A importância de não excluir seu familiar com Alzheimer de atividades sociais


  • +A
  • -A

O mal de Alzheimer é uma doença crônica que resulta na perda progressiva da memória. O tratamento ajuda a retardar os efeitos que desgastam as conexões das células cerebrais e por isso é essencial que seja realizado com o maior engajamento possível. Mas o tratamento não se baseia apenas em remédios e consultas com especialistas. O estímulo a diversas práticas, como a interação social, também faz parte desse processo.

Você que é cuidador de um paciente com Alzheimer deve ter em mente que a sua função é vital para que o doente se mantenha incluído socialmente. Com o diagnóstico da doença, o paciente perde gradativamente a autonomia e a independência e por isso precisa dos seus cuidados, mas sempre participando de atividades sociais.

Prática de atividades sociais diversas é essencial no tratamento de Alzheimer


“Essas atividades se estendem muito e são bem simples. Alguns exemplos são: frequentar festas de aniversário e reuniões familiares; caminhadas e exercícios físicos em geral; participação em grupos de terceira idade, bingos, reuniões com amigos etc. Enquanto o paciente puder frequentar atividades sociais, é importante não excluí-los”, afirma o geriatra José Eduardo Martinelli.

Ainda segundo o médico, não existem atividades específicas nesse contexto. Os pacientes devem participar de qualquer atividade que faça a inclusão social, tais quais as já citadas. Terapias envolvendo arte, música e animais domésticos também são opções interessantes. “A sociabilidade faz parte do tratamento não medicamentoso e contribui de maneira significativa como complemento do tratamento com remédios”.

Isolamento social acelera evolução do Alzheimer


Além de prejudicar os indivíduos que já contam com o diagnóstico de Alzheimer, o isolamento social é um dos fatores mais importantes para que as pessoas fiquem predispostas à demência da doença. “Quem já possui Alzheimer tende a sofrer ainda mais com a evolução do quadro quando se isola.
Os sintomas pioram mais rápido e as fases da doença se instalam também com maior velocidade”.

Dr. José Eduardo Martinelli é pneumologista e geriatra, sócio fundador e responsável técnico pelo Instituto Martinelli de Geriatria e Gerontologia em Jundiaí (SP). CRM-SP: 27875 – Site oficial

Foto: Shutterstock

TAGS
alzheimer

FIQUE POR DENTRO DE DICAS
DE SAÚDE
E BEM-ESTAR

1 comentário para "A importância de não excluir seu familiar com Alzheimer de atividades sociais"

Clarice

Muito bom o texto. Meu pai caminha sozinho, diz q não precisa de ninguem.

Deixe seu comentário

Obrigado por compartilhar sua opinião! Todos os comentários passam por moderação, por isso podem não aparecer imediatamente na matéria.