Amamentação: Conheça as dificuldades e histórias de superação de mamães que já passaram por este processo

  • +A
  • -A

O nascimento de um filho é um dos momentos mais impactantes na vida de uma mãe. Depois de 9 meses, é hora de abraçar e cuidar deste ser humano tão pequeno e delicado. Parte importante dos cuidados se dá com a amamentação, um período muito importante para o desenvolvimento do bebê e também para a criação de laços afetivos entre mãe e filho. É uma época descrita por muitas mulheres como mágica e inesquecível. 

Isto não significa dizer que este período também não traga dificuldades para as mamães e para suas famílias. Na verdade, o aleitamento materno pode ser comparado a uma montanha-russa. São muitos altos e baixos, que, por um lado, podem desanimar e confundir, mas por outro, podem proporcionar alguns dos momentos mais incríveis da vida.

Especialmente para você que está prestes a embarcar nesta jornada, separamos as experiências de algumas mamães que passaram ou que ainda estão passando pelo período do aleitamento materno. Confira suas dúvidas, medos, dores e suas histórias de superação!

Sentir dor ao amamentar é comum, mas não é normal

 

Uma das principais dúvidas das mulheres grávidas ou que ainda não tiveram filhos diz respeito à dor ao amamentar. Afinal, é normal sentir dor? Para Renata Hernandes Marcelino, de 36 anos, a dor era constante e forte na primeira semana após o nascimento de sua filha. “Cheguei a utilizar o protetor de mamilo, aquele de silicone, mas mesmo assim tive uma inflamação chamada mastite, o que quase me fez desistir da amamentação. Em alguns momentos, chegava a sangrar”, lembra a analista de marketing.

A jornalista Carolina Galinskas, de 37 anos, também teve mastite em sua primeira gravidez, resultado da hiperlactação, ou seja, da produção excessiva de leite: “Não sentia dor ao amamentar, mas eu sentia dor quando o bebê não estava mamando porque eu produzia muito leite. O bebê não conseguia esvaziar e, por conta disso, tive mastite. Às vezes, o bebê estava dormindo e eu não conseguia dormir por causa da dor. Foi muito difícil no começo”.

A dor também foi um problema para a farmacêutica industrial Keila R. Octaviano de Souza, de 37 anos: “Sentia muita dor, o incômodo da mama inchada e pesada. O bico da mama rachou e sangrava. Muitas mães (e até mesmo a mídia) mostram a fase da amamentação como algo prazeroso e delicado. Minha experiência foi oposta, ficava tensa nestes momentos, mas por saber a importância deste ato, me condicionava a amamentar minha filha”.

Auxílio médico pode amenizar dificuldades da amamentação


Segundo a ginecologista e obstetra Rachel Sá, o aleitamento materno não deve provocar dor: “A partir do momento em que a paciente relata dor durante a amamentação, ela deve procurar imediatamente o médico obstetra e o pediatra para receber um auxílio”. Foi o que Renata fez. Ela manteve a amamentação e fez o tratamento para a mastite em paralelo. Em alguns dias, o problema passou. Já
a solução encontrada por Carolina foi procurar auxílio num banco de leite em São Paulo, onde morava. “As enfermeiras fizeram o diagnóstico, me ensinaram a tratar a hiperlactação, com ordenhas antes do bebê mamar, e com isso, eu consegui contornar o problema. Depois, foi só alegria”, relata. 

Amanda Oliveira de Moraes, publicitária de 39 anos, também enfrentou dificuldades com a alimentação de sua filha. Resolveu, então, buscar auxílio profissional: “Procurei ajuda do pediatra dela e de uma consultora de amamentação que me ajudou a melhorar a pega e também a fazer massagens e ordenhas que aliviavam bem as mamadas. Aos poucos, o processo foi ficando de fato natural como eu via nos anúncios”.

Para as mulheres com muitas dúvidas sobre o período da amamentação e sobre os cuidados com o bebê, a ajuda profissional pode ser solicitada antes mesmo do parto, como fez Renata: “Aos 7 meses de gestação, procurei uma consultoria de amamentação, com enfermeiras especializadas no tema. Foi como uma terapia: eu falava sobre meus receios, além de fazer simulações sobre as posições e como encontrar a melhor forma de superar este ‘medo’. Após o nascimento da minha filha continuei tendo este apoio profissional, até me sentir totalmente segura e confortável para seguir”.

