Esquizofrenia paranoide: como ajudar um paciente com crise de paranoia?


  • +A
  • -A

A esquizofrenia é um transtorno psiquiátrico complexo em que o paciente não é capaz de compreender a realidade e distinguir o que acontece ao seu redor daquilo que faz parte apenas de sua imaginação. Estima-se que mais de dois milhões de brasileiros tenham a doença, que é classificada em subtipos de acordo com a manifestação dos sintomas.

O que é esquizofrenia paranoide?

 

O subtipo mais frequente é a chamada esquizofrenia paranoide. “É a forma mais comum de esquizofrenia, sendo caracterizada pela presença de delírios e alucinações de maneira mais importante”, explica o psiquiatra Eduardo de Castro Humes. Nesses casos, a desorganização da fala e do pensamento e as dificuldades de expor emoções ficam em segundo plano.  

Durante uma crise de paranoia, é fundamental tomar certos cuidados. O mais importante é, diante de uma pessoa com sintomas psicóticos, evitar confrontar diretamente o conteúdo psicótico. Isso significa dizer que é melhor mostrar disposição em ajudar o paciente a passar pela situação que está causando sofrimento do que tentar argumentar que nada do que ele está imaginando é real. Mantenha a calma, evite se mostrar nervoso, ansioso ou com raiva, peça para que o paciente se sente e tenha sempre um contato em caso de emergência.  

“Em pacientes com sintomas psicóticos não é possível convencê-lo puramente através do discurso de que o que ele está imaginando não passa de uma consequência da sua doença”, afirma o profissional. Uma das crenças mais comuns em pessoas com esquizofrenia é a de que estão sendo perseguidos e de que alguém deseja prejudicá-los.

Como funciona o tratamento da esquizofrenia?

 

Segundo Humes, o tratamento do transtorno é baseado no uso de medicações antipsicóticas e intervenções psicossociais, como psicoterapias individuais, treino de habilidades sociais e terapia ocupacional. É possível ainda recorrer à psicoeducação. “Trata-se da educação de familiares, pacientes e conhecidos sobre o processo de adoecimento, diagnóstico e tratamento”, resume o médico.

Dr. Eduardo de Castro Humes é psiquiatra e psicoterapeuta formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. CRM-SP: 108239

Foto: Shutterstock

TAGS
esquizofrenia
psicologico

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

6 comentários para "Esquizofrenia paranoide: como ajudar um paciente com crise de paranoia?"

Eduarda

A minha prima, quando tem esses surtos começa a gritar e muitas vezes acredita que tem bichos no seu corpo, é necessário umas cinco pessoas para segura-la ou se não ela se machuca muito. O problema não é nem a doença, e sim a mãe dela, a mãe dela não compreende o fato e não dá os remédios para a minha prima. O que torna uma situação muito complicada, porque quando ocorre o surto (que é algo frequente) ela não quer que ligue para a sua mãe. Sinceramente, eu não sei mais o que fazer visto que a mãe dela não dá os seus remédios e ela não fala sobre a doença. Vocês tem alguma dica para a minha situação?

Cuidados Pela Vida

Olá Eduarda, não é raro um dos familiares desacreditar nesse tipo de transtorno. Nesse caso, como você reconhece a doença, seria conveniente conversar com sua tia explicando sobre a doença, levando-a a entender que sua prima pode melhorar com o auxílio de medicamentos específicos. Esperamos que você tenha sucesso na conversa e que sua prima melhore. Abraços

Ruby

Namoro à 2 anos e no 6° mês de relacionamento, descobrir que o meu namorado tinha e tem esquizofrenia paranoide Decorrente ao uso de maconha. (Já não usa ). Usa bastante medicação, o tempo passou e não notei diferença alguma no comportamento dele, trabalha 75% porque os medicamentos lhe dá sono, conduz, tem responsabilidades como qualquer outra pessoa.Com 1 ano e 5 meses de relacionamento ele teve uma leve crise, que tinha alguém a querer matar lo. Não queria sair de casa isso durou 2 dias no fim de semana entretanto falou com mãe e com o médico ao telefone o qual mandou tomar uma medição e voltou a ficar normal. Quem não ficou normal fui eu. Fui pedida em casamento tempos depois do ocorrido. Eu aceitei o anel, mais não aceitei data para o casamento, ele é uma pessoa maravilhosa basicamente vivemos na mesma casa, estou sempre a procura de respostas e forma de o ajudar lo.Por vez noto ele muito no canto dele tipo como se tivesse no mundo dele, não é muito de ligar para ninguém nem se importa muito em responder uma menssagem – isto. Sei que els tem um bom coracao sempre disponivel a ajudar o proximo… E estando junto tenta ter uma socialização normal.Perguntas: que ñ vejo resposta já fui ao seu médico e sair com mais dúvidas do que antes. Será que realmente ele pode casar? Pode ter filho? Será um bom pai? Ou no futuro se Corremos riscos ao seu lado? Será que podemos ter uma vida normal? Para além da medição da psicóloga que ele tem é do que tem disponível na Internet, existe formas de ajudar lo mais? Sentir me com as mãos atadas e estamos em cidades diferentes já quase 3 meses inventei um problema para estamos distantes, na verdade foi a Forma que achei de tentar colocar as minha ideias em ordem. Juro que não sei o que fazer😌

Cuidados Pela Vida

Olá Ruby, você cita em seu relato que já acompanhou seu namorado em uma consulta, mas continuou com dúvidas. Nesse caso recomendamos que você busque uma segunda opinião. Agende uma consulta com outro profissional, leve suas dúvidas sobre a doença e sobre o comportamento do seu namorado, ouça o médico com atenção e verifique como você poderá ajudá-lo. Em nosso site existem outras matérias sobre a esquizofrenia, que também podem auxiliá-la. Seguem os links:
https://cuidadospelavida.com.br/meu-corpo/cabeca-e-pescoco/pacientes-que-sofrem-com-esquizofrenia-tendem-ser-perigosos

https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/esquizofrenia/esquizofrenia-tem-cura-possivel-recuperar-totalmente-doenca

https://cuidadospelavida.com.br/saude-e-tratamento/esquizofrenia/quem-tem-esquizofrenia-pode-ter-uma-vida-normal

Torcemos para que você esclareça suas dúvidas e consiga tomar uma decisão. Abraços

Sandra

Olá. Meu tio está com um comportamento muito estranho. Ele relata perseguições, que está sendo seguido, filmado por estranhos e vigiado por vizinhos. Ele quer contratar um detetive. Me pediu ajuda nesse sentido. Imagino que esteja com esquizofrenia. Como faço para convencê-lo de se consultar? Temo por sua vida, por ele relata viaturas perseguindo, carros fechando no trânsito, … aguardo respostas. Obrigada.

Cuidados Pela Vida

Olá Sandra, nesse caso, como você reconhece a doença, seria conveniente conversar com seu tio explicando sobre a doença, levando-o a entender como pode melhorar com o auxílio médico e de medicamentos específicos. Esperamos que você tenha sucesso na conversa e que seu tio melhore. Abraços.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.