposta, gaúcha descobre quadro de fibromialgia e consegue controlar depressão

Depressão

Depois de anos sem resposta, gaúcha descobre quadro de fibromialgia e consegue c...

saude-e-tratamento

Depressão

Por ainda ser pouco conhecida e por causa de seu quadro complexo, a fibromialgia é uma doença que pode levar muitos anos para ser diagnosticada. "É caracterizada por um conjunto de sintomas, cujos principais são dores intensas e generalizadas pelo corpo