Apoio familiar é fundamental no período da amamentação


A história de Danila F. da Silva Salvador, de 36 anos, é um pouco diferente das anteriores, já que ela não teve muitos problemas durante o aleitamento materno. Com leves incômodos apenas nos três primeiros dias, ela classificou sua experiência como única e manteve a amamentação até seu filho fazer seu primeiro aniversário. 

“Tinha bastante medo no começo, li bastante sobre o assunto e ouvi muitos relatos de mães que diziam que era horrível, uma dor imensa, que amamentavam e choravam ao mesmo tempo. Mas, não me deixei ser impactada por esses relatos, segui firme no meu propósito e consegui”, recorda Danila. Ela dedica parte do seu sucesso na amamentação ao apoio de seu marido e sua mãe: “Acho que sem eles a minha experiência não teria sido tão tranquila”.

Amanda compartilha da opinião de Danila: “Meu marido foi peça fundamental para mantermos o aleitamento exclusivo. Ele preparava minha comida e me dava na boca quando precisava. Além disso, minha mãe me ajudava com a minha filha em alguns momentos para que eu pudesse cuidar um pouco de mim”. 

Como buscar informações sobre a amamentação?


Embora, muitas vezes, os familiares sejam bem-intencionados com suas opiniões e conselhos, é preciso ter calma ao ouvi-los. Segundo a pediatra Lays Abreu, encorajar e apoiar a puérpera são pontos essenciais. “As famílias precisam ser cautelosas com as opiniões alheias porque, em alguns casos, elas podem acabar prejudicando o processo da amamentação. Quem nunca ouviu: ‘seu filho chora muito, seu leite não está sendo suficiente’?”, pergunta a médica. 

Como este período é marcado por grande instabilidade emocional para a mulher, Dra. Lays acredita ser fundamental ter uma rede de apoio em que a mamãe possa confiar, incluindo um pediatra que seja conhecido pela família já durante a gravidez para tirar dúvidas e buscar ajuda. Hoje, com a internet, é possível conhecer as histórias de dezenas de outras mamães e procurar informações em sites, desde que sejam confiáveis.

Os conhecimentos sobre amamentação e gravidez adquiridos na primeira gestação foram cruciais para que a jornalista Carolina tivesse uma rotina mais calma ao passar novamente pelo período do aleitamento materno: “Vi muita diferença em tudo. Eu sofri muito na primeira vez em que fui amamentar. Na segunda vez, eu também tive mastite, mas já sabia o que era e sabia como tratar. Foi bem mais tranquilo”. 

O que você diria para as futuras mamães?

 

Renata: “Não tenha vergonha de falar sobre seus medos e receios. É absolutamente natural ter dúvidas diante de tantas informações e experiências alheias. Mas, lembre-se de que cada mamãe irá encontrar a melhor forma de lidar com a amamentação do seu bebê. Então, mantenha a calma, não se compare e siga seu coração”.

Keila: “Os primeiros meses são intensos e de extremo aprendizado e paciência. Amamentar requer muita paciência e insistência. Não é aquele comercial bonito que aparece na TV. Mas é algo de grande importância e que deve ser priorizado”.

Carolina: “Informe-se muito antes e durante. Quanto mais informação você tem, mais você consegue atingir seus objetivos”.

Amanda: “Estudem sobre a amamentação antecipadamente, entendam os fatores que podem ajudar e atrapalhar nesse processo. Cuidado com as dicas de internet sem fundamento! Não existe leite fraco! Conversem com seu médico e incentive sua rede de apoio a entender que pode haver dificuldades no início, mas mantenham-se firmes! Vai valer a pena!”

Danila: “Não desista no primeiro obstáculo. A experiência de cada mãe é única e precisa ser vivida por cada uma. Não há nada mais gratificante do que olhar aquela coisinha pequenina te encarando, aquelas mãozinhas fofas. É uma construção diária e única, um elo inexplicável que construímos nestes momentos de amamentação com nosso bebê. Cansa, sim, muito, mas vale cada minuto, cada madrugada amamentando”.

 

Foto: Getty Images

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Dra. Rachel Sá

Dra. Rachel Sá

Ginecologia e Obstetrícia

CRM: 52101992-9 / RJ

Dra. Lays Abreu

Dra. Lays Abreu

Pediatria

CRM: 186636 / SP

TAGS
gravidez

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

1 comentário para "Amamentação: Conheça as dificuldades e histórias de superação de mamães que já passaram por este processo"
Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.