Pudim, pavê, rabanada: como diabéticos devem lidar com os doces de Natal?


  • +A
  • -A

Gostar muito de doces e ter diabetes não deve ser tarefa muito fácil. Imagine lidar com essa situação diante das famosas guloseimas de fim de ano, como pudins, pavês, rabanadas… Complicado! Porém, nada está perdido. Vamos ajudar quem se encontra nesta situação para que as últimas noites do ano sejam prazerosas e saudáveis.

Os diabéticos devem ter atenção redobrada, pois há quantidades específicas de alimentos que cada um pode comer levando em consideração o nível de glicose no sangue. É preciso saber se o paciente toma ou não insulina ou algum medicamento para reduzir a glicose. Tudo deve ser bem controlado e individualizado para que nenhum problema aconteça durantes as festas.

O primeiro passo para lidar com os doces de Natal é aproveitar a festa e quem estiver nela, seja família, amigos ou colegas do trabalho. “A comida faz parte da festa e isso precisa ser trabalhado de forma equilibrada. Não precisamos comer tudo de uma vez, em uma única noite”, diz a nutricionista Renata Fetter.

Dicas para controlar a glicemia no Natal

 

Existem diversas opções para os diabéticos que não abrem mão de comer um docinho nos últimos dias do ano. Os doces devem ser preparados com adoçantes, para evitar a sobrecarga de açúcar, e os carboidratos merecem atenção para serem consumidos com moderação. Renata deu algumas dicas, confira abaixo!

Faça um jantar mais rico em proteínas, gorduras de boa qualidade e vegetais, reduzindo o consumo dos carboidratos como batatas, farofa, arroz e farinhas. Boas escolhas são: bacalhau, azeite, chester, peru, salada verde, feijão fradinho, azeitonas, nozes, avelãs e amêndoas.

Melhore a composição nutricional de algumas receitas, fazendo ajustes nas preparações. Troque ou reduza alguns ingredientes. Por exemplo, você pode fazer uma rabanada ao forno com adoçante e canela. Dica: pode caprichar na canela, pois esta especiaria tem efeito redutor da glicemia.

Não exagere, as porções devem ser controladas mesmo sendo “diet”.

O consumo das oleaginosas é bem-vindo. Nozes, avelã, amêndoas ajudam a controlar a glicemia pois estes alimentos contêm gordura de boa qualidade e fibras que reduzem a velocidade de absorção da glicose pelo nosso corpo. É uma boa opção usar estes ingredientes para fazer um bolo, no qual você também pode usar farinhas integrais. Imagine só um bolinho quentinho de nozes com canela…

Diabéticos não devem comer panetone e rabanada

 

Visto as escolhas interessantes para a mesa, também é preciso saber o que evitar. E, infelizmente, receitas famosas e gostosas devem ficar fora dos pratos dos diabéticos, caso dos doces muito ricos em açúcares e farinhas refinadas. “Rabanada, pavê, pudim e panetone não são boas opções, mas tudo vai depender de como o controle da glicemia é realizado”, lembra Renata.

Apesar do excesso de açúcar, durante apenas um dia, não trazer muitos malefícios à saúde de quem sofre com o diabetes, manter a glicose sob controle é de extrema importância. A glicemia elevada de forma constante danifica as células do corpo, podendo ocasionar, por exemplo, lesão renal e cegueira e, em casos mais graves, até a morte.

Dra. Renata Fetter é nutricionista, mestre em Nutrição, Alimentação e Saúde pela Uerj, pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional e atende no Rio de Janeiro. CRN: 10100271 – www.renatafetter.com.br

TAGS
alimentacao
diabetes
glicose

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

Nenhum comentário para "Pudim, pavê, rabanada: como diabéticos devem lidar com os doces de Natal?"
Seja o primeiro a comentar

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.