Por que o consumo de frituras é um fator de risco para a hipertensão?


  • +A
  • -A

Consumir frituras é algo bastante normal, já que muitas guloseimas são preparadas dessa forma. Batatas fritas, churros e pasteis são apenas algumas comidas que estão entre as preferências de grande parte dos brasileiros. Em termos de saúde, no entanto, é importante minimizar ao máximo o consumo destes alimentos, já que eles trazem diversos prejuízos ao organismo, especialmente quando consumidos em excesso.

As gorduras encontradas nas frituras tendem a contribuir para o desenvolvimento de diversos problemas, dentre eles o aumento da pressão arterial. Isso ocorre porque essas gorduras acabam se acumulando nos vasos sanguíneos, formando placas em suas paredes, diminuindo o diâmetro dos vasos e dificultando a passagem do sangue.

 

Frituras com imersão em óleo e sobrepeso

 


“O consumo excessivo de frituras em imersão, por absorverem muito óleo, aumenta as calorias da dieta, podendo elevar o peso de um indivíduo”, afirma a nutricionista Adriana Ávila. “Vale destacar que o sobrepeso é um fator de risco para aumentar a pressão arterial, por mais que se tome a medicação para controle da pressão de forma adequada”.

Contudo, a especialista explica que dá para incluir a fritura com imersão em óleo na alimentação, se o consumo for realizado apenas uma vez por semana e sem exagerar na quantidade..

 

Outros alimentos que aumentam a pressão arterial, além das frituras

 


Além das frituras, outros alimentos são considerados fatores de risco para a hipertensão. Alguns exemplos: enlatados e conservas em geral; frios, salsichas e linguiças; queijos salgados; temperos, molhos e sopas prontos; alimentos ricos em gordura saturada e colesterol; alimentos ricos em açúcar, doces em geral e refrigerante; bebidas alcoólicas.


Para reduzir os riscos de desenvolver ou agravar a doença, é importante, além de reduzir o sódio na alimentação, praticar exercícios físicos com regularidade, controlar o estresse e, no caso de obesidade, perder peso.

 

Dra. Adriana Ávila é formada pelo Centro Universitário São Camilo e atua em São Paulo. CRN-SP: 3-2816.

Foto: Shutterstock

COLABORARAM NESTE CONTEÚDO: 
TAGS
alimentacao
cardiovascular
coracao
dieta
nutricao
obesidade
pressao-alta
sal

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

6 comentários para "Por que o consumo de frituras é um fator de risco para a hipertensão?"

Fabrício

Achei muito interessante, as questões acima! Cuidar da nossa saúde não tem preço… Obrigado pelos avisos pois nos ajuda muito nesses assuntos de alimentação.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Fabricio, ficamos gratos por saber que nossas matérias estão impactando de uma forma positiva na sua vida. Temos mais algumas informações sobre saúde nos links abaixo, Abraços.

https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/coracao/musculacao-pressao-arterial-sob-controle
https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/alimentacao/hipertensao-condimento-pressao

Rosane Aquino

Gostaria de saber, se um senhor de 76 anos que há quase 2 anos teve um AVC e tem pressão alta, pode comumir pimenta? P.S: Ele tem muitos gases e diarréias constantes.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Rosane, é importante buscar ajuda médica para se identificar a causa dos sintomas informados, e a partir daí será prescrito uma dieta mais adequada para o paciente e será verificado também a possibilidade de incluir a pimenta na alimentação. Abraços.

Getulio Almeida de Souza

Quero parabenizar o programa cuidado pela vida, por essa e outras informações, pois é muito importante para que possamos cuidar melhor da saúde.

CUIDADOS PELA VIDA

Olá Getulio, para nós é gratificante levar novos conhecimentos dicas de saúde e tratamentos a todos que acompanha nossas matérias. Temos outras informações sobre o tema abordado no link abaixo. Abraços.

https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/coracao/musculacao-pressao-arterial-sob-controle

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.