Em quanto tempo um paciente com Alzheimer passa de um estágio leve para uma fase mais grave?

  • +A
  • -A

A doença de Alzheimer, de acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), afeta cerca de 1,5 milhões de brasileiros. O problema atinge principalmente idosos e é considerado um tipo de demência. A doença é dividida em fases e os pacientes são classificados de acordo com a evolução da doença. Quer saber mais sobre a progressão dos sintomas do Alzheimer e quanto tempo dura cada fase? Confira a explicação do geriatra José Eduardo Martinelli sobre o assunto!

Alzheimer: fases vão de leve a grave e terminal

Dr. Martinelli aborda mais de uma interpretação das fases da doença: “Os estágios são leve, moderado e grave, classificação que usamos hoje. Eu gosto de usar uma classificação americana mais antiga, que chamamos de CDR, classificando de 0 a 5, sendo 1, 2 e 3 as fases leve, moderada e grave, e 4 e 5 as fases terminais”. O geriatra diz que os quadros são classificados de acordo com o estado da memória e da realização de atividades sociais e instrumentais do paciente. 

De acordo com Dr. Martinelli, o ponto inicial dessa doença degenerativa é a perda de memória lenta e progressiva, mas a SBGG aponta também a possibilidade de ocorrência de mudanças de personalidade. A evolução, no entanto, não segue uma regra, como explica o médico: “Existem pessoas que evoluem da fase leve para a grave de 2 a 5 anos e outras vão evoluindo de 10 a 16 anos até a fase terminal, que pode durar de 2 a 4 anos. Por isso, é muito difícil prever quando é a mudança de fase, de leve para moderada e de moderada para grave”.  

“Cada pessoa tem uma evolução, dependendo também de sua reserva cognitiva, da escolaridade, da intelectualidade e da sociabilidade”, afirma o especialista, que lembra ainda que, em casos de Alzheimer precoce (antes dos 65 anos), os sintomas podem evoluir mais rápido.

Diagnóstico tardio é comum nos pacientes com Alzheimer

Um grande problema nos casos de Alzheimer é que, segundo a SBGG, o diagnóstico, muitas vezes, é feito de forma tardia, quando os pacientes já estão com quadros moderados ou graves. O médico explica o porquê: “Uma estatística que tenho feito na faculdade de Medicina diz que os pacientes só procuram os médicos depois de três anos, pois o esquecimento leve é interpretado pelos familiares como um sinal comum de envelhecimento”. 

À medida que a doença evolui, esses esquecimentos vão se tornando mais graves, até que os familiares percebem que o paciente está mudando de comportamento. “O Alzheimer vai progredir, e a pessoa com a demência terá uma evolução, chegando às fases finais de doença com mutismo, sonda nasoenteral (pois deixa de comer), incontinência urinária e fecal e posição fetal no leito”, afirma o médico.

Paciência é fundamental no convívio com uma pessoa com Alzheimer

A SBGG recomenda que a família do paciente com Alzheimer tenha o respaldo de um cuidador profissional, o que é endossado por Dr. Martinelli: “As pessoas que convivem com o paciente tem que entender a doença. Eu sempre falo para os cuidadores que a doença de Alzheimer não é uma doença da pessoa, mas sim da família. A partir do momento em que isso é diagnosticado, toda a família fica envolvida, principalmente quem convive diretamente com a doença. Não adianta bater de frente, tem que sempre contornar as situações. É importante falar aos familiares como a doença se comporta e como devem se portar frente aos problemas que vão surgindo. Medicamentos específicos também podem ajudar, por isso é necessário ir ao médico”.

 

Referências:

Dados da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG): https://sbgg.org.br/dia-nacional-de-conscientizacao-da-doenca-de-alzheimer/

https://sbgg.org.br/a-funcao-do-cuidador-no-acompanhamento-de-pessoas-com-a-doenca-de-alzheimer/

 

Azevedo, Patricia Gomes de et al. Linguagem e memória na doença de Alzheimer em fase moderada. Revista CEFAC [online]. 2010, v. 12, n. 3 [Acessado 27 Abril 2022] , pp. 393-399. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rcefac/a/M4NkPcKy3bcTcVYCm5xZPRt/?lang=pt# 

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
Dr. José Eduardo Martinelli

Dr. José Eduardo Martinelli

Geriatria

CRM: 27875 / SP

TAGS
alzheimer

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

2 comentários para "Em quanto tempo um paciente com Alzheimer passa de um estágio leve para uma fase mais grave?"
Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.