Há comportamentos na infância que indicam o desenvolvimento do TOC no futuro?


  • +A
  • -A

O transtorno obsessivo compulsivo, também conhecido pela sigla TOC, é uma doença psiquiátrica caracterizada por, entre outras coisas, comportamentos repetitivos e pensamentos fixos. São as compulsões e as obsessões que, se não receberem o tratamento adequado, podem reduzir a qualidade de vida de uma pessoa.

Apesar de filmes, séries e novelas retratarem com maior frequência adultos que sofrem com o transtorno, o número de casos entre as crianças também é considerável. “Em torno de 25% dos casos de TOC ocorrem até os 14 anos. E o sexo masculino tem idade de início mais precoce”, afirma o psiquiatra Marcelo Calcagno Reinhardt.

TOC ou comportamento normal da infância?

Os pais devem ficar de olho em alguns comportamentos dos filhos que podem sinalizar o desenvolvimento do TOC. De acordo com o psiquiatra, a doença costuma começar vagarosamente e depois se desenvolver, o que torna difícil para os pais identificarem e diferenciarem os sintomas.

Além disso, na infância alguns rituais e obsessões costumam fazer parte do crescimento da criança. Eles devem ser considerados problemas a partir do momento em que se tornarem muito frequentes, trazendo prejuízo para sua saúde e alterando seu relacionamento com a família, amigos e professores. Como exemplo, pode ser citada uma criança que não aceita que mexam no seu quarto e discute raivosamente com quem não segue suas regras.

Formas de comportamento

“Uma criança que não aceita se sujar na areia, brincar de massinha por receio de que grude nas mãos, ou que não quer se limpar após fazer cocô por nojo, mesmo sabendo, pode indicar alguma alteração”, explica Reinhardt. Outros comportamentos, ligados à repetição e organização, como brincar sempre com o mesmo brinquedo e gostar dos alimentos separados no prato, podem sinalizar um caso de TOC.

É sempre importante consultar um especialista para um diagnóstico preciso. Caso seu filho tenha o transtorno, ele contará com a ajuda da psicoterapia e também com medicamentos antidepressivos como formas de tratamento. O papel dos pais é buscar o auxílio médico o quanto antes e participar ativamente e positivamente do tratamento.

Dr. Marcelo Calcagno Reinhardt é psiquiatra, formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e atua em Florianópolis. CRM-SC: 10573

TAGS
toc

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

1 comentário para "Há comportamentos na infância que indicam o desenvolvimento do TOC no futuro?"

Girliane Araújo

Sim, pois eu quando criança odiava que mechersem em minhas coisas sem minha permissão e brigava raivosamente por isso pois sempre quis mantelas sempre orgazadas sempre fui nervosa, hoje ainda sou assim….. porém, estou mantendo o controle pois estou em tratamento com a Picicologa e com o Piciquiatra na medicação. Eu tive à primeira síndrome do pânico aos 14 anos e meus pais nunca se interessaram por isso, pois pensavam que só foi por causa de filmes de terror que eu assistia, e fui curada por Deus, mais agora cm 22 anos veio novamente por conta de um show que fui e mim senti sufocada no meio de tanta gente e eu mim tratei pois eu já estava trabalhando e não sabia o que era isso ate descobri que sempre tive o TOC ( transtorno obsessivo compulsivo ) e Deus está no controle do meu viver primeiramente ele segundo os médicos que cuidam de mim

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.