Cuidados com a palavra: como aliviar o sofrimento de pacientes com Alzheimer?


  • +A
  • -A

A perda de memória típica da doença de Alzheimer traz muita inquietação aos pacientes. Acreditar no que os cuidadores e familiares dizem acaba sendo algo complicado e causa desgaste no relacionamento entre as partes. Por isso, é muito importante saber se comunicar para não causar atritos.

“O manejo da palavra com pacientes com Alzheimer em algumas situações é difícil, pois nem sempre consegue-se ‘convencer’ a pessoa da necessidade, por exemplo, de usar de uma medicação ou de tomar banho todo dia. Isso não ocorre voluntariamente por parte do doente, é manifestação da doença, porém não é algo fácil de ser compreendido por familiares e cuidadores”, avalia a geriatra Aline Ferreira.

Dicas para cuidadores lidarem melhor com pacientes com Alzheimer


Para lidar com pacientes com alterações de comportamento relacionadas à demência, a especialista sugere que os responsáveis pelo idoso sigam alguns cuidados, tais como:
ter uma postura calma; utilizar um tom de voz ameno; cuidar para que o ambiente esteja sempre calmo e iluminado; e ter uma rotina estável e simplificada. “Tente identificar se há um fator desencadeante para o comportamento. Pode ser um objeto de decoração, a presença de pessoas desconhecidas na casa, mudança de cuidador e até maus-tratos”, recomenda.

Evitar confrontos e repetições desnecessárias ajuda muito a não piorar a situação do paciente com Alzheimer. Portanto, não se deve discutir com ele sobre a veracidade do que ele está vendo, ouvindo ou afirmando. “Não diga que a casa em que ele vive é sua própria casa se ele insiste que aquela não é sua casa. Às vezes a casa presente em sua memória é a de sua juventude ou infância”, exemplifica Aline.

Ajuda de médico especialista é essencial para cuidadores de pacientes com Alzheimer


Caso o paciente esteja muito fora de si e agitado, ao invés de discutir e piorar a situação, vale mais tentar
distraí-lo com assuntos ou atividades de seu interesse ou levá-lo para dar uma volta em um local agradável. “Caso o controle esteja bem difícil, vale entrar em contato com o médico assistente. É necessário avaliar se há possibilidade de que algum medicamento ou alguma doença aguda esteja contribuindo para a alteração apresentada ou se é sintoma comportamental referente à demência”, destaca a geriatra.

Dra. Aline Ferreira Bandeira de Melo é geriatra, formada pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e atende em Goiânia. CRM-GO: 12235 – Facebook

Foto: Shutterstock

TAGS
alzheimer
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

7 comentários para "Cuidados com a palavra: como aliviar o sofrimento de pacientes com Alzheimer?"

Cristiane

Maravilhosas e preciosas orientações.Muito obrigada!!

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Cristiane, ficamos felizes que você tenha gostado! Abraços.

Geni

Minha mãe tem Alzheimer há 6 anos – agora estamos passando justamente por esta fase do banho e querer ir pra casa da mãe dela, já ficou 3 dias sem querer tomar banho, e todos os dias se arruma,faz uma bolsinha de roupas e quer ir embora pra mãe. Ela completa 81 anos Agora em 12 de setembroAmei o artigo 😍😍😍😘😘

CUIDADOS PELA VIDA

Ola Geni, continue por aqui para ter acesso a essas e outras informações. Abraços.

Fátima

Esses artigos têm me ajudado muito. Minha mãe tem 84 anos e está na fase em que imagina conflitos onde se misturam situações de sua infância e juventude. Esses conflitos a fazem sofrer muito. Mistura realidade e ficção. Além disso nossa casa é bem movimentada e isso contribui para a sua confusão mental. Como conciliar nossa rotina diária às necessidades e limitações dela tem sido a nossa maior dificuldade.

suelda

Meu marido está diagnosticado com Alzhimer, está em tratamento, toma DONEPEZILA DE 10MG, o problema maior é que é alcoolista bebe todos os dias, não tenho bebida em casa ele sai para um batzinho perto de nossa residência e passa a maior parte do dia lá , só vem para casa para comer e dormir, tem uma turminha que joga dominó com ele todos os dias , estamos fazendo hidroginástica ele gosta muito, porém fica se isolando, não conversa com ninguem nem comigo,, vive sempre muito mau humorado, piorou depois que parou definitivamente de trabalhar . esqueceu de tudo que fazia no trabalho , era agente de viagem, está com 72 anos, será que a bebida também está contribuindo para que ele esteja cada dia mais esquecido? a memória recente está pior, muito repetitivo, não tem animo para nada, não se incomoda com a aparencia, não pode pegar em dinheiro gasta tudo com bebida, estou controlando e ele sõ reclama que o dinheiro é dele e ele gasta como quer. Que faço? já está me irritando muito isto , estou sobrecarregada, pois tam,bém já sou idosa tenho 65 anos, e não tenho ninguem com quem dividir as responsabilidades, ele estava com psicologa mas a seis meses que ela está de licença médica e n~so o passaram para outra profissional, esta fazendo terapia ocupacional em grupo, mas quando sai de lá pergunto o que fez e ele não se lembra do que fez lá durante a terapia já passei o fato para a geriatra e la ficou de estudar o caso, o tratamento é pelo SUS, acho bom porém ele não colabora muito, principalmente por causa da bebida. Me dê uma luz de como agir, para não perder a paciência com ele.Sempre procuro orientações lendo artigos sobre a doença,pois também passo as informações para ,minha irmã que também cuida da minha mãe de 86 anos que também está com alzhaimer.Obrigada

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Suelda, praticar atividade física e/ou fisioterapia para ganho de força muscular, coordenação e equilíbrio auxilia no retardo do declínio funcional. A musicoterapia, por sua vez, pode trazer memórias passadas e retardar o processo de degeneração. Outras sugestões de atividades que podem ser implementadas no dia a dia do paciente com Alzheimer: organizar/ordenar cartas, cartões, revistas e álbuns de fotos; ler livros, jornais ou revista em voz alta; manter um calendário e relógio sempre alcançáveis; reproduzir músicas; lembrar de grandes invenções, programas de TV ou eventos marcantes na vida do paciente. De qualquer modo é indispensável buscar a ajuda de um geriatra para que ele possa indicar o tratamento mais adequado. Até breve.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.