Depressão infantil: uma psicóloga ajuda identificar os sinais de que seu filho pode desenvolver a doença


  • +A
  • -A

Quem pensa que depressão é apenas uma fase vivida por adultos não poderia estar mais errado. A depressão é uma doença crônica e hereditária que pode atingir também as crianças. “É um transtorno de humor capaz de comprometer o desenvolvimento da criança e interferir na sua maturidade psicológica e social. O problema deve ser diagnosticado e tratado o quanto antes, pois compromete o dia a dia do paciente”, explica a psicóloga Cynthia Schincáglia.

Sinais indicativos de uma depressão infantil

A depressão pode se manifestar de várias formas nas crianças. Cynthia afirma que os sintomas são parecidos com os de um adulto, a grande diferença é que os pequenos, muitas vezes, não conseguem verbalizar o que estão sentindo. “É preciso que os pais e familiares estejam bem atentos às mudanças repentinas de comportamentos, tais como tristeza, choro constante sem motivo, falta de interesse em brincar ou ir à escola, dificuldade para dormir, entre outros”, explica. O diagnóstico é realizado por um psiquiatra infantil ou psicólogo com base nos sintomas apresentados e pela avaliação do comportamento da criança.  “Em uma lista com 13 possíveis sintomas, é preciso que a criança apresente pelo menos cinco para confirmar o diagnóstico”, diz.

Em que momento surgem os primeiros sintomas?

De acordo com Cynthia, a depressão infantil pode ser desencadeada por fatores genéticos e ambientais, como o ambiente familiar ou escolar, e gera sérios problemas para a s crianças e seus familiares. Pesquisas mostram que o problema está crescendo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, OMS, nos últimos 10 anos os diagnósticos em crianças entre 6 e 12 anos aumentaram de 4,5 para 8%. “O transtorno pode ser diagnosticado em crianças a partir de 4 anos de idade”, completa Cynthia.

O papel da família no tratamento da depressão infantil

O papel da família é fundamental, tanto na identificação dos sintomas e de mudanças no comportamento da criança, quanto no próprio tratamento, que deve ser acompanhado por um profissional. “É muito difícil para alguns pais aceitarem que seus filhos pequenos precisam de ajuda psicológica e eles acabam tentando resolver o problema por conta própria”, conclui. O diagnóstico precoce é fundamental para o sucesso do tratamento e os pais também precisam aderir ao tratamento, auxiliando o médico/psicólogo onde possível.

 

Cynthia Schincáglia é psicóloga, especializada em coaching no Rio de Janeiro. CRP 05/33364.

 

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
depressao
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

4 comentários para "Depressão infantil: uma psicóloga ajuda identificar os sinais de que seu filho pode desenvolver a doença"

Elisângela

Desde minha infância sofro por causa de depressão, não fui tratada neste período entre a infância e a juventude, um diagnóstico tardio é mais complexo, porque na fase adulta já estamos cheios de manias, fobias etc…

Rosmeri buffet

Hoje meu filho esta com 15 anos aos 11 sofreu bulyn na escola do melhor amigo ai entrou em depressão começou a fazer terapia em seguida mas mesmo medicado ainda tem sintomas da depressão.

Francisca Vilaneide Medeiros do nascimento .

Boa noite !Dra Cinthia por favor mim tire uma dúvida , é pque tenho um filho de 10 anos que foi diagnosticado com autismo infantil , não verbal , depressão gera autismo ?

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Francisca, a criança com autismo apresenta prejuízos persistentes na comunicação social e na interação social em múltiplos contextos. O autismo é um transtorno de desenvolvimento grave que afeta, principalmente, a capacidade de interação e comunicação. O quadro se manifesta sempre nos primeiros anos de vida, portanto não existe a possibilidade de surgir somente na adolescência ou fase adulta. Não há cura para essa condição, então o indivíduo apresenta os sintomas por toda a vida. Contudo, o tratamento adequado pode ajudar a amenizar as dificuldades. Para informações mais técnicas sobre a doença é necessário a consulta com o psiquiatra. Abraços.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.