Novembro Azul já passou: chute o preconceito para detectar o câncer de próstata


  • +A
  • -A
Imagem do post Novembro Azul já passou: chute o preconceito para detectar o câncer de próstata

Depois do Setembro Verde, que alertou sobre a doação de órgãos, e do Outubro Rosa, que chamou a atenção dos brasileiros para o câncer de mama, chegou a vez do Novembro Azul,  um mês dedicado à conscientização do câncer de próstata.

Como é o exame de toque?

 

Estima-se que, todos os anos, cerca de 60 mil homens são diagnosticados com o câncer de próstata no Brasil. E a melhor maneira de não fazer parte dessa estatística é driblar o preconceito e realizar, a partir dos 50 anos de idade, o famoso exame de toque – cuidar da saúde dos pais é fundamental.

“O toque retal é realizado pela introdução do dedo indicador pelo ânus. Com luva e lubrificação adequadas, esta introdução é sempre suave e de curta duração. Sente-se se há o endurecimento ou irregularidade da próstata. Não merece todo esse preconceito”, explica o oncologista Cristiano Drumond Magalhães.

Exame de toque: a importância e o preconceito

 

Como dito, devido ao preconceito, muitos homens deixam de realizar esta verificação e acabam procurando ajuda médica quando já é possível detectar os sintomas da doença. Em um quadro já avançado, pode haver a dificuldade de urinar por causa do aumento da próstata, sangramento urinário e até dor nos ossos. O câncer de próstata é raramente assintomático.

“Envoltos nas atividades diárias de trabalho, os homens, geralmente, dão importância à avaliação médica apenas quando apresentam sintoma ou possuem algum parente próximo com a doença. Somado a isso, vem o constrangimento por ignorância e mero preconceito ou machismo com o toque retal”, afirma o médico.

Câncer de próstata e a cura

 

A importância do exame é detectar a doença antes que alguns sintomas sejam notados pelo paciente. Descobrindo o câncer de próstata previamente, as chances de cura são muito maiores. “⁠⁠⁠Todo tumor, quando diagnosticado em sua fase inicial, possui as chances de cura maiores, podendo ser tratado com radioterapia ou com a prostatectomia radical”, ressalta Dr. Cristiano.

Dr. Cristiano Drumond Magalhães é oncologista, clínico do Neon (Núcleo Especializado em Oncologia) e atende em Vitória. CRM/ES: 5988

TAGS
paciente
tratamento

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Novembro Azul já passou: chute o preconceito para detectar o câncer de próstata"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